Carregando... aguarde
VOLPI POPULAR-2022-02-25 - Guia das Artes
Evento encerrado
Quando aconteceu
Sexta, 25 Fevereiro até Domingo, 05 Junho
Local
MASP — Museu de Arte de São Paulo
Av. Paulista, 1578 - Bela Vista
Conteúdo

 

Com um caráter panorâmico, esta exposição abrange cinco décadas da carreira de Alfredo Volpi (Lucca, Itália, 1896 – São Paulo, 1988) e tem como enquadramento o contínuo interesse do artista por imagens, narrativas e personagens da cultura popular brasileira.

Com 96 pinturas, a mostra está organizada em sete núcleos temáticos não cronológicos: Santas e santos; Retratos; Marinhas; Temas náuticos e lúdicos; Cenas urbanas e rurais; Fachadas; e Bandeirinhas e mastros.

A família de Volpi migrou da Itália para o Brasil, quando o artista ainda era criança, e se mudou para o bairro do Cambuci, em São Paulo. De origem humilde, antes de dar início à carreira artística, Volpi trabalhou no ramo da construção civil, especializando-se na pintura decorativa de paredes. Autodidata, ele começou a pintar em 1911, mas seu interesse pelo popular ganhou força a partir da década de 1940, quando passou a realizar retratos religiosos, representações de festejos populares — incluindo suas famosas bandeirinhas — e de fachadas de arquitetura vernacular e colonial brasileira.

A partir da década de 1940, sua pintura se torna cada vez mais geometrizada, com campos cromáticos vibrantes, delimitados por contornos irregulares, marcados por um uso excepcional da cor, por sua pincelada característica e pela textura singular de sua têmpera — tinta produzida pelo próprio artista a partir da mistura de pigmentos com o ovo. Ao longo dos anos, seu trabalho caminhou para a redução de elementos na composição, flertando com a abstração geométrica, ainda que sem perder o referencial da figuração.

A trajetória de Volpi produziu um repertório vasto e complexo de pinturas, em uma mescla extraordinária entre a tradição moderna e elementos da cultura popular. Se, por um lado, o artista dialogou com a tradição da pintura ocidental, sobretudo da arte italiana da Idade Média e do Renascimento, e com o modernismo brasileiro, com sua sintetização formal, por outro lado, sua obra foi povoada por referências da cultura popular, algo que esta exposição procura destacar. Nesse sentido, a mostra se insere em um conjunto de outras organizadas pelo MASP com enquadramentos similares: Portinari popular, em 2016, e Tarsila popular, em 2019.

Volpi popular integra o biênio de programação do MASP dedicado às Histórias brasileiras, em 2021-22, por ocasião do bicentenário da independência do Brasil em 2022. Este ano, a programação inclui mostras de Abdias Nascimento (1914-2011), Luiz Zerbini, Dalton Paula, Joseca Yanomami, Madalena dos Santos Reinbolt (1919-1977), Judith Lauand e Cinthia Marcelle, além de uma grande coletiva, Histórias brasileiras.

Volpi popular é curada por Tomás Toledo, curador-chefe, MASP.

 

Fonte: MASP

* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Fotos
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "São Paulo"
‘Nunca foi sorte’ -
Saiba mais
Arte Infinita - Nascida em uma família de colecionadores, cuja mãe manteve durante 25 anos uma galeria dedicada a incentivar a escultura, Viviane Teperman inaugurou em 2001 a Arte Infinita Galeria.
Saiba mais
Casa Amarela Leilões de Arte - Casa Amarela Leilões de Arte" atuando no mercado de arte de São Paulo desde 1989 e no Distrito Federal desde 1994, especializada em leilões de arte e residenciais.
Saiba mais
Cirandeira Lia de Itamaracá ganha Ocupação imersiva no Itaú Cultural -
Saiba mais
DemocrArt -
Saiba mais
Exposição Xilograffiti reúne cordéis, lambe-lambes e intervenções em SP -
Saiba mais
Galeria Cia Paulista -
Saiba mais
Galeria Leme - Desde a sua abertura em novembro de 2004, a Galeria Leme apresenta um programa inovador na cena da arte Brasileira, representando artistas brasileiros e internacionais, frequentemente convidados a criar e produzir novos e ambiciosos projetos no prédio de
Saiba mais
Galeria Luisa Strina - A história da Galeria Luisa Strina, a mais antiga galeria de arte contemporânea de São Paulo, se mistura com a trajetória profissional de Luisa Strina.
Saiba mais
Galeria Millan - Quando de sua fundação, em 1986, a Galeria Millan buscava apresentar relações entre a produção dos artistas contemporâneos que representava e os artistas modernos que influenciaram sua formação.
Saiba mais
Galeria Vermelho - Após treze anos de existência, a Vermelho estabeleceu-se como uma alternativa à rigidez dos espaços comerciais dedicados à arte, ao incentivar novas ideias e discursos desenvolvidos por artistas emergentes e já estabelecidos.
Saiba mais
Luciana Brito Galeria - Quinze anos depois de inovar a cena artística paulistana com seu espaço na Vila Olímpia – um dos primeiros a ser projetado por um escritório de arquitetura já tendo em vista as necessidades de uma galeria de arte contemporânea –, a Luciana Brito Galeria s
Saiba mais
Mulheres artistas: nos salões e em toda parte -
Saiba mais
Von Brusky Escritório de Arte -
Saiba mais
VUADORA -
Saiba mais
‘Espuma Delirante’ de Rafael Silveira, com curadoria de Baixo Ribeiro -
Saiba mais
“Modernismo. Destaques do acervo“ - Pinacoteca celebra os 100 anos da Semana de Arte Moderna com nova exposição
Saiba mais