Carregando... aguarde
Acabou e Nem Falamos de Amor-2024-05-18 - Guia das Artes
Acabou e Nem Falamos de Amor
abrirá em 10 horas e 19 minutos
Acabou e Nem Falamos de Amor
Quando acontece
Sábado, 18 Maio até Sábado, 13 Julho
dom
seg
14:00
18:00
ter
14:00
18:00
qua
14:00
18:00
qui
14:00
18:00
sex
14:00
18:00
sab
Local
Casa Yara DW
Rua Costa Carvalho, 52
Conteúdo

 

Acabou e Nem Falamos de Amor, nova exposição da Casa Yara DW, revela interseções da poética de Ana Paula Albé, Thelma Penteado e Yara Dewachter

 

Com curadoria de Henrique Xavier, a mostra é composta de fotografias, intervenções textuais e uma performance que ganhará as ruas do entorno da galeria sediada no bairro de Pinheiros, em São Paulo  

 

Com abertura em 18 de maio de 2024 e visitação até 13 de julho, Acabou e Nem Falamos de Amor, a nova exposição da Casa Yara DW ocupará a galeria intimista de Yara Dewachter reunindo obras da própria anfitriã e de outras duas artistas, Ana Paula Albé e Thelma Penteado. Com curadoria de Henrique Xavier, a mostra estabelece diálogos entre a poética das três artistas a partir da junção de séries de fotografias, intervenções textuais e a performance Eu Queria Ser Ela, uma investigação sobre os anseios e frustrações do universo feminino desenvolvida por Yara que ganhará as ruas do entorno da galeria que recentemente completou um ano de abertura e se localiza no bairro de Pinheiros, em São Paulo.  

“Uma atenciosa retratista da realidade das mulheres, tendo em suas obras já muito se multiplicado nelas e sempre interpretando tantas outras, em Eu Queria Ser Ela Yara retrata e narra não apenas a história de seus sonhos, mas como cada uma dessas sete mulheres se perdeu ou se encontra tão longe desses sonhos”, explica o curador da mostra, Henrique Xavier.

Elaborada a partir de sete retratos feitos por Yara de mulheres anônimas flagradas de costas e caminhando por diferentes ruas, a performance será realizada por sete mulheres que contarão suas histórias em voz alta enquanto carregam estandartes com essas fotografias estampadas em voil, um tecido fino e translúcido.

“Nas fotografias, Yara cuidadosamente elabora um rico desfile do dia a dia, em que as mulheres tentam se perder nas ruas para acalmar seus pensamentos. De costas, seus rostos jamais são vistos, mas você pode imaginar as expressões estampadas em suas faces a partir das histórias que estão sendo contadas”, complementa Xavier.

A apropriação da arte como um mecanismo de defesa da potência feminina também salta aos olhos nas criações de Ana Paula Albé, como em Monstrona, uma imponente mulher integralmente pintada de preto e com cerca de quatro metros de altura, que estampará uma das paredes e se dobrará no teto do espaço expositivo. A exuberância de Monstrona propositalmente contrasta com uma pequena reprodução em foto em preto e branco de a Carioca, pintura de Pedro Américo, de 1882, que é considerada o primeiro nu frontal feminino em tamanho real da história da arte do Brasil. A apropriação e subversão da consagrada tela feita por Ana Paula, nas palavras do curador de Acabou e Nem Falamos de Amor, é uma oportuna provocação.

“A grandiosa imagem de uma mulher nua feita pelas mãos de um homem é transformada pela artista em uma pequena reprodução fotográfica PB como a marcar o lugar ideológico dela nessa invertida história de representações por imagens”, diz.

 

Mind The Gap, a advertência enunciada em inglês para que usuários do metrô não caiam no vão das plataformas de embarque, intitula o conjunto de fotografias produzido por Thelma Penteado. Em 13 obras que retratam paisagens naturais digitalmente fraturadas e também imagens abstratas tiradas do interior de trens em velocidade de onde se vê fragmentos quase não identificáveis das estações, cartazes e túneis por onde eles passam, Thelma desafia o olhar do observador a partir de fotografias que foram obtidas em um processo atípico de seleção: a escolha de imagens imperfeitas.   

“Conversando com Thelma, descobri que as imagens foram produzidas com erros técnicos e somente as imagens erradas lhe interessaram. A veloz paisagem é lida erroneamente pelo software de sua câmera, e justamente lá, onde tão importante inteligência artificial em um instante se perde, Thelma enxerga outra paisagem que delicadamente revela que desde dentro algo vacila em nosso presente e futuro na relação tecnológica com as imagens”, conclui Xavier.


Para Yara, a expectativa da abertura de Acabou e Nem Falamos de Amor, e o primeiro contato do público com as proposições elaboradas por ela, Ana Paula e Thelma é um momento de celebração que culmina de um trabalho realizado de forma colaborativa e alicerçado em grandes afinidades entre as três artistas e o curador da mostra.

“Desde outubro de 2023, a gente vem desenvolvendo essa exposição em um processo de acompanhamento com o Henrique Xavier. Todo o processo foi muito instigante, ao mesmo tempo cansativo e, às vezes, até desorientador. Mas conseguimos chegar a um bom resultado. Que venha agora a exposição”, conclui.

 

SOBRE YARA DEWACHTER

Natural de São Bernardo do Campo,  é uma artista que mergulha na experimentação de matérias primas e narrativas: da fotografia com cera de abelha aos desenhos e objetos de assemblage. Seu trabalho investiga as relações familiares, a projeção do feminino e suas violências a partir da produção e apropriações de imagens frutos das andanças pelas cidades. Com participações em salões de arte, prêmios e exposições internacionais, como em Svendborg, na Dinamarca, Yara continua a expandir seu alcance artístico. Por nove anos à afrente do Grupo Aluga-se, organizou mais de 30 exposições, ações e iniciativas itinerantes em diversos Estados brasileiros. Sua série Eu Queria Ser Ela, iniciada em 2013, captura a beleza e a poesia das mulheres em suas jornadas diárias por ruas e territórios. Seu compromisso com a representação do feminino também se reflete em projetos como Camélias, uma série de desenhos retratando uma centena de mulheres da história brasileira. Atualmente, lidera a Casa Yara DW, um espaço que vai além de seu ateliê e abriga exposições, cursos de arte e eventos culturais. Em sua mais recente publicação, Vira-lata, lançada em 2022, Yara une suas imagens e textos a performances, evidenciando sua transição da publicidade para a arte.

 

SOBRE ANA PAULA ALBÉ

Como artista visual, Ana tem o corpo como ponto de partida de trabalhos que usualmente entrelaçam as linguagens da fotografia e do vÍdeo. É doutora em Poe?ticas Visuais pela ECA/USP e editora idealizadora da Piscina Pu?blica Edic?o?es. Há oito anos conduz oficinas de fotografia principalmente nas unidades do SESC-SP.

Recebeu os prêmios I Concurso de Arte Contempora?nea do Itamaraty 2011 (Aquisic?a?o), DIVA 2010 (Reside?ncia arti?stica em Copenhagen) e a bolsa de

Interca?mbio e Difusa?o Cultural do MinC/Brasil 2009.  Participou do XI Sala?o da Fotografia 2008 MARP_Ribeira?o Preto/ SP, Festival Panorama 2008 – RJ, Festival de Danc?a de Recife 2008 – PE e Mostra SESC de Artes 2008 – SP, além de mostras individuais e coletivas no Brasil e no exterior.

 

SOBRE THELMA PENTEADO

Artista visual, engenheira agrônoma de formação (Esalq/USP) e reside em São Paulo.

Sua pesquisa artística se orienta na fotografia e se utiliza de repetições e inventários para fazer conexões entre os universos temáticos da paisagem, da memória e do ordinário. Entende a repetição como uma ferramenta para deslocar limites e objetos comuns para um lugar de questionamento renovado. Nos últimos trabalhos, tem se dedicado ao estudo da paisagem, encarando-a como um veículo em movimento, aberto à influência do olhar, da memória e das emoções. Atualmente participa do grupo de estudos avançados em fotografia do Ateliê Fotô, com os orientadores Fabiana Bruno e Eder Chiodetto e do acompanhamento de artista com Henrique Xavier na Casa Yara DW. Também participou de exposições coletivas em importantes galerias de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro.

 

SOBRE HENRIQUE XAVIER

Henrique P. Xavier dedica-se a projetos, principalmente na interface e mistura entre filosofia, artes visuais, literatura e política. É doutor em Filosofia pela USP e possui graduação em Artes Visuais pela mesma universidade. Atualmente, desenvolve extensas pesquisas sobre as obras do artista visual Carlos Fajardo, do romancista James Joyce e da filósofa Marilena Chauí. Em relação a Fajardo, artista de quem desenvolveu uma série de curadorias, está terminando a organização e autoria de um livro para a Editora Cosac (antiga Cosac Naify). Em relação a Joyce, coordena a Coleção rolarriuana acerca da obra do escritor irlandês para a Ateliê Editorial e está finalizando uma tradução a 18 vozes do romance Ulysses, tendo selecionado 18 escritores brasileiros para a tarefa, um para cada capítulo do livro. Em relação a Chauí, está organizando o volume de seus escritos sobre arte e estética para Coleção Escritos de Marilena Chaui na editora Autêntica. É professor em um seminário semanal sobre arte contemporânea, tendo já ministrado cursos na USP e UNESPAR; faz acompanhamento de projetos e trabalhos de arte; e, também, atua com curadoria, tendo desenvolvido exposições para o SESC-SP, Museu Oscar Niemeyer, Instituto Ling, Galeria Camargo Guarnieri e Baró Galeria, entre outros.


SERVIÇO

Acabou e Nem Falamos de Amor

Abertura da exposição: 18 de maio de 2024, das 14h às 18h

Encerramento da mostra: 13 de julho de 2024

Horários de visitação: de segunda a sexta-feira, das 14h às 18h


Casa Yara DW

Rua Costa Carvalho, 52

 

Contato
www.casayaradw.com.br

Instagram: @casayarad
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Fotos
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "São Paulo"
"Tempos Fraturados" - MAC-USP completa 60 anos com nova exposição
Saiba mais
Acabou e Nem Falamos de Amor -
Saiba mais
Ars Sonora – Hermeto Pascoal-
Saiba mais
Arte Infinita - Nascida em uma família de colecionadores, cuja mãe manteve durante 25 anos uma galeria dedicada a incentivar a escultura, Viviane Teperman inaugurou em 2001 a Arte Infinita Galeria.
Saiba mais
Casa Amarela Leilões de Arte - Casa Amarela Leilões de Arte" atuando no mercado de arte de São Paulo desde 1989 e no Distrito Federal desde 1994, especializada em leilões de arte e residenciais.
Saiba mais
DemocrArt -
Saiba mais
Espetáculo “Florilégio” Com Grupo Pombas Urbanas -
Saiba mais
Galeria Cia Paulista -
Saiba mais
Galeria Leme - Desde a sua abertura em novembro de 2004, a Galeria Leme apresenta um programa inovador na cena da arte Brasileira, representando artistas brasileiros e internacionais, frequentemente convidados a criar e produzir novos e ambiciosos projetos no prédio de
Saiba mais
Galeria Luisa Strina - A história da Galeria Luisa Strina, a mais antiga galeria de arte contemporânea de São Paulo, se mistura com a trajetória profissional de Luisa Strina.
Saiba mais
Galeria Millan - Quando de sua fundação, em 1986, a Galeria Millan buscava apresentar relações entre a produção dos artistas contemporâneos que representava e os artistas modernos que influenciaram sua formação.
Saiba mais
Galeria Vermelho - Após treze anos de existência, a Vermelho estabeleceu-se como uma alternativa à rigidez dos espaços comerciais dedicados à arte, ao incentivar novas ideias e discursos desenvolvidos por artistas emergentes e já estabelecidos.
Saiba mais
História Errada -
Saiba mais
Janelas -
Saiba mais
Luciana Brito Galeria - Quinze anos depois de inovar a cena artística paulistana com seu espaço na Vila Olímpia – um dos primeiros a ser projetado por um escritório de arquitetura já tendo em vista as necessidades de uma galeria de arte contemporânea –, a Luciana Brito Galeria s
Saiba mais
Quase Circo, de Carmela Gross -
Saiba mais
Von Brusky Escritório de Arte -
Saiba mais