Carregando... aguarde
Cineastas enfatizam arte e carisma perdidos com a morte de Nelson Sargento - Guia das Artes
Cineastas enfatizam arte e carisma perdidos com a morte de Nelson Sargento
Cineastas enfatizam arte e carisma perdidos com a morte de Nelson Sargento
Participações do sambista no audiovisual comprovam o talento e a eterna disposição de Sargento, pelo que reforçam os depoimentos de Cacá Diegues e Alice de Andrade
inserido em 2021-05-28 18:55:16
Conteúdo
Cacá Diegues: quatros de pintura naïf, assinados por Nelson Sargento, decoram a casa dele -(crédito: Ana Rayssa/ CB DA Press)
Cacá Diegues: quatros de pintura naïf, assinados por Nelson Sargento, decoram a casa dele - (crédito: Ana Rayssa/ CB DA Press)

"Um homem que pensava sobre o Brasil e o mundo com generosidade e coragem" é como o prestigiado diretor Cacá Diegues, eternamente integrado à ala do cinema novo, define Nelson Sargento, morto em decorrência da covid-19. Sempre associado a cinema movido pela musicalidade nacional, Cacá conhecia o Nelson que extrapolava papéis de poeta e sambista.

"Cultivei sua amizade em rodas de samba e encontros entre amigos desde os anos 1970, quando Cartola nos apresentou. Ele já era também um amigo próximo daquela que seria minha
futura esposa, Renata Magalhães", conta o diretor de Bye bye, Brasil ao Correio. A participação de Nelson Sargento, em Orfeu (1999), foi vista como um presente entregue a Cacá. "Fez um pequeno papel e cedeu um samba seu para a trilha sonora do filme. Sua morte é um golpe duro pros muitos amigos. Mas sobretudo uma perda para a música popular brasileira que, sem ele, fica mais pobre", comenta Cacá Diegues.

O cineasta de Quando o carnaval chegar (1972) conta que as futuras lembranças de Sargento
rondam a própria casa: "Tenho espalhadas pela casa várias de suas telas com cenas de favela e de samba. Acho que 96 anos era pouco para tudo que ele sonhava fazer e fazia".

Encantada 

"O Nelson Sargento era um encanto. Uma presença linda, que exalava bom humor e generosidade", explica a diretora Alice de Andrade para quem o sambista fez participação na estreia dela em ficção, no curta Dente por dente (vencedor, em 1994, dos prêmios de melhor direção e roteiro no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro). Na trama, Nelson interpretava um protético, acompanhado pelo dentista (Sérgio Mamberti) e a enfermeira (Marcélia Cartaxo),
numa serenata de happy hour.

"Ele entoava 'Sou protético, graças a Deus'. A filmagem foi uma farra. O samba era do Pedro Cintra e do Galotti, e em cena estavam ainda Letícia Sabatella, Pedro Cardoso e Toni Garrido. O Sargento embarcou naquela maluquice na maior disposição", relembra a diretora de longas como O diabo a quatro e Vinte anos. Na avaliação de Alice, há perda de mais um grande artista e uma inspiração. "A vida fica mais triste sem ele. Vai fazer muita falta", conclui.

 

Fonte: Correio Btasiliense

Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Sáb
05/Jun
"DIVERSO" - COLETIVA 5 ANOS da CASA J GALERIA DE ARTE -
Saiba mais
Sáb
05/Jun
"DIVERSO" - COLETIVA 5 ANOS da CASA J GALERIA DE ARTE -
Saiba mais
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Qua
05/Mai
'ARTE CONTEMPORANEA FEMININA' -
Saiba mais
Sáb
29/Mai
Mostra sobre 'Arte Italiana na Pandemia' será inaugurada em 29/5 - Exposição inédita será realizada na MAC USP até 22 de agosto
Saiba mais
Ter
01/Jun
"Arte Contemporanea Feminina" -
Saiba mais
Sáb
05/Jun
Exposição-
Saiba mais
Seg
14/Jun
"GESTUALIDADE" -
Saiba mais
Sex
18/Jun
Visita virtual à exposição 1981/2021: Arte Contemporânea Brasileira na coleção Andrea e José Olympio Pereira -
Saiba mais