Carregando... aguarde
Tarkovski - Eterno Retorno-2017-01-20 - Guia das Artes
Tarkovski - Eterno Retorno
Evento encerrado
Tarkovski - Eterno Retorno
Quando aconteceu
Sexta, 20 Janeiro até Quinta, 09 Fevereiro
Local
Cine Humberto Mauro
avenida Afonso Pena, 1.537, centro
Conteúdo

Em seus 30 anos de carreira, o russo Andrei Tarkovski foi premiado em Cannes, Veneza e construiu uma das filmografias mais influentes do século XX. Ainda assim, seu cinema nunca teve o alcance popular de um Kubrick ou um Buñuel – porque a maioria das pessoas tem medo daquilo que se tornou o principal traço definidor de sua obra: o tempo.

Para os preguiçosos do senso comum, ele é “lento”. Agora, para quem se debruça um pouco mais, como a professora Maria do Céu Diel, da Escola de Belas Artes da UFMG, ele simplesmente não é o tempo do deslocamento do ator na tela, e sim do nosso pensamento. “Não é um tempo linear. Não é o tempo do cinema norte-americano, da ação. É um tempo inteiro para que possamos entender e compartilhar o que o personagem está sentindo”, explica.

É esse mergulho que faz do cinema de Tarkovski uma experiência espiritual e metafísica. Um termo que foi diluído por todo aluno de cinema que viu um filme do russo na faculdade e achou que podia fazer igual, ligando uma câmera enquanto nada acontecia.

E para quem quer ver isso feito do jeito certo, a mostra “Tarkovski – O Eterno Retorno”, que começa nesta sexta-feira (20) no Cine Humberto Mauro, é imperdível. Até o dia 9 de fevereiro, a programação oferece a primeira retrospectiva completa do cineasta soviético no Brasil, exibindo seus 11 filmes – três curtas e oito longas – em cópias de 35 mm e DCP inéditas no país.

Para isso, a produção trouxe filmes da Rússia, da Itália, da Suécia e da França. “Foi uma produção bem complicada, mas valeu a pena: esses três primeiros curtas as pessoas não vão ver em lugar nenhum. E ‘Solaris’, ‘Stalker’, ‘Espelho’ e ‘A Infância de Ivan’ terão exibição em 35 mm e DCP”, ressalta o curador Philippe Ratton.

Além disso, o grande destaque da retrospectiva é a presença de uma série de convidados, entre acadêmicos e profissionais que trabalharam com Tarkovski, que ajudarão o público a decodificar o cinema do diretor. Na lista, estão nomes como o montador Michal Leszczylowski, o assistente de direção Evgeny Tsymbal, a cineasta Donatella Baglivo, além de Dmitry Salynski, maior especialista no cineasta no mundo todo, que ministrará um curso já esgotado (veja arte).

Para Maria do Céu Diel, que debaterá o documentário “Tempo de Viagem”, trata-se de uma chance única de derrubar o lugar-comum de que “Tarkovski é cult, difícil. Algumas pessoas têm medo dele, eu tenho medo de ‘Transformers’, aquela coisa horrível. Não preciso de alienígenas para saber que a gente não respondeu à maioria das perguntas aqui na Terra sobre por que estamos vivos, o que é memória, o que é amor, que é o que o Tarkovski queria entender”, defende.

O que torna a exploração que o cineasta faz dessas questões tão única, segundo ela, é que o russo pensava e tratava a arte como um “fenômeno total”. “Ele usa da pintura, da música, da gravura, da arquitetura, contempla todas as artes. E o Tarkovski não só filmava, como desenhava e escrevia lindamente. Esse tipo de pensamento alimenta as imagens dele”, analisa a professora.

O resultado é um cinema fortemente carregado de símbolos. “A água tem a simbologia do berço, origem da humanidade, mas também de força destrutiva. Quando ele mostra a terra, é sempre sintoma de pertencer a algum lugar. O ar é tingido, nebuloso, nunca claro. São elementos plásticos e simbólicos que ele manipula, recorrendo à natureza”, explica Maria.

E, para imergir nesse universo e captar esses sentidos, a sala escura – e a chance de ver esses filmes na tela grande – é fundamental. “São filmes feitos para serem vistos na sala de cinema. Em casa, onde for, é muito difícil entrar no tempo daquela experiência. Para ter essa reflexão e contemplação da poesia, é necessário um tempo para o espectador refletir sobre aquilo”, argumenta Ratton.

Quem quiser se aprofundar ainda mais nessa leitura pode procurar também o catálogo produzido pela mostra, com textos de todos os convidados e reproduções de polaroides do próprio Tarkovski. Ou se aventurar pelos outros filmes da mostra, de cineastas influenciadores (Ingmar Bergman) e influenciados (Terrence Malick, Chris Marker) pelo russo. “O cinema é uma experiência coletiva, porém individual, que tenta acessar nossas memórias por meio das imagens. A obra de Tarkovski oferece essa busca envolvendo nossa alma”, sintetiza Maria do Céu Diel.

Preços e pagamento
Entrada gratuita
Contato
Telefone: (31) 3236-7400
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Fotos
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Minas Gerais"
0,0Km - Palácio das Artes – Fundação Clóvis Salgado - É uma instituição localizada em Belo Horizonte.
Saiba mais
0,1Km - Museu da Memória do Judiciário Mineiro- Representa um convite a conhecer parte da história da justiça mineira através de documentos, objetos e imagens, verdadeiros registros das transformações do fazer jurídico ao longo dos anos.
Saiba mais
0,3Km - Museu Inimá de Paula - Inaugurado em 29 de abril de 2008, o Museu é uma homenagem ao artista plástico Inimá José de Paula.
Saiba mais
0,4Km - Museu Mineiro - Com riquíssimo acervo de Arte Sacra Colonial, documenta de forma material e simbólica, momentos distintos da formação da cultura do Estado.
Saiba mais
0,6Km - Centro de Memória da Escola de Enfermagem - UFMG - O acervo histórico do Centro de Memória é constituído por documentos, fotos e recortes de jornais, fontes para pesquisadores interessados na recuperação da memória da instituição.
Saiba mais
0,6Km - Centro de Memória da Medicina de MG - UFMG - Formada em 1911, pouco depois da criação de Belo Horizonte, a Faculdade de Medicina da UFMG carrega uma história rica, com personagens notáveis.
Saiba mais
0,6Km - Museu dos Militares Mineiros - dedica-se à memória de duas das mais tradicionais corporações do Estado,
Saiba mais
0,6Km - DOTART -
Saiba mais
0,6Km - Museu da Imagem e do Som de Belo Horizonte - É um museu localizado em Belo Horizonte.
Saiba mais
0,8Km - Teatro Francisco Nunes - O teatro inaugurado em 1950 fica dentro do parque mais conhecido da cidade, o Municipal.
Saiba mais
269,9Km - Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
344,6Km - Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
488,9Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais