Carregando... aguarde
Bruno Almeida Maia em entrevista para o GuiaDasArtes-2016-07-27 - Guia das Artes
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes
na próxima quarta às 16:00h
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes
Quando acontece
Quarta, 27 Julho até Segunda, 27 Agosto
dom
seg
ter
qua
16:00
17:00
qui
sex
sab
Local
GuiaDasArtes
rua dos Andradas 240 , sl. 08
Conteúdo

Bruno, por que o nome "Constelações Visionárias”? O que este nome representa para você no contexto do curso?
Brunno: “Constelações” é um termo caro ao filósofo, ensaísta e crítico alemão Walter Benjamin (1892-1940), um dos principais pensadores do nosso curso. A palavra, que vem do alemão Konstellation, aparece em diversos textos, como no ensaio dedicado ao colecionador Eduard Fuchs, escrito em 1934, e na tese de livre docência do Benjamin, intitulada A Origem do Drama Barroco Alemão de 1928. Trata-se, como diz Benjamin, em antever que “as ideias se relacionam com as coisas como as constelações com as estrelas”. De uma filosofia que transita entre uma leitura muito peculiar do marxismo e da teologia, especificamente a mística judaica, Benjamin diz que as suas teorias possuem “quarenta e nove degraus”, tal como na Cabala. Isto significa dizer que, ao contrário do pensamento racional instrumental, que é o nosso, utilizado tanto na ciência, como no cotidiano, e em outras filosofias racionalistas, devemos “alargar a percepção” de maneira em devolver a sensibilidade ali onde ela fora recalcada, para proporcionar, cada vez mais, intuições. Noutras palavras, trata-se em decifrar os sinais, os acontecimentos históricos, as forças de tendências, as potências e as virtualidades, que já se encontram no tempo presente, mas ainda não se configuraram em realidade. Num outro texto, desta vez no trabalho das Passagens (1928), ao analisar o capitalismo cultural do XIX, no contexto da Paris moderna, Benjamin diz que a Moda pode ser profícua para o pensamento e para o trabalho conceitual do filósofo, uma vez que ela antecipa tendências na política, na economia, nas artes, na cultura, na vida social, pois o seu método – o da Moda – é o da citação ao passado. Pensemos na coleção Mondrian de 1965 do costureiro Yves Saint Laurent (1936-2008), que cita a obra de um artista da década de 20, ou seja, mais de quarenta anos depois, atualizando-a. Temos aí, uma ideia de repetição ou do mito do “eterno retorno” dos acontecimentos históricos. Neste sentido, o curso “Constelações Visionárias: a relação entre Moda, Arte e Filosofia”, realiza a junção do conceito de constelações benjaminiano, com o de arqueologia e cartografia do filósofo francês Gilles Deleuze (1925-1995), para se repensar o processo de criação. O arqueólogo é aquele que volta aos arquivos para entender “o que nós deixamos de ser”, ao passo que o cartógrafo é aquele que sai às ruas para ler os sinais e o espírito do tempo. Tanto a Moda, como a Arte e a Filosofia necessitam de um diálogo com uma tradição histórica, portanto no passado, para a compreensão do presente, e para lançar “discretas esperanças” na prospecção (criação) de um futuro.
Qual o seu intuito em colocar a relação entre esses temas de forma à organizar e instigar o pensamento crítico? Qual o seu objetivo?
Brunno: O que é o pensamento crítico? É o pensamento que se volta contra o próprio pensamento, ou, dito de outro modo, é o pensamento que questiona a si próprio: “o que estamos fazendo? Para onde estamos caminhando? Qual a importância disso ou daquilo?”. Quando começamos a pesquisa em 2012, ainda ao lado do estilista brasileiro Walter Rodrigues, já apontávamos questões que hoje se tornaram pertinentes e urgentes, como a desaceleração no modo de produção no fast fashion, e uma retomada do artesanal e do autoral, a questão dos gêneros, e do repensar as formas do corpo em seus binarismos, e o próprio sentido da Moda no contemporâneo, em sua antiga raiz etimológica de “modus” como comportamento social. Ora, todas as mudanças numa sociedade só são possíveis a partir deste exaustivo trabalho de reflexão, de inquietação no pensamento, de voltar o pensamento contra ele mesmo. Neste sentido, a pesquisa procura estabelecer a relação da Moda com outras disciplinas e esferas do pensamento. A divisão dos saberes, a especialização, a técnica pela técnica (que já nasce obsoleta), não são os caminhos, penso eu, que constroem o verdadeiro artista criador, seja ele nas artes plásticas, na fotografia, no cinema, no teatro e na Moda. Cada vez mais, as escolas têm optado pelo caminho da “burocratização do saber”, que é responder uma demanda imediata no mercado de trabalho. O estudante sai do curso precário não só tecnicamente, como em termos de repertório artístico, cultural filosófico, sociológico. Claro que existem exceções, e não seria ético citá-las. Na Escola da Antuérpia, por exemplo, responsável pelo movimento da década de 80/90 – Martin Margiela, p. ex – logo no primeiro ano do curso, o aluno tem disciplinas como “Literatura Mundial” e “Filosofia”. Para que servem as ciências do espírito? Sua ação não é a imediata, mas é o alargar a percepção e a sensibilidade, num longo espaço de tempo, para que o criador “intua” quais são os desenhos dos caminhos de sua época, do espírito de sua época.
Para você, a moda está também relacionada sobre como a pessoa quer ser vista enquanto personalidade no mundo? Ela seria o "cartão de visitas"?
Brunno: Penso que a pergunta pode ser respondida de duas maneiras, que trabalhamos nas discussões do curso e da pesquisa. A primeira é pensar a Moda como “medida dos gostos” (às vezes, do mau gosto!). Neste sentido, cada temporada ou cada imagem de moda, proposta de criação, carrega em si, na sua essência, uma proposta de renovação espiritual da sensibilidade de uma época. A Moda, nestes termos, é uma “instituição não instituída”, pois direciona e propõe a relação do homem contemporâneo com o órgão do sentido, o olho, e com o que é estético. Ao mesmo “tempo”, e penso na crítica de Jean-Jacques Rousseau (1712-1778), no século XVIII, ao gosto na sociedade, neste espaço de “aparência” e de polidez, como uma negação da autenticidade do indivíduo. Se for verdade que a Moda institui a “medida do gosto” de uma época, geração, temporalidade histórica, significa que a tarefa da Moda na sociedade é a de igualar o comportamento. Ora, uma das vantagens de se trabalhar com um pensador como o Walter Benjamin é o de sempre tentar subir os “quarenta e nove degraus” de sua escada cabalística, ou de perceber que as coisas possuem múltiplos e infinitos sentidos. Podemos pensar numa espécie de ruptura com esta “medida do gosto”, a partir daquilo que a Profa. Gilda de Mello e Souza da USP (Universidade de São Paulo) chamou de “caligrafia dos gestos”, e Gilles Lipovetsky de “finalidade existencial” da Moda. Encontramos estes dois conceitos na estetização da existência proposta pelo dândi no século XIX. O que significam “caligrafia dos gestos” e “finalidade existencial”, pensadas no dandismo? O dândi, como herdeiro dos aristois (aristocratas), no sentido não econômico, mas de refinamento da alma, dispensam qualquer divisa entre essência e aparência, aquilo que vestem são a tradução exata do refinamento de sua alma, de sua espiritualidade. Se Oscar Wilde chocou a sociedade londrina foi não somente por suas roupas extravagantes, distantes da realidade estética da Era Vitoriana, mas por seus pontos de vistas, sua “filosofia”, sua literatura, seu modo de vida.
A arte, a moda e filosofia tratam com certeza de criatividade, mas às vezes me parece que os ligados à filosofia são um pouco avessos à esta afirmação, colocando a moda como "algo bem menor", como você encara isso? Porque isso acontece?
Brunno: Esta visão de “pequenos nadas” na História (a escrita com H maiúsculo é uma provocação), vem da tradição filosófica Iluminista no século XVIII, e, se recuarmos mais ainda, da própria tradição platônico-aristotélica. Mas bem, fiquemos com o Iluminismo. Que pretendia o “século das Luzes”? Emancipar a humanidade, tirando-a de sua condição de “menoridade autoimposta”, por meio da Razão, livrando-a dos dogmas, das superstições, das paixões da alma, das opiniões e das falsas necessidades. Ora, a Razão, historicamente, é aquilo que dá medida ao que é, por essência, desmedida, a própria alma, e a alma, pela paixão, é o que deseja. Toda a crítica rousseauniana, e de outros pensadores iluministas, à sociedade como reino da “falsa aparência” caminha neste sentido. A Moda, para ele, aliada aos padrões de comportamento da sociedade levam o indivíduo a uma não emancipação, portanto não liberdade, pois o condiciona às falsas opiniões e necessidades a partir do olhar de aprovação do Outro, seja ele outro indivíduo ou um criador de Moda, que determina o “gosto vigente”. A crítica se extremiza com o marxismo vulgar, muito distante do próprio Marx, na qual a Moda seria um dispositivo da burguesia para controlar a classe trabalhadora. É a visão da “distinção” em Bordieu, no limite, mas que não se justifica inteiramente! Walter Benjamin, apesar de ser marxista, oscila entre as duas tendências: concorda e discorda com esta visão unilateral da Moda, como “dispositivo de controle”. Como citado acima, a Moda pode, inclusive, diz ele, ter um caráter revolucionário, não só no que diz respeito à revelação de futuras tendências, mas, ao trazer as imagens do passado para o presente – a velha inspiração numa criação -, ela é capaz de aliviar a amnesia de nosso tempo. É como se as imagens de releituras da Moda fossem museus ou caixas de lembranças sobre os nossos antepassados, seus fracassos, glórias, desejos e percepções do mundo. Qualquer objeto de pesquisa e de investigação pode ser menor, se não receber o devido tratamento e a devida seriedade. Na pesquisa e no curso, trabalhamos a roupa e a Moda como alegorias, no sentido de allo-agorein, “um dizer de outro modo”. Significa, nesta ideia, em extrair da roupa e da Moda o que ela contém de reflexão filosófica, e para o nosso tempo, como os conceitos de identidade, gêneros, tempo, consciência, aparência, essência, etc.
5. Qual a importância da tendência Agender no mundo contemporâneo? Esta tendência é apenas um modismo, ou ela ajuda a transformar o modo como nos relacionamos?
Brunno: Particularmente espero que não seja uma tendência efêmera. Estamos falando das mesmas coisas, vestindo as mesmas roupas, nos relacionando com o mundo da mesma forma há pelo menos 200 anos, desde a emancipação da burguesia, como classe dominante no pós Revolução Francesa! Não dá mais! A tarefa do curso é a de desmistificar o Agender como uma tendência passageira, e mostrar que a possibilidade desta nova maneira de se relacionar com o corpo, com os gêneros e com a aparência de si mesmo, está em curso, no ocidente, desde, pelo menos, o século XIX, com os escritos de Nietzsche, passando pelo poeta Charles Baudelaire, os artistas modernistas que repensaram e a reinventaram as formas do corpo, Simone de Beauvoir, Michel Foucault e Judith Butler com o seu conceito de performatividade, até os costureiros japoneses da década de 80 e os belgas na década de 90. Daí a importância da formação crítica e do espírito que a pesquisa e o curso propõem: entender como, no presente, as coisas foram possíveis, como chegamos até determinado ponto. Entender que há um repensar as formas do corpo no Ageneder - e é com o corpo que se pensa – significa dizer que estamos repensando a nossa própria maneira de pensar.

Contato
conteudo@guiadasartes.com.br
contato@guiadasartes.com.br
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Minas Gerais"
0,6Km - Cine Art Café Minas Sul - Trazer muito mais do que diversão.
