Carregando... aguarde
Museu do Negro - Guia das Artes
Museu do Negro
amanhã às 08:00h
Museus
Museu do Negro
Horários de funcionamento
dom
seg
08:00
16:00
ter
08:00
16:00
qua
08:00
16:00
qui
08:00
16:00
sex
08:00
16:00
sab
Local
Praça Monte Castelo, nº 25, Centro
Conteúdo
O Museu do Negro, localizado na Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, no centro da cidade do Rio de Janeiro, é um espaço dedicado à representação histórica do negro no Brasil, sua religiosidade e devoções.Misto de museu e de espaço sagrado, o Museu do Negro, gerido pela Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, fundada em 1640 fundadapor negros alforriados e escravos, tem a peculiaridade de abrigar em seu acervo objetos de culto ligados às práticas e devoções dos fiés. Neste museu, classificado como um “Museu-devoção” (PAIVA, 2009, p. 119) o caráter devocional primeiro, emanado dos objetos de culto expostos, ensejam a reflexão sobre a “categoria ‘patrimônio’, tal como representada do ponto de vista dos devotos. [...] narrativas que envolvem as relações sociais e simbólicas entre o espaço do museu, o espaço religioso e a cidade” (PAIVA, 2007, P. 2). “Museu dos Escravos”, “Museu da Abolição” e “Museu do Negro” - um lugar de trocas simbólicas.As diferentes denominações já atribuídas ao museu são reveladoras das trocas simbólicas, das tensões e dos confrontos que interligam narrativas, práticas e representações religiosas distintas.A própria história da institucionalização do museu nos chega por meio de hipóteses construídas a partir de narrativas colhidas em estudo antropológico sobre as práticas e as representações religiosas na Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, no Rio de Janeiro:“É curioso o fato de que muitos ‘irmãos’ situam a existência do museu após o incêndio, como se este evento consistisse em condição para sua criação. Entretanto, diante das variadas formas de nomeação empregadas, torna-se difícil determinar a data de surgimento de cada uma das classificações do museu [...]. Talvez pensar por que são colecionados determinados objetos – e não outros – e os modos de interação com eles possibilite um entendimento dessa questão, visto que o colecionamento traduz o processo de formação da categoria ‘patrimônio’” (PAIVA, 2009, p. 87-88 ).Desse modo, é possível observar no Museu do Negro tanto o culto aos santos e entidades como Nossa Senhora do Rosário, São Benedito e a Escrava Anastácia quanto à memória de Zumbi dos Palmares, da “Redentora”, a Princesa Isabel, e do movimento abolicionista.HistóricoEspaço Físico: prédio, território e entornoO Museu do Negro está instalado na Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, patrimônio da cidade do Rio de Janeiro, bem tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, em 1938.A igreja, erigida na antiga Rua da Vala, hoje Rua Uruguaiana, é um local de afirmação identitária para a comunidade de negros da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos da cidade do Rio de Janeiro.A história de sua construção remonta à iniciativa dos confrades da Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos que, anteriormente, tinham como lugar de abrigo e culto de suas imagens um dos altares da antiga Igreja de São Sebastião localizada no Morro do Castelo. Por motivo das desavenças entre a irmandade e os cônegos da Velha Sé do Bispado do Rio de Janeiro, ali instalada, em 1684, decidiram os irmãos retirarem de lá suas imagens e construir sua própria igreja. O que só foi possível, graças a uma das devotas do Rosário, Francisca Pontes, que havia doado à irmandade umas terras situadas na Rua dos Latoeiros, à beira da Vala, lugar de pouco valor. Com sua construção iniciada no ano de 1700, levou 25 anos para ser terminada. Entre 1737 e 1808, abrigou, a contragosto da irmandade e muitas desavenças, a Sé e o Cabido. Por essa razão, foi a igreja da cidade a receber a visita de agradecimento feita por D. João VI e a Corte Portuguesa, pelo êxito da chegada ao Rio de Janeiro, em 1808. Fato a acrescentar mais um capítulo nas históricas desavenças e disputas entre a Irmandade do Rosário e os Cônegos da Sé.“Os Cônegos decidiram receber na porta do Templo os ilustres visitantes reais, em detrimento dos membros da Irmandade. Após muita discussão, os Irmãos simularam conformar-se com a vontade dos ‘hospedes’ e se retiraram da Igreja. Entretanto, ficaram nas redondezas e, ao se aproximar o Cortejo Real, postaram-se na porta do Templo. O Séquito do soberano e fidalgos teve que desfilar entre as alas dos negros irmão. Foi essa a última desavença, pois em 15 de julho de 1808, a Sé deixava aquela Igreja” (CARVALHO, 2009, p.93-94).Quando da volta da família Real para Lisboa, em 1821, foi no Consistório da Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos que passou a funcionar o Senado da Câmara, razão pela qual foi o palco de importantes eventos ocorridos às vésperas da Independência do Brasil como a redação da representação popular dirigida a D. Pedro que culminou no "Dia do Fico". Depois de 1824, com a saída do Senado das dependências da igreja, o Consistório passou a ser ocupado pela Imperial Academia do Reino. No templo repousam os restos mortais do Mestre Valentim. Germain Bazin, autor de Arquitetura Religiosa Barroca no Brasil, descreve a igreja como um edifício interessante em razão de “seu plano muito alongado, com a capela-mor profunda e corredor em apenas um lado (Evangelho)” (BAZIN, 1956, p. 154). Relata ainda que a capela-mor e a igreja foram reformadas no ano de 1772 e, um ano depois, a capela-mor foi reformada. “Outras restaurações importantes ocorreram no século XIX, época em que foi reconstruída a fachada” (idem)Após o incêndio ocorrido na noite de 25 de março de 1967, subsiste a fachada com as duas torres, a portada maneirista de pedra de Lioz e parte das paredes da nave e da capela-mor. Com toda decoração barroca destruída, seu interior foi reconstruído em linguagem modernista, com projetos de Lúcio Costa e Sérgio Porto, sendo reaberta ao público em 1969.O destaque fica por conta do “renque de sobrados comerciais inserido no corpo da construção religiosa - único exemplar da cidade” (PREFEITURA DA CIDADE DO RIO DE JANEIRO, 2000, p. 68).Hoje, seu interior apresenta sete altares laterais, além do altar-mor em que se vê o Cristo Crucificado. Dois corredores, em dois planos, levam à sacristia, ao Consistório e às dependências da irmandade, onde se encontra o Museu do Negro. No primeiro piso, um ossuário com velas votivas.Instituição: trajetória e natureza jurídicaO Museu do Negro é uma instituição privada, vinculada à Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos.A trajetória da instituição remonta à época de reconstrução da igreja, em razão do incêndio de 1967. A criação do museu associa-se à luta pela recuperação, legitimação e preservação da memória da igreja e da irmandade dos negros:“O incêndio iniciado na noite de 25 de março de 1967 se alastrou pela madrugada do dia seguinte, domingo de Páscoa, e ele não apenas destruiu a igreja mas arruinou registros. De acordo com alguns membros da irmandade, eles seriam as “provas” que legitimavam a importância da igreja, da irmandade do período colonial brasileiro na memória nacional, pois tratava-se de documentação acerca do período da escravatura, referentes ao cotidiano e aos costumes urbanos. Parte desses documentos (dentre eles, registros tributários e livros de matrícula) já havia sido queimados em 14 de dezembro de 1890, por ordem de Rui Barbosa, abolicionista e ministro da república (PAIVA, 2009, P.55).Na placa afixada ao lado da antiga entrada do museu se lê: “Museu do Negro fundado em 1969”.AcervoO acervo do Museu do negro é composto por esculturas, fotografias, indumentária e documentos, dentre outros, com destaque para as santidades católicas, paramentos litúrgicos e dos membros da irmandade; os objetos ligados à escravidão (instrumentos de suplício e do cotidiano); objetos de culto ligados ao Candomblé, imagens e indumentáriarepresentativas da africanidade, da “Mãe áfrica e da “Mulher Negra”; objetos ligados ao Movimento Abolicionista e à Monarquia como dois estandartes abolicionistas salvos do incêndio, utilizados na procissão de despojo dos ossos da Princesa Isabel e do Conde D’Eu, na década de 1970.ReferênciaARAÚJO, Eduardo Jenner Farah de. (Coord.). Os museus do Rio que poucos conhecem. Rio de Janeiro: [s.n.], 1978. 84 p.AZZI, Riolando. O catolicismo popular no Brasil: aspectos históricos. Petrópolis: Vozes, 1978.CARVALHO, Orlindo José de. Templos Católicos do Rio de Janeiro – Manual. Editora Vozes, 2009.IMPERIAL IRMANDADE DE NOSSA SENHORA DO ROSÁRIO E SÃO BENEDITO DOS HOMENS PRETOS. Museu do Negro. Igreja de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos. Rio de Janeiro: Imperial Irmandade de Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos, [2007?]. Não paginado. Folder informativo.INSTITUTO DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO NACIONAL. Arquivo Noronha Santos. Igreja do Rosário e São Benedito (Rio de Janeiro, RJ). Disponível em: http://www.iphan.gov.br/ans/inicial.htm Acesso em: 22 de jan. 2013.INSTITUTO BRASILEIRO DE MUSEUS. Guia dos museus brasileiros. Brasília: IBRAM, 2011. 592 p. Disponível em: http://www.museus.gov.br/wp-content/uploads/2011/05/gmb_sudeste.pdf Acesso em: 14 set. 2011.PAIVA, Andréa Lúcia da Silva de. Museu dos Escravos, Museu da Abolição: o Museu do Negro e a arte de colecionar para patrimoniar. In: ABREU, Regina; CHAGAS, Mário de Souza; SANTOS, Myrian Sepúlveda dos. (Org.). Museus, coleções e patrimônios: narrativas polifônicas. Rio de Janeiro: Garamond; MINC; IPHAN; DEMU, 2007. p. 203-228. (Coleção Museu, Memória e Cidadania)._______. Os Devotos e a Cidade: colecionamento, devoção e patrimônio em um museu no centro do Rio de Janeiro. Trabalho apresentado na 26ª REUNIÃO BRASILEIRA DE ANTROPOLOGIA - ABA, 26ª, 2008, Porto Seguro. Grupo Temático 15: Cultura popular, patrimônio imaterial e cidades. Porto Seguro, 2008. Disponível em: Acesso em: 21 jan. 2013.______. Os Fios do Trançado: Um estudo antropológico sobre práticas e representações na Igreja Nossa Senhora do Rosário e São Benedito dos Homens Pretos no Rio de Janeiro. 2009. 266 f. Tese (Doutorado)-Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2009.PARTIDO DA CAUSA OPERÁRIA. A opressão do negro passa pela destruição da sua cultura. Situação de museu sobre negros ilustra segregação social. São Paulo: PCO, 2004. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 18 set. 2011.QUESTÕES NEGRAS. Quem não ama Zumbi? [S.l.]: Questões Negras, 2011. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2011. RIBEIRO, Paula. Saara, tradicional espaço de comércio no Centro do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro: SESC Rio, 2003. Não paginado. Disponível em: . Acesso em: 21 out. 2011.
Informações adicionais
Entrada gratuita.
Contato
Telefone: (21) 2224-2900
Entrada gratuita.
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
0,1Km - Centro Cultural da Bíblia - CCB - "[...] história do Livro Sagrado, desde as suas origens até os dias atuais."
Saiba mais
0,1Km - LARGO DAS ARTES - Instalado em uma construção do século 19, com cerca de 400m², o espaço integra o conjunto arquitetônico da região do Largo de São Francisco, que conta com a Igreja de São Francisco de Paula, o Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, o Real Gabinete Por
Saiba mais
0,3Km - MUSEU DA ORDEM TERCEIRA DE SÃO FRANCISCO DA PENITÊNCIA - O local mantém um pequeno museu de arte sacra, mas o destaque é o interior da igreja, considerada uma das expressões máximas do barroco brasileiro dos séculos 17 e 18. Iniciada em 1657, a igreja passou por um processo de restauro que durou 12 anos e troux
Saiba mais
0,3Km - Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica - Instalado no corredor cultural da Praça Tiradentes, centro histórico da cidade do Rio de Janeiro, o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (CMAHO) é uma referência na difusão da arte contemporânea brasileira.
Saiba mais
0,3Km - CENTRO CULTURAL DA SAÚDE - O palacete que abriga o centro cultural foi projetado por Gastão Bahiana para ser o Pavilhão da Estatística na exposição do Centenário da Independência, em 1922.
Saiba mais
0,3Km - Museu Histórico Nacional - MHN - o circuito expositivo de longa duração percorre os espaços cobrindo desde a pré-história brasileira até o período Republicano.
Saiba mais
0,4Km - Teatro João Caetano - O Teatro João Caetano é o mais antigo do Rio de Janeiro.
Saiba mais
0,4Km - Teatro Carlos Gomes - Localiza-se na Praça Tiradentes, no centro do Rio de Janeiro.
Saiba mais
0,4Km - Museu de Farmácia Antonio Lago - "[...] a história da farmácia no Brasil. "
Saiba mais
0,5Km - CENTRO CULTURAL DA JUSTIÇA ELEITORAL - A exposição permanente A História do Voto apresenta 14 ilustrações de vinil sobre MDF com cerca de 3m de altura e dois vídeos da TV Cultura que falam sobre a trajetória das eleições no Brasil. A mostra pretende enfatizar a importância do voto para criança
Saiba mais
12,4Km - Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
211,0Km - Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
359,8Km - GALERIA TÁTIL- A Pinacoteca do Estado apresenta exposição com 12 esculturas táteis, em bronze, que fazem parte do acervo do museu. A seleção das obras foi realizada considerando a indicação do público com deficiências visuais que participou de visitas orientadas ao acer
Saiba mais
360,3Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
360,3Km - Galeria Tatil na Pinacoteca de Sâo Paulo - A Pinacoteca do Estado apresenta exposição com 12 esculturas táteis, em bronze, que fazem parte do acervo do museu
Saiba mais