Carregando... aguarde
Brecheret 1922 2022Nos Passos da Modernidade-2022-03-22 - Guia das Artes
Brecheret, 1922-2022 – Nos Passos da Modernidade
aberto agora
Brecheret, 1922-2022 – Nos Passos da Modernidade
Quando acontece
Terça, 22 Março até Sábado, 28 Maio
dom
seg
09:00
19:00
ter
09:00
19:00
qua
09:00
19:00
qui
09:00
19:00
sex
09:00
19:00
sab
10:00
14:00
Local
Galeria de Arte André
Rua Estados Unidos, 2280
Conteúdo

 

A Galeria de Arte André abre, no dia 22 de março de 2022, a exposição Brecheret, 1922-2022 – Nos Passos da Modernidade, retrospectiva da trajetória do artista Victor Brecheret, um dos expoentes do modernismo brasileiro.

Em parceria com a Fundação homônima, a exposição traz mais de 130 itens da historiografia do artista, e conta com organização de Octavio Guastini e Sandra Brecheret Pellegrini, com texto assinado pelo crítico e curador Mario Gioia.

Victor Brecheret – Ídolo (1918)

 

São cerca de 80 esculturas (gesso, terracota, bronze, mármore, pedra, cimento) – muitas delas inéditas ou pouco apresentadas - relevos de gesso e maquetes que deram origem a diversos monumentos, estudos de túmulos, fotografias, documentação de época, desenhos, textos em jornais, ferramentas, catálogos e objetos pessoais como uma máquina fotográfica, uma mala de viagens, e até sua famosa boina estarão presentes. Além da exposição, a galeria montará, na 18ª edição da SP-Arte, (6 a 10 de abril, no Pavilhão da Bienal), um estande totalmente dedicado ao artista.

Todos os períodos de Brecheret estão contemplados na mostra, desde a fase sacra, indígena, arte déco dos anos 1920, além das obras que estiveram presentes na Semana de Arte Moderna de 1922, como Ídolo e Vitória, e também peças de design. “Desde 1995 não se vê uma exposição dedicada a ele na cidade”, conta Octávio Guastini, organizador da mostra. O MuBE apresentou a mostra Victor Brecheret, Modernista Brasileiro, em 1995.

Victor Brecheret – Tocadora de Alaúde (Década de 1940)

Como afirma a organizadora da mostra Sandra Brecheret Pellegrini: “Jamais a escultura poderá ser comparada a um simples objeto, ela é, antes de mais nada, produto da sensibilidade, do impulso criativo e do conceito estético do seu criador. É isto que Brecheret transmite por meio de suas esculturas. Às vezes simples e delicadas, outras grandiosas e monumentais”.

Bienal e obras públicas presentes

Um dos documentos raros presentes na exposição é o catálogo da 4ª edição da Bienal de São Paulo, ocorrida em 1957 e que teve sala especial dedicada a ele. O texto presente na edição é assinado por Menotti del Pìcchia (1892-1988), outra figura ligada à Semana de Arte Moderna. Desta edição da Bienal, podem ser vistas hoje Fauno e Vendedora de Frutas, obra “impressionante”, segundo o autor do texto Mario Gioia. Das obras apresentadas na 1ª edição da Bienal, em que Brecheret foi premiado na categoria escultura nacional, e presentes na atual exposição, estão O Índio , num estudo em terracota, e Suçuapara (1951).

De suas obras públicas, os monumentos a Duque de Caxias e o já conhecido Monumento às Bandeiras, localizado em frente ao Parque Ibirapuera, são apresentados esboços em resina e em bronze. De sua fase dedicada ao universo indígena, estão Maternidade Indígena (anos 1940), Drama Marajoara (1951), e Luta dos Índios Kalapalo (1951).

Victor Brecheret – Maternidade Indígena (Década de 1940)

Já da arte sacra destacam-se Cristo na Cruz (anos 1950), São Jerônimo (anos 1950), e também obras dedicadas a São Francisco de Assis, em desenho e em bronze. Do art déco pode ser vista Tocadora de Guitarra (década de 1920). Os bustos também são destaques na exposição, com mais de uma dezena deles, a maioria inéditos e feitos em diversos materiais. Dentre eles, estão de amigos próximos do escultor, como Menotti del Picchia e Maria della Costa.

