Carregando... aguarde
Museu Nacional - UFRJ - Guia das Artes
Museu Nacional - UFRJ
abrirá em 4 horas e 1 minutos
Museus
Museu Nacional - UFRJ
Horários de funcionamento
dom
10:00
16:00
seg
ter
10:00
16:00
qua
10:00
16:00
qui
10:00
16:00
sex
10:00
16:00
sab
10:00
16:00
Local
Quinta da Boa Vista, s/n.- São Cristovão
Conteúdo
O Museu Nacional é a mais antiga instituição científica do Brasil voltada à pesquisa e à memória da produção do conhecimento, hoje, vinculada à Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ).Sua história remonta aos tempos da fundação do Museu Real por D. João VI, em 1818, cujo principal objetivo era propagar o conhecimento e o estudo das ciências naturais em terras brasileiras. Hoje, é reconhecido como um centro de excelência de pesquisa em história natural e antropológica na América Latina. Detém um acervo composto por mais de 20 milhões de itens distribuídos por coleções que servem de base para a pesquisa desenvolvida pelos Departamentos de Antropologia, Botânica, Entomologia, Geologia e Paleontologia, Vertebrados e Invertebrados.Depois de um longo período de apagamento histórico, promovido pela República, a memória da Monarquia Brasileira voltaà cena re-significando espaços, tempos, objetos e memórias. As coleções, a pesquisa científica e o ensino.Grande parte das coleções do Museu Nacional foi reunida durante a Regência e o Império, entre elas as oriundas do “Museu do Imperador” localizado em uma das salas do Paçoda Boa Vista. D. Pedro II, tal qual a Imperatriz Leopoldina, sua mãe, nutria grande interesse pelo colecionismo e pelo estudo das ciências naturais. Por meio de exposiçõespermanentes e temporárias, cerca de três mil objetoslevam ao público o resultado do conhecimento produzido pelos departamentos de pesquisa e pelos trabalhos de conservação e de restauração.Instituição voltada ao ensino, o Museu Nacional oferece cursos de pós-graduação stricto e lato sensu, aos quais se vinculam projetos, grupos de pesquisas e a Extensão Universitária.Espaço Físico: prédio, território e entornoO Museu Nacional ocupa um prédio histórico cuja feição neoclássica atual é o resultado dos sucessivos projetos de reformas, o último, sob a direção de Pedro José Pezerat, recebeu ampliações comandadas por Manoel de Araújo Porto Alegre e pinturas decorativas executadas Mário Bragaldi. Os jardins históricos são de autoria de Auguste François Marie Glaziou. Com a Proclamação da República e o banimento da Família Imperial do Brasil, os aposentos internos do palácio foram descaracterizados e a maior parte do mobiliário leiloado. Durante a gestão do presidente Nilo Peçanha, em 1909, os jardins foram restaurados e cercados, preservando-se as características que lhe foram dadas por Glaziou, como a Alameda das Sapucaias, o grande lago dos pedalinhos e o da gruta artificial. Em 1938, o prédio foi tombado pela antiga Secretaria do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, atual Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional - IPHAN.Instituição: trajetória e natureza jurídicaO Museu Nacional é uma instituição pública Federal vinculada à Universidade Federal do Rio de Janeiro - UFRJ.A origem da instituição remonta à a fundação do Museu Real pelo decreto de 06/06/1818, assinado por D. João VI. O primeiro diretor foi o Frei franciscano José Batista da Costa Azevedo, professor de botânica e zoologia da Academia Real Militar.O Museu Real situava-se entre as antigas ruas Nova do Conde e dos Ciganos, atuais Visconde do Rio Branco e da Constituição. As coleções do Museu Real foram constituídas a partir do acervo da Casa dos Pássaros, antiga Casa de História Natural criada, em 1784, pelo Vice-Rei D. Luiz de Vasconcellos e Sousa; dacoleção do mineralogista alemão Abraham Gottlob Werner (1749-1817); dos diamantes do Distrito Diamantino enviados pelo intendente Ferreira da Camara à Academia Real Militar; de espécimes geológicos, mineralógicos e zoológicos coletados pelos naturalistas estrangeiros no Brasil como Langsdorff, Natterer eSaint-Hilaire; de peças etnográficas vindas das IlhasSandwich para o Imperador Pedro I, que as doou ao Museu; da coleção de objetos mineralógicos doadas peloPríncipe da Dinamarca; deprodutos mineralógicos e geognósticos do vulcão Vesúvio; da coleção ornitológicadoada pelo Museu de Berlim. OMuseu Real tinha o patrocínio da Imperatriz Leopoldina que estimulavaosestudos de história natural. Além das exposições e publicações sobre as expedições científicas realizadas pelas províncias, sediou conferências e aulas públicas sobre zoologia, antropologia, botânica e física.Por ocasião da Declaração de Independência do Brasil de Portugal, em 1822, passa a se chamar Museu Imperial e Nacional vinculando-se ao Ministério dos Negócios do Império.Com a República, em 1889, recebe o nome de Museu Nacional, vinculando-se ao Ministério da Instrução Pública, Correios e Telégrafos. Com o banimento da Família Imperial, foi transferido, em 1892, para o Palácio Imperial em São Cristóvão, tornando-se órgão do Ministério da Justiça e Negócios Interiores, criado no ano anterior. Com a mudança de sede, várias coleções foram perdidas. Em 1909, vinculou-se à Secretaria de Estado dos Negócios da Agricultura, Indústria e Comércio; em 1930 ao Ministério dos Negócios, da Educação e Saúde Pública; em 1937, à recém-criada Universidade do Brasil, transformada, em 1965, na Universidade Federal do Rio de Janeiro. AcervoAcervo museológico: O Museu Nacional é o museu do país que tem sob sua guarda o maior número de bens culturais. São 20.000.000 peças dedicadas aos estudos dos Departamentos de Antropologia, Botânica, Entomologia, Geologia e Paleontologia, Invertebrados e Vertebrados. Este número, no entanto, está sujeito a expansão em razão dos trabalhos de pesquisa e coleta de campo por todo país e no exterior. Apenas parte deste acervo, cerca de 3.000 objetos, encontra-se exposto.Acervo arquivístico: A Seção de Memória e Arquivo do Museu Nacional/UFRJ (SEMEAR) possui documentos que registram os primórdios do trabalho científico no Brasil e as alterações ocorridas no cenário internacional das ciências; que retratam o cotidiano da instituição nos contextos político, econômico e social brasileiro; suas relações com instituições congêneres, nacionais e estrangeiras. Custodia diversos arquivos privados pessoais, de cientistas e professores.O Centro de Documentação de Línguas Indígenas - CELIN é especializado na documentação de materiais linguísticos textuais e sonoros referentes às línguas indígenas e variedades do português do Brasil, com produção bibliográfica associada em linguística teórica e aplicada, literatura, etnologia e educação.Tem como objetivo a recuperação e disseminação das informações contidas na documentação arquivística; garantir sua integridade física e subsidiar o desenvolvimento de pesquisas sobre a história do Museu Nacional/UFRJ, do Palácio Imperial e, principalmente, sobre a institucionalização das ciências no Brasil. Acervo Bibliográfico: A Biblioteca do Museu Nacional volta-se ao apoio das atividades de ensino, pesquisa e extensão do Museu Nacional, além do desenvolvimento de serviços e produtos para difusão da informação. Integra o Sistema de Bibliotecas e Informação da Universidade Federal do Rio de Janeiro - SiBI, composto por 44 bibliotecas e três arquivos documentais.Especializado em ciências naturais e antropológicas, detém um acervo de 474.866 volumes, dentre livros, periódicos e outras publicações dos séculos passados.A reprodução dos acervos de In-Fólios e de Obras Raras, disponibilizada em meio digital, pode ser baixada através dapágina da Biblioteca Digital do Museu Nacional, UFRJ.ReferênciasBRASIL. Decreto de 06 de junho de 1818. Crêa um Museu nesta Côrte, e manda que elle seja estabelecido em um predio do Campo de Santa’Anna que mande comparar e incorporar aos proprios da Corôa. In: Collecção das Leis do Brazil de 1818. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional,1889. COARACY, Vivaldo. Memórias da cidade do Rio de Janeiro. Belo Horizonte: Itatiaia; São Paulo: Ed. da USP, 1988. DANTAS, Regina Maria Macedo Costa. A Casa do Imperador: Do Paço de São Cristóvão ao Museu Nacional.2007. Dissertação (Mestrado) Programa de Pós-Graduação em Memória Social, Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 2007.SANTOS, Francisco Marques dos. O leilão do Paço de São Cristóvão. Petrópolis, Anuário do Museu Imperial, 1940, vol. 1.DOCUMENTOS ELETRÔNICOS: DANTAS, Regina. Só para os íntimos. A história do incrível museu particular que D. Pedro II exibia para convidados seletos em seu próprio palácio. Revista de Historia da Biblioteca Nacional,Rio de Janeiro, jun. 2008. Disponível em: Acesso em: 30 out. 2011.MUSEU NACIONAL - UFRJ. Seção de Museologia. Os Diretores do Museu Nacional / UFRJ: 2011. Rio de Janeiro. Disponível em:Acesso em: 30 out. 2011.MUSEU REAL. In: DICIONÁRIO Histórico-Biográfico das Ciências da Saúde no Brasil (1832-1930). Rio de Janeiro. Fiocruz. Casa de Oswaldo Cruz. Disponível em: Acesso em: 30 out. 2011.FRANÇA, José Augusto. Pierre-Joseph Pézerat (1801-1872): O ÚLTIMO ARQUITETO NEOCLÁSSICO DE LISBOA. Parte I. Revista Vivercidades.jun. 2009 parte 1. Disponível em:< http://www.vivercidades.org.br/publique_222/web/cgi/cgilua.exe/sys/start.htm?infoid=1493&sid=21>Acesso em: 04 de novembro de 2011.ANPUH. Anais Eletrônicos. SILVA, Paulo Vinícius Aprígio; KUBRUSLY, Ricardo Silva. O ARCHIVOS DO MUSEU NACIONAL E A PROMOÇÃO DAS CIÊNCIAS NO BRASIL OITOCENTISTA. Anais do XXVI Simpósio Nacional de História – ANPUH. São Paulo, julho 2011. Disponível em: Acesso: 30 out 2011.
Contato
Telefone: (21) 2254-4320 – (21) 2562-6042
museu@mn.ufrj.br
* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
0,5Km - Museu Militar Conde de Linhares - MMCL - "[...] história da formação, consolidação e modernização do Exército Brasileiro."
Saiba mais
0,7Km - Casa da Marquesa: Museu da Moda Brasileira - Primeiro museu no país dedicado aos costumes e à moda
Saiba mais
0,7Km - MUSEU DO PRIMEIRO REINADO - Desde 1979 é sede do Museu do Primeiro Reinado, com exposições de mobiliário de época, quadros de Taunay, Bertichem e outros artistas, além de objetos pessoais da marquesa.
Saiba mais
1,0Km - Museu de Astronomia e Ciências Afins - MAST - "História da Ciência e Tecnologia no Brasil; Museologia e Patrimônio; Educação em Ciências em espaços Não formais."
Saiba mais
1,2Km - Centro Cultural Maçônico do Supremo Conselho do Brasil - "[...] marco no fortalecimento da identidade e dos valores maçons junto à sociedade contemporânea."
Saiba mais
1,5Km - Rembrandt – Arte & Molduras - É um atelier localizado no Rio de Janeiro.
Saiba mais
1,8Km - Centro Cultural Cartola - desenvolve diversas atividades voltadas à capacitação profissional e artística por meio de oficinas de teatro, dança e música.
Saiba mais
2,2Km - ANTIGA FÁBRICA DA BHERING - O espaço onde funcionava a ex-fábrica de chocolates Bhering, abriga 52 ateliês de artistas e 22 pequenas empresas do ramo cultural. O maquinário e as antigas instalações da fábrica servem de inspiração para criação e também são incorporados aos trabalhos
Saiba mais
2,4Km - Museu de Odontologia Professor Salles Cunha - Com um acervo valioso, que sempre estará ao alcance dos pesquisadores, dos professores e dos acadêmicos das faculdades de odontologia, interessados em saber da profissão que escolheram.
Saiba mais
2,8Km - Centro Coreográfico da Cidade do Rio de Janeiro - foi inaugurado em 2004, sendo o primeiro da América Latina. Com aproximadamente 4.000m2, o Centro foi projetado para criação, produção, desenvolvimento, intercâmbio, estudo, apresentação, documentação, memóriae difusão da dança.
Saiba mais
8,9Km - Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
207,0Km - Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
355,9Km - ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais