Carregando... aguarde
Paisagens entre aspas-2017-09-14 - Guia das Artes
"Paisagens Entre Aspas"
Evento encerrado
"Paisagens Entre Aspas"
Quando aconteceu
Quinta, 14 Setembro até Sábado, 28 Outubro
Local
Galeria Leme
Av. Valdemar Ferreira, 130 - Butantã
Conteúdo

Como construtora de imagens em um mundo em que estas se multiplicam constantemente, Sandra Gamarra as recicla e reincorpora para investigar as suas origens e especular sobre seu possível destino. Em sua quinta exposição na Galeria Leme, ela usa o gênero de paisagem ocidental “na arte” para indicar de onde ele vem, o que o caracteriza e quais as suas repercussões sobre a nossa relação com o entorno. Continuando com o seu método de apropriação de imagens e seu questionamento da arte através da pintura, Sandra Gamarra usa o meio através do qual a ideia de paisagem Europeia foi criada com a intenção de revelar o seu suposto realismo e, dessa forma, confrontá-lo com a Natureza.

Desde que a paisagem apareceu como gênero próprio da arte europeia no século XV, este conceito invadiu outras áreas do conhecimento. Fala-se de paisagem social, sonora, visual, econômica, psicológica, como se fossem verdades tangíveis e esquecendo que a paisagem foi construída como uma ilusão, uma aproximação e uma fragmentação da natureza, que em si mesma não procura abarca-la completamente. Ao construir pontos de vista parciais, a paisagem “não traça os contornos ou examina a topografia de seu entorno mas seleciona e reforma naturalmente a natureza para representá-la de forma exemplar”. (Sutton, 1994, O século de ouro da paisagem holandesa, p.16) Deste modo “exemplar”, as paisagens também serviram como certificados de autenticidade. O território era delimitado e domesticado pela pintura. Tal como o mapa, a paisagem serve como ferramenta de relação com o entorno, que o edita e o re-enquadra, a partir de uma perspectiva única.

Por outro lado, a representação da natureza nas culturas pré-colombianas era sempre simbólica e abstrata; não existia, portanto, a ilusão “realista” da paisagem. Em comparação com a lógica cristã que considera que o mundo foi criado por um deus, as culturas pré-colombianas localizam seus próprios deuses na natureza. Essa distinção fundamental em relação à interpretação e à interação com o natural é o produto de uma mentalidade que não tenta dominar a natureza (seus deuses), mas sim é dominada por ela.

Hoje, o Peru, como outras nações da região, exporta-se como uma “terra de paisagens”. Este as instrumentaliza para comercializá-las ou usá-las como símbolos de poder e permanência, fazendo-a circular em notas e moedas, cartões de crédito, condecorações, etc. Esta “paisagem”, que serve como o eixo unificador do Peru, reduziu a natureza, muito mais complexa e sensível, à nossa ação. A incompreensão das consequências ambientais resultantes da exploração dos recursos naturais e do uso do território é uma medida dessa distorção.

Em nossa sociedade, geradora incansável de imagens, a pintura de paisagens pode parecer um gênero obsoleto, relegado a decorar corredores e protetores de tela. Enquanto a fotografia da paisagem assumiu tanta relevância quanto a pintura, popularizando-se através do turismo, da publicidade e das redes sociais, esta manteve a fragmentação e redução que a pintura, da qual é herdeira, construiu como “realidade”.

“Paisagem entre aspas” tem como ponto de partida fotografias de paisagens Peruanas e Brasileiras publicadas na imprensa e reproduções de obras de diferentes períodos, para colocá-las em apoios como espelhos, pinturas antigas e falsas folhas de ouro. Desta forma, a carga simbólica e as propriedades de cada material fazem com que a pintura perca a independência conferida pela superfície branca.

Sandra Gamarra retoma o gênero de paisagem para questionar os elementos que o compõem, apontar as consequências que tem nos nossos modos de pensar e devolver-lhe a aura perdida da falsidade. Deste ponto de vista, pode-se observar as deformações infligidas pelas imagens em nosso raciocínio quando não são usadas para os fins para os quais foram criadas.

Contato
(11) 3093-8184
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Como chegar
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "São Paulo"
0,0Km - Galeria Leme - Desde a sua abertura em novembro de 2004, a Galeria Leme apresenta um programa inovador na cena da arte Brasileira, representando artistas brasileiros e internacionais, frequentemente convidados a criar e produzir novos e ambiciosos projetos no prédio de
Saiba mais
1,0Km - Teatro das Artes SP - O Teatro das Artes/SP exibe anualmente aproximadamente 240 apresentações de espetáculos adultos e infantis.
Saiba mais
1,1Km - Centro Brasileiro Britânico- O complexo foi projetado por Botti Rubin e conta com galerias, biblioteca, restaurante e salas de reunião de algumas instituições, entre as quais está o Consulado Geral Britânico e a BBC.
Saiba mais
1,1Km - Galeria Estação -
Saiba mais
1,4Km - Paço das Artes - o Paço das Artes é uma grande galeria de arte multidisciplinar que promove programas de ação cultural por meio de exposições e publicações que abrangem todos os segmentos das artes visuais: artes plásticas, artes gráficas, design e multimídia, colaborando
Saiba mais
1,5Km - Museu de Microbiologia - O Museu de Microbiologia faz parte do complexo do Instituto Butantan, localizado na zona Oeste de São Paulo.
Saiba mais
1,5Km - Museu Histórico do Instituto Butantan - É um museu localizado em São Paulo.
Saiba mais
1,5Km - MEZANINO - A Galeria Mezanino foi um projeto itinerante e inovador, dirigido pelo jornalista e curador Renato De Cara.
Saiba mais
1,6Km - Instituto Tomie Ohtake - Foi construído especialmente para realizar diversas mostras.
Saiba mais
1,6Km - Tu Mercado de Arte e Moda - É um espaço localizado em São Paulo.
Saiba mais
4,4Km - Dutra Leilões - 2018-07-18 - Por uma questão de segurança as visitações somente poderão ser realizadas quando marcadas e agendadas com antecedência.
Para visitas à exposição, não abrimos sábados, domingos e feriados.
Saiba mais
4,7Km - Ismael Nery: feminino e masculino - Entre os trabalhos selecionados estão nus, figuras humanas, retratos e autorretratos, que trazem à tona a personalidade de um artista voltado para o exercício simultâneo de diferentes linguagens formais de seu tempo, como o cubismo, o expressionismo e o s
Saiba mais
5,1Km - HISTÓRIAS AFRO-ATLÂNTICAS - Ao longo de todo o ano de 2018, o MASP dedica seu programa de exposições e atividades às histórias e narrativas afro-atlânticas.
Saiba mais
5,1Km - Acervo em Transformação - A volta dos radicais cavaletes de cristal de Lina Bo Bardi à exposição do acervo apresenta uma seleção de obras provenientes de diversas coleções do museu, abrangendo um arco temporal que vai do século 4 a.C. a 2008. Os cavaletes tiveram sua estreia na ab
Saiba mais
5,2Km - Toyota – O Ritmo do Espaço - O Ritmo do Espaço revisita o trabalho do artista desde a década de 1950
Saiba mais
7,3Km - JAMAICA, JAMAICA! - Jamaica, Jamaica! - uma exposição concebida pela Cité de la musique - Philharmonie de Paris, produzida e realizada pelo Sesc São Paulo
Saiba mais
7,9Km - Galeria Tatil na Pinacoteca de Sâo Paulo - A Pinacoteca do Estado apresenta exposição com 12 esculturas táteis, em bronze, que fazem parte do acervo do museu
Saiba mais
7,9Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
8,3Km - Galeria José e Paulina Nemirovsky - Arte Moderna - A mostra é uma reorganização e ampliação da exposição sobre o Modernismo.
Saiba mais
8,3Km - Arte no Brasil: Uma história na Pinacoteca de São Paulo. Vanguarda brasileira dos anos 1960 - Coleção Roger Wright - A mostra de longa duração celebra o comodato de 178 obras estabelecido em março de 2015 entre a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, a Pinacoteca e a Associação Cultural Goivos, responsável pela Coleção Roger Wright.
Saiba mais