Saiba mais
0,7Km - Galeria Paiva Frade -
Saiba mais
0,8Km - Templo da Sociedade Brasileira de Eubiose - A Eubiose inspirou e influenciou uma série de outros grupos e colégios iniciáticos, desde preceitos espíritas a lojas maçônicas. Com a morte de seu preceptor, a então Sociedade Teosófica Brasileira assume seu nome atual, e se firma como uma instituição pr
Saiba mais
47,8Km - Museu Regional do Sul de Minas - Destina-se o Museu à divulgação cultural, cultivo das tradições, a guarda do patrimônio histórico, artístico e científico a ele confiado, portanto a difusão do turismo e cultura na cidade e Sul de Minas.
Saiba mais
47,8Km - Museu Vital Brazil - O Museu tem como objetivo preservar a memória de Vital Brazil, atuar como pólo de difusão cultural por meio da valorização do resgate histórico e social da cidade de Campanha e tornar-se pólo incentivador da Educação Ambiental, especialmente em temas rela
Saiba mais
51,7Km - Casa da Cultura Godofredo Rangel - A Casa da Cultura possui um rico acervo histórico formado por documentos, fotografias, gravações em vídeo, jornais e depoimentos.
Saiba mais
52,7Km - Museu Theodomiro Santiago - É um sonho acalentado há muitos anos pela AD-UNIFEI[...]
Saiba mais
53,9Km - Museu Municipal Wenceslau Brás - História da Vida de Sua Excelência, Ex-presidente do Brasil, Sr. Wenceslau Braz Pereira Gomes.História da Cidade de Itajubá - MG, através de fotos antigas.Fatos Históricos da Estação Ferroviária de Itajubá.
Saiba mais
69,4Km - Museu Municipal Dr. Delfim Moreira da Costa Ribeiro - A história da formação do museu se mistura com a história do Feirão Folclórico. O grupo responsável pela criação do Feirão Folclórico, sentindo a necessidade de reunir e preservar peças, documentos e demais objetos que contassem um pouco da história de no
Saiba mais
73,4Km - Teatro do Cine Vitória - Cinema de rua construído na década de 1940, o Vitória já recebeu muitos abraços.
Saiba mais
204,6Km - Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
216,3Km - Anna Bella & Lygia & Mira & Wanda -
Saiba mais
226,1Km - Arte no Brasil: Uma história na Pinacoteca de São Paulo. Vanguarda brasileira dos anos 1960 - Coleção Roger Wright - A mostra de longa duração celebra o comodato de 178 obras estabelecido em março de 2015 entre a Secretaria da Cultura do Estado de São Paulo, a Pinacoteca e a Associação Cultural Goivos, responsável pela Coleção Roger Wright.
Saiba mais
226,1Km - Galeria José e Paulina Nemirovsky - Arte moderna - Essa é uma exposição única e especial, que percorre grande parte do cenário histórico-cultural brasileiro do século XX. Sem contar que ampliamos de 49 para 110 obras essa mostra, todas emblemáticas e de reconhecimento internacional. Estamos muito satisfei
Saiba mais
226,1Km - GALERIA TÁTIL- A Pinacoteca do Estado apresenta exposição com 12 esculturas táteis, em bronze, que fazem parte do acervo do museu. A seleção das obras foi realizada considerando a indicação do público com deficiências visuais que participou de visitas orientadas ao acer
Saiba mais
226,1Km - Galeria José e Paulina Nemirovsky - Arte Moderna - A mostra é uma reorganização e ampliação da exposição sobre o Modernismo.
Saiba mais
226,5Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
226,5Km - Galeria Tatil na Pinacoteca de Sâo Paulo - A Pinacoteca do Estado apresenta exposição com 12 esculturas táteis, em bronze, que fazem parte do acervo do museu
Saiba mais
229,8Km - Acervo em Transformação - A volta dos radicais cavaletes de cristal de Lina Bo Bardi à exposição do acervo apresenta uma seleção de obras provenientes de diversas coleções do museu, abrangendo um arco temporal que vai do século 4 a.C. a 2008. Os cavaletes tiveram sua estreia na ab
Saiba mais
229,8Km - HISTÓRIAS AFRO-ATLÂNTICAS - Ao longo de todo o ano de 2018, o MASP dedica seu programa de exposições e atividades às histórias e narrativas afro-atlânticas.
Saiba mais