Carregando... aguarde
Genealogia da abstração e da figuração - Guia das Artes
Genealogia da abstração e da figuração
Genealogia da abstração e da figuração
Thiago Martins de Melo e Amalia Pica atualizam discussões levantadas no século 20 pelo realismo social e o neoconcretismo
inserido em 2020-03-03 17:48:54
Conteúdo

 

O realismo social, o concretismo e o neoconcretismo estão entre os grandes legados que a América Latina deixou para a história da arte ocidental, desconsiderados aqueles que possam ter sido ofuscados por processos de invisibilização. 

O século 20 foi marcado pelo enfrentamento entre abstracionistas e figurativistas, assim como por discussões acerca do caráter político dessas correntes. O realismo social nasceu comprometido com a preocupação social da classe trabalhadora, vinculado a uma ideologia comunista revolucionária anti-imperialista. A abstração do período pós-Segunda Guerra Mundial foi teorizada tanto como uma investigação formalista sobre a arte autônoma e de forma pura, representando um distanciamento de condições históricas, quanto como uma alegoria da crise das artes comprometidas com ideologias.

Diante do contexto da Guerra Fria e da polarização global entre capitalismo e comunismo, essas duas esferas acabaram submetidas a representações ideológicas de cada lado do conflito, independentemente do alinhamento político de seus expoentes. Enquanto a abstração foi associada à retórica anticomunista, o realismo social muito sucumbiu a ações propagandísticas de governos de linhas marxistas. Com a soberania dos Estados Unidos, as manifestações associadas ao figurativismo foram qualificadas como demasiadamente narrativas, demagógicas, nacionalistas ou de pouca qualidade. Passados 30 anos da queda do Muro de Berlim, a retomada da figuração e a problematização das questões levantadas pela abstração geométrica repercutem na obra de artistas contemporâneos como Thiago Martins de Melo e Amalia Pica.

O filho perdido do Muralismo
Convidado a realizar residências artísticas pelo México, o artista maranhense Thiago Martins de Melo tem viajado muito ao país nos últimos dois anos e é comum que os mexicanos relacionem seu trabalho ao Muralismo, um dos braços do Realismo Social na América Latina. “É uma relação de pintura, política, história e colonialismo. Eles fazem essa associação como se eu fosse o filho perdido do Muralismo no Brasil”, conta Martins de Melo à seLecT. Apesar de essa associação não ser direta e intencional, entre seus artistas preferidos estão os mexicanos José Clemente Orozco (1883-1949) e David Alfaro Siqueiros (1896-1974). “Meu pai é pintor e sempre gostou muito desses artistas. Quando aprendi a pintar, lembro que conheci os muralistas mexicanos justamente pela temática social e todo o engajamento que eles tinham com o Partido Comunista.”

Os elos que ligam a obra do maranhense com o Muralismo mexicano são vistos na predominância da pintura entre as linguagens com as quais trabalha; na larga escala; no aspecto realista e expressionista de suas imagens e na dimensão política dos signos que reúne. Diferentemente do Realismo Social, seus trabalhos partem de seu universo pessoal e dizem muito sobre suas relações de intimidade. Porém, nas pinturas disruptivas e altamente simbólicas de Thiago Martins de Melo encontram-se denúncias e posicionamentos políticos assertivos. Diante da abundância e da justaposição de imagens, as mensagens políticas sobressaltam em camadas que explicitam a mixórdia que é a identidade brasileira, latino-americana e ameríndia.

 
 

Conspiração pela abstração
A produção abstrata ganhou força na América Latina inicialmente pelas mãos do concretismo, na metade do século 20, tendo forjado na geometria um de seus principais pilares. O concretismo latino teve importantes textos e manifestos em Buenos Aires, Montevidéu, Santiago, São Paulo e Rio de Janeiro, embebidos de um ânimo de desenvolvimento e futuro, aliados a ideias de modernidade e industrialização. Apesar de existirem diferentes compreensões acerca da definição conceitual do movimento, sua produção era considerada demasiadamente racionalista. Daí surgiu o neoconcretismo, que teve seu esplendor entre artistas residentes no Rio de Janeiro. O Manifesto Neoconcreto, assinado em 1959, diz: “Não concebemos a obra de arte nem como ‘máquina’ nem como ‘objeto’, mas como um quasi-corpus, isto é, um ser cuja realidade não se esgota nas relações exteriores de seus elementos; um ser que, decomponível em parte pela análise, só se dá plenamente à abordagem direta, fenomenológica”.

O trabalho da argentina Amalia Pica é um grande exemplo de como esse pensamento permanece vivo e relevante até hoje. A artista tem uma gama de trabalhos que tratam dos Diagramas de Venn, método de ensino matemático usado para simbolizar graficamente a teoria dos conjuntos, que foi abolido durante a ditadura civil-militar da Argentina (1976-1983). O governo militar temia que ensinar nas escolas a representação do conceito de interseção poderia levar à união de cidadãos e a uma conspiração antiditadura.

Vista de relance, a instalação ABC (lê-se A interseção B interseção C), de 2013, poderia ser interpretada como uma abstração geométrica formalista, levada ao espaço em forma de instalação. Porém, além da questão conceitual do trabalho, que referencia o passado de repressão de liberdades, as geometrias coloridas e transparentes, posicionadas nas paredes, são frequentemente usadas como objetos de cena em ações. Pica convida um grupo de performers a caminhar pelo espaço, segurando essas formas, provocando a temida interseção de corpos e configurando diferentes formas de comunidade.

A instalação é um desdobramento da obra Venn Diagrams (Under The Spotlight), 2011, que traz dois círculos intersecionados, projetados por refletores de luz em uma parede de acordo com um sensor de movimento. O primeiro círculo, azul, acende quando uma única pessoa se aproxima do objeto. O segundo, vermelho, quando mais corpos ocupam o mesmo espaço. A obra de Amalia Pica acaba por confirmar o que a ditadura argentina enxergava como perigoso e potencialmente subversivo. A artista aponta para a beleza e eficácia da união na luta contra as tentativas de cerceamento da liberdade.

Se a rixa entre figurativismo e abstracionismo do século 20 levou a associações ideológicas fáceis, a produção contemporânea mostra que o potencial político da arte não recai na presença ou na falta de figuras. A exemplo da obra de Thiago Martins de Melo e de Amalia Pica, a arte é muito mais heterogênea e instigante do que já foi presumido.

Fotos
Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
01/Jan
ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Qui
06/Fev
Pasteur, O Cientista - Exposição interativa em SP celebra a vida de Louis Pasteur
Saiba mais
Sáb
28/Mar
OSGEMEOS: Segredos - Pinacoteca recebe exposição d’OSGEMEOS.
Saiba mais