A exposição Brecheret, 1922-2022 – Nos Passos da Modernidade, para Mario Gioia “comprova o legado do artista ítalo-brasileiro na história da cultura nacional, não apenas como um incontornável nome da linguagem tridimensional. E pode trazer novas perspectivas nessa retomada dos debates sobre o modernismo, tão vivos nesse centenário de 1922”.

Victor Brecheret – Vendedora de Frutas (Década de 1940)

 

Serviço:

Abertura da exposição Brecheret, 1922-2022 – Nos Passos da Modernidade

Período expositivo: de 22 de março a 28 de maio

Galeria de Arte André

Rua Estados Unidos, 2280 - São Paulo

Horário de atendimento: Segunda à Sexta: 9h às 19h, Sábado: 10h às 14h

Contato
infoarte@galeriandre.com.br
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "São Paulo"
-
Saiba mais
"A DANÇA DAS HORAS" -
Saiba mais
"Abdias Nascimento: um artista panamefricano" - MASP apresenta maior mostra já vista dedicada ao artista e ativista Abdias Nascimento
Saiba mais
"AGOSTINHO BATISTA DE FREITAS – MESTRE DAS RUAS" - GALERIA ESTAÇÃO ABRE SEU ACERVO E REALIZA A MOSTRA “AGOSTINHO BATISTA DE FREITAS – MESTRE DAS RUAS”
Saiba mais
"Ecos do Moderno ao Contemporâneo" - A exposição "Ecos do Moderno ao Contemporâneo" chega ao Centro Cultural Correios SP, homenageando o centenário da Semana de Arte Moderna de 22
Saiba mais
"LYGIA" -
Saiba mais
Arte Infinita - Nascida em uma família de colecionadores, cuja mãe manteve durante 25 anos uma galeria dedicada a incentivar a escultura, Viviane Teperman inaugurou em 2001 a Arte Infinita Galeria.
Saiba mais
Casa Amarela Leilões de Arte - Casa Amarela Leilões de Arte" atuando no mercado de arte de São Paulo desde 1989 e no Distrito Federal desde 1994, especializada em leilões de arte e residenciais.
Saiba mais
DemocrArt -
Saiba mais
Galeria Cia Paulista -
Saiba mais
Galeria Leme - Desde a sua abertura em novembro de 2004, a Galeria Leme apresenta um programa inovador na cena da arte Brasileira, representando artistas brasileiros e internacionais, frequentemente convidados a criar e produzir novos e ambiciosos projetos no prédio de
Saiba mais
Galeria Luisa Strina - A história da Galeria Luisa Strina, a mais antiga galeria de arte contemporânea de São Paulo, se mistura com a trajetória profissional de Luisa Strina.
Saiba mais
Galeria Millan - Quando de sua fundação, em 1986, a Galeria Millan buscava apresentar relações entre a produção dos artistas contemporâneos que representava e os artistas modernos que influenciaram sua formação.
Saiba mais
Galeria Vermelho - Após treze anos de existência, a Vermelho estabeleceu-se como uma alternativa à rigidez dos espaços comerciais dedicados à arte, ao incentivar novas ideias e discursos desenvolvidos por artistas emergentes e já estabelecidos.
Saiba mais
Luciana Brito Galeria - Quinze anos depois de inovar a cena artística paulistana com seu espaço na Vila Olímpia – um dos primeiros a ser projetado por um escritório de arquitetura já tendo em vista as necessidades de uma galeria de arte contemporânea –, a Luciana Brito Galeria s
Saiba mais
Volpi popular-
Saiba mais
Von Brusky Escritório de Arte -
Saiba mais
‘Espuma Delirante’ de Rafael Silveira, com curadoria de Baixo Ribeiro -
Saiba mais
“A Beleza Sombria dos Monstros: 13 Anos da Arte de Tim Burton” - Exposição interativa de Tim Burton chega a São Paulo em maio
Saiba mais
“Modernismo. Destaques do acervo“ - Pinacoteca celebra os 100 anos da Semana de Arte Moderna com nova exposição
Saiba mais