Carregando... aguarde
Memorial dos Pretos Novos - Guia das Artes
Memorial dos Pretos Novos
abrirá em 6 horas e 12 minutos
Museus
Memorial dos Pretos Novos
Horários de funcionamento
dom
seg
ter
13:00
19:00
qua
13:00
19:00
qui
13:00
19:00
sex
13:00
19:00
sab
13:00
19:00
Local
Rua Pedro Ernesto, 34 e 32 - Gamboa
Conteúdo
O Memorial dos Pretos Novos é parte integrante do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos - IPN que tem por finalidade a reflexão sobre a escravidão no Brasil, assim como o desenvolvimento de projetos educativos e de pesquisa para a preservação da memória dosPretos Novos.Pretos Novos era o nome dado aos cativos recém-chegados da África e desembarcados no Rio de Janeiro, em meados do século XIX, em uma área da cidade chamada, então, de Pequena África. Neste local, hoje a zona portuária da Gamboa, ficava o mercado de venda dos negros cativos.O memorial é um sítio arqueológico do Cemitério dos Pretos Novos que funcionou no local, entre os anos de 1769 e 1830, um ato de reverência e respeito aos milhares de negros recém-chegados à colônia, mortos ou doentes devido aos maus tratos durante a travessia do Atlântico.Estima-se que ali tenham sido depositados, em valas coletivas, os corpos de 20 a 30 mil negros, muito embora estes números não façam parte dos registros oficiais.Com a proibição do tráfico negreiro, o cemitério foi fechado e a memória de sua existência sepultada em razão dos sucessivos aterros ocorridos na região, assim como ao apagamento de parte importante da história da escravidão na cidade do Rio de Janeiro.O Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos - IPN, Museu Memorial, tornou-se um dos mais novos Pontos de Cultura do Rio de Janeiro, graças ao “Projeto Memorial Pretos Novos: Resgatar a memória de um povo é preservar a cultura de um país”. Um local de preservação da memória e fonte documentalO Memorial dos Pretos Novos é o resultado do trabalho conjunto de historiadores e de arqueólogos com base nas ossadas e nos vários artefatos encontrados no local durante a primeira escavação, realizada com o objetivo de delimitar a extensão do Cemitério dos Pretos Novos.Ao todo, foram encontradas 28 ossadas, com predomínio do sexo masculino entre 18 a 25 anos. Eram pedaços de crânio, de costela, dentes, mandíbula, nenhuma peça completa, o que demonstra que se tratava de um cemitério com covas, onde os corpos eram simplesmente jogados uns sobre os outros.Se as ossadas revelam os sinais da brutalidade e do desrespeito com que esses negros eram tratados, os vários artefatos também encontrados como pontas de lança, argolas, colares, contas de vidro; artefatos de barro, porcelanas, conchas, ostras e vestígios de fogueira surgem como importantes fontes documentais, não apenas dos costumes e do cotidiano do Rio de Janeiro oitocentista, mas de que, há três ou quatro mil anos, o local também fora uma região sambaquieira, Pirâmides de vidro, inauguradas em 2012 com uma manifestação religiosa com a presença de mães de santo, protegem e dão visibilidade aos achados arqueológicos depositados nos locais de escavações. A Galeria Pretos Novos apresenta exposições temporárias de arte contemporânea.A Biblioteca Pretos Novos, inaugurada em novembro de 2012, conta com cerca de 600 títulos dedicados à cultura, à história e às artes afro brasileiras e indígenas.Espaço Físico: prédio, território e entornoO Memorial dos Pretos Novos tem sua sede em um sítio histórico ligado ao antigo Cemitério dos Pretos Novos, que funcionou entre os anos de 1769 e 1830.O prédio, localizado na atual Rua Pedro Ernesto, 36, bairro da Gamboa, remonta ao início do século XVIII, quando a rua era conhecida como Caminho do Cemitério.A história do bairro remonta a própria história de ocupação da cidade, no século XVI, quando o mar atingia toda a região da Gamboa e da Saúde, bairros adjacentes e situados entre a Central do Brasil, o cais do porto e o Morro do Valongo ou da Conceição. Na região ficava o cais para desembarque dos navios negreiros e a quarta paróquia da cidade, a Igreja de Santa Rita erguida, entre 1702 e 1719.Como na cidade havia poucos terrenos destinados ao sepultamento dos negros recém-chegados da África, os Pretos Novos, seus corpos eram lançados em covas abertas na rua em frente à igreja. O local foi utilizado regularmente, até que o mercado de escravos fosse transferido da Rua Direita, atual Primeiro de Maio para o Valongo.Em 1741 foi aberta a Rua do Valongo, atual Rua Camerino, caminho pelo qual seguiam os negros desembarcados no Cais do Valongo até o mercado de compra e venda de negros, ali instalado, a partir de 1779, por ordem do Vice-Rei Marques do Lavradio.Por ocasião da chegada da Imperatriz D. Tereza Cristina, em 1843, o cais do Valongo foi reformado e rebatizado de Cais da Imperatriz. A Rua do Valongo passou a se chamar de Rua da Imperatriz, assim permanecendo até 1890, ocasião em que recebeu o nome atual em homenagem a Francisco Camerino de Azevedo, herói da guerra do Paraguai.Por volta de 1750, a atual Rui Pedro Ernesto era conhecida era conhecida como o caminho da Gamboa, referência à praia do mesmo nome. Mais tarde, passou a ser chamada de Caminho do Cemitério, onde ficava oCemitério dos Pretos Novos, ali instalado pela proximidade do mercado de negros criado na Rua do Valongo.Os relatos de viajantes que por aqui estiveram no século XIX nos contam que o cemitério não passava de uma montanha de terra e de corpos despidos, em decomposição, que de tempos em tempos eram queimados.Em 1853, o Caminho do Cemitério passa a se de Rua da Harmonia. No local foi criado o Teatro de Amadores que depois se tornou Escola José Bonifácio, hoje, Centro Cultural José Bonifácio dedicado a Cultura afro-brasileira. Em 1946, a rua passa a se chamar de Pedro Ernesto.Embora a existência do Cemitério dos Pretos Novos fosse conhecida de historiadores e da literatura sobre a cidade do Rio de Janeiro e sobre a escravidão no Brasil, sua localização tornou-se totalmente desconhecida por décadas até o ano de 1996, quando, por ocasião de uma obra realizada na fundação da casa, foram encontrados ossadas humanas a poucos centímetros de escavação.A pesquisa inicial e a análise dos vestígios arqueológicos, feitos pelo Instituto de Arqueologia Brasileira, confirmaram que se tratavam das ossadas depositadas no antigo Cemitério dos Pretos Novos.Os donos do imóvel pensaram em realizar exposições itinerantes com o rico material encontrado nas escavações, mas reconhecendo a importância do local para a história da cidade do Rio de Janeiro e para a divulgação da história dos Pretos Novos, decidiram que ali seria um espaço de visitação.Instituição: trajetória e natureza jurídicaO Memorial dos Pretos Novos é uma instituição privada, um desdobramento das atividades do Instituto de Pesquisa e Memória Pretos Novos (IPN), organização sem fins lucrativos, fundada, em 13 de maio 2005, pelos proprietários da residência na qual foi encontrado o sítio arqueológico, o casal Petrúcio e Maria De La Merced Guimarães. A criação do IPN surgiu da mobilização do casal pela importância da descoberta arqueológica de que a residência que haviam comprado, em 1996, localizava-se sobre o antigo Cemitério dos Pretos Novos. No início, muito pouco se sabia de concreto sobre a história desses negros. Os poucos registros encontrados sobre o tema falavam de números, mas muito pouco sobre a chegada e da vida do negro africano na colônia. Este fato é o que tem inspirado a trajetória do IPN que desenvolve atividades diversificadas voltadas à divulgação e à valorização da cultura negra.AcervoParte dos achados arqueológicos encontram-se expostos sob pirâmides de vidro que protegem as áreas escavadas contendo algumas ossadas, vestígios de fogueira indígena e fragmentos de louças europeias.ReferenciaFREIREYSS, G. W.. Viagem ao interior do Brazil nos annos de 1814—1815. Revista do Instituto Histórico e Geográfico de São Paulo, São Paulo, v. XI, 1906.PEREIRA, Júlio César Medeiros da Silva. À flor da terra : o cemitério dos pretosnovos no Rio de Janeiro. Rio de Janeiro : Garamond : IPHAN, 2007.
Contato
Telefone: (21) 2516-7089
pretosnovos@pretosnovos.com.br
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
0,1Km - CENTRO CULTURAL MUNICIPAL JOSÉ BONIFÁCIO - Localizado na Gamboa, bairro da zona portuária da cidade, o prédio foi construído em 1877 para abrigar a Escola José Bonifácio. O centro cultural foi criado em 1983 e abriga exposições, apresentações de filmes e vídeos, seminários, teatro e dança.
Saiba mais
0,9Km - Centro Cultural Light - Desde sua fundação, abriga projetos musicais e educacionais.
Saiba mais
0,9Km - Museu Light da Energia - O visitante é convidado à reflexão por meio de várias atividades experimentais.
Saiba mais
1,2Km - ANTIGA FÁBRICA DA BHERING - O espaço onde funcionava a ex-fábrica de chocolates Bhering, abriga 52 ateliês de artistas e 22 pequenas empresas do ramo cultural. O maquinário e as antigas instalações da fábrica servem de inspiração para criação e também são incorporados aos trabalhos
Saiba mais
1,2Km - Museu de Farmácia Antonio Lago - "[...] a história da farmácia no Brasil. "
Saiba mais
1,2Km - Museu de Arte do Rio - MAR - Escola do Olhar.
Saiba mais
1,2Km - MUSEU DO AMANHÃ - O museu inaugura com mostras dedicadas às ciências, em formatos diferentes para que os visitantes passem por diversos tipos de experiência.
Saiba mais
1,5Km - Museu da Polícia Militar do Estado do rio de Janeiro - PMERJ - "[...] o acervo do museu conta 3.000 objetos reunidos ao longo dos quase 200 anos de existência da instituição."
Saiba mais
1,5Km - Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica - Instalado no corredor cultural da Praça Tiradentes, centro histórico da cidade do Rio de Janeiro, o Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (CMAHO) é uma referência na difusão da arte contemporânea brasileira.
Saiba mais
1,5Km - Centro Cultural da Bíblia - CCB - "[...] história do Livro Sagrado, desde as suas origens até os dias atuais."
Saiba mais
11,9Km - Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
209,5Km - Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
359,2Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais