Carregando... aguarde
Complexo Cultural da Marinha - Ilha Fiscal - Guia das Artes
Complexo Cultural da Marinha - Ilha Fiscal
abrirá em 7 horas e 12 minutos
Museus
Complexo Cultural da Marinha - Ilha Fiscal
Horários de funcionamento
dom
12:00
17:00
seg
ter
12:00
17:00
qua
12:00
17:00
qui
12:00
17:00
sex
12:00
17:00
sab
12:00
17:00
Local
Av. Alfred Agache, s/n, Centro, próximo à Praça XV
Conteúdo
A Ilha Fiscal integra o Complexo Cultural da Marinha formado por um circuito de museus e de exposições do qual fazem parte também o Museu Naval e o Espaço Cultural da Marinha (ECM).Ilha dos Ratos era seu nome até 1882, passando a ser chamada de Ilha Fiscal após a construção do posto de fiscalização alfandegária.Transferida para a Marinha pelo Ministério da Fazenda, em 1913, a Ilha foi o cenário do “Último Baile do Império”, realizado alguns dias antes da Proclamação da República, em 15 de novembro de 1889.O projeto museográfico para a Ilha Fiscal foi idealizado em 1997 a partir da ideia do ex- ministro da Marinha Mauro Cesar Pereira Rodrigues. Na elaboração do projeto foram privilegiadas as ambientações dos espaços referentes ao século XIX e um circuito expositivo com diversas ações da Marinha.Exposições permanentes apresentam a "História da Ilha Fiscal", "A Contribuição Social da Marinha" e "A Contribuição Científica da Marinha".Um Castelo gótico para o ImpérioNa ilha, o castelo aberto à visitação tem como destaques: o Torreão, com o relógio alemão de quatro faces e o piso em mosaico feito com 14 tipos de madeiras nobres brasileiras; e a Ala do Cerimonial, composta por uma sala de estar e uma sala de jantar. A decoração é uma mistura de elementos do final do século XIX e dos anos 30, mas ambas no estilo gótico.As cortinas fazem referência à decoração da época do Império e a cor verde à Casa de Bragança. Já o mobiliário, fabricado em São João Del-rei (MG), é da década de 30. A louça apresentada na mesa de jantar é de fabricação recente, e os talheres pertenceram ao Encouraçado São Paulo - navio que participou das duas guerras mundiais.O acesso à Ilha Fiscal é feito pela escuna Nogueira da Gama ou, excepcionalmente, por micro-ônibus.Espaço Físico: prédio, território e entornoA Ilha Fiscal ocupa uma área de 7000 m2 e se distancia do continente pouco mais de 1 km.O palacete do século XIX, em estilo neogótico provençal, foi projetado pelo Engenheiro Adolpho Del Vecchio. Foi construído para abrigar a chefia do Posto Alfandegário próximo ao ancoradouro dos navios mercantes estrangeiros que aportavam à Baía de Guanabara, na altura da atual Praça XV.O destaque do palacete fica por conta da qualidade dos trabalhos em vitral e de cantaria, ambos destacando os símbolos do Império e as figuras da Princesa Regente e de Sua Majestade, o Imperador Dom Pedro II.A construção terminou em abril de 1889 e a festa de inauguração contou com a presença do Imperador Dom Pedro II.O prédio foi o cenário do “Último Baile do Império", realizado alguns dias antes da Proclamação da República para receber a oficialidade do Encouraçado chileno Almirante Cochrane. O evento fora organizada em retribuição à grande recepção dada à guarnição do Navio-Escola Almirante Barroso durante a sua passagem pelo Chile no ano anterior, quando em viagem de circunavegação.Durante a chamada Revolta da Armada, Em 1913, a Ilha ficou seis meses em posse dos revoltosos e o palacete ficou bastante danificado devido aos tiros da artilharia.Instituição: trajetória e natureza jurídicaA Ilha Fiscal faz parte do Complexo Cultural da Marinha, vinculado à Diretoria do Patrimônio Histórico e Documentação da Marinha (DPHDM), órgão criado em julho de 2008 com o fim de centralizar a gestão das missões da Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural da Marinha (DPHCM) e do Serviço de Documentação da Marinha (SDM).O DPHDM tem como missão a promoção da pesquisa, publicação e documentação sobre assuntos concernentes à cultura e a história marítima do Brasil; de atividades histórico-culturais da Marinha. Cabe ao DPHDM a administração da Biblioteca da Marinha, do Arquivo da Marinha, da editora do Serviço de Documentação da Marinha, dos Navios-Museus e dos museus que lhe são subordinados, incluindo os diversos espaços para exposição; das atividades técnicas de preservação do acervo sob sua guarda, dentre outras funções ligadas ao patrimônio e à história cultural da Marinha.A Ilha Fiscal foi transferida do Ministério da Fazenda para a Marinha, em 1913, que, em troca, cedeu o Vapor Andrada. No ano seguinte, foi instalada no local a Repartição da Carta Marítima (atual Diretoria de Hidrografia e Navegação – DHN). Em 1983, a DHN foi transferida para a Ponta da Armação, em Niterói, permanecendo na Ilha Fiscal o Grupamento de Navios Hidroceanográficos até março de 1998. Em 1997, a Diretoria do Patrimônio Histórico e Cultural da Marinha já havia iniciado seu projeto de restauração, com o apoio do Serviço de Documentação da Marinha e sob a supervisão do Instituto Estadual do Patrimônio Cultural (Inepac). A partir do ano de 1999 foi aberta a visitação pública.AcervoAcervo ArquitetônicoPrédio em estilo gótico provençal, formado por Torreão onde se encontra instalado um relógio de quatro faces, construído na Alemanha. Acervo museológicoMobiliário, serviços de mesa e objetos decorativos.
Informações adicionais
Ingressos a venda na bilheteria
Contato
Telefone: (21) 2104-5592 / 2104-6025
secom@dphdm.mar.mil.br
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
0,0Km - Museu Jorge Goulart e Nora Ney - NATUREZA ADMINISTRATIVA: Particular.ANO DE CRIAÇÃO: 2000. TIPOLOGIA DO ACERVO: História.
Saiba mais
0,0Km - CENTRO CULTURAL JUSTIÇA FEDERAL - O Centro Cultural Justiça Federal é uma espaço reconhecido por incentivar e garantir o acesso da população às diversas formas de expressão cultural, abrigando exposições, peças teatrais, espetáculos de dança e de música, mostras de cinema, cursos, seminár
Saiba mais
0,0Km - TNT - A galeria foi fundada em 2001, no Shopping Cassino Atlântico
Saiba mais
0,0Km - Centro Municipal de Cultura e Cidadania Calouste Gulbenkian - O Centro Calouste Gulbenkian foi criado em 11 de março de 1971, na Praça Onze, e recebe o nome de Calouste Gulbenkian em homenagem à instituição cultural portuguesa sediada em Lisboa - Fundação Calouste Gulbenkian.
Saiba mais
0,0Km - Museu Cartográfico do Serviço Geográfico do Exército - "O museu apresenta parte importante da história da cartografia brasileira. "
Saiba mais
0,0Km - Centro Cultural do Movimento Escoteiro - CCME - "[...] preservar e contribuir para o desenvolvimento da memória e da cultura escoteira do Brasil."
Saiba mais
0,0Km - A Gentil Carioca - Fundado em setembro de 2003 pelos artistas plásticos Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Laura Lima e Márcio Botner, esse espaço para a arte contemporânea representa e mantém em acervo obras dos artistas Thiago Rocha Pitta, João Modé, Jarbas Lopes, Paulo Nenf
Saiba mais
0,0Km - Complexo Cultural da Marinha - Espaço Cultural da Marinha - "A proposta é a de um embarque pela história do Brasil e da navegação."
Saiba mais
0,0Km - ALMACÉN GALERIA DE ARTE BARRA DA TIJUCA - Estabelecida no CasaShopping, na Barra da Tijuca, desde 1986, a galeria mantém em acervo obras de Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Antonio Dias, Marco Coelho Benjamim, Fernando Velloso, Walter Goldfarb, Cruz-Diez, Jussara Age, Yuli Geszti, Silvio Baptista, H
Saiba mais
0,0Km - Complexo Cultural da Marinha - Museu Naval - Sede da DPHDM - "[...] preservar e divulgar o patrimônio histórico e cultural da Marinha."
Saiba mais
12,9Km - Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
211,9Km - Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
361,0Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais