Carregando... aguarde
Videoarte ainda não atrai tanto público como pintura e escultura - Guia das Artes
Videoarte ainda não atrai tanto público como pintura e escultura
Videoarte ainda não atrai tanto público como pintura e escultura
Hoje, a videoarte está em todas as coleções contemporâneas de museus que se prezam
inserido em 2020-02-04 12:10:39
Conteúdo

 

Em 1974, Barbara London, uma jovem curadora do Museu de Arte Moderna de Nova York, iniciou o que provavelmente foi o primeiro programa de exposição de videoarte em qualquer museu, em qualquer lugar.

 

Pouco a pouco, London lentamente adquiriu vídeos de artistas como Bruce Nauman, Nam June Paik e Joan Jonas. O preço na época, diz, era de US$ 250 por vídeo.

“Não havia mercado no começo”, diz London em entrevista por telefone. “Essas primeiras instalações custavam quase nada e, no entanto, mesmo para um museu, com cada aquisição, o dinheiro era sempre escasso.”

Hoje, a videoarte está em todas as coleções contemporâneas de museus que se prezam, e os artistas que London exibiu pela primeira vez estão firmemente arraigados no cânone histórico da arte.

Paik, que morreu em 2006, é tema de uma grande retrospectiva no museu Tate Modern, em Londres, exibida até 9 de fevereiro; Jonas teve sua própria exposição no Tate em 2018. No ano passado, Nauman foi objeto de uma ampla pesquisa que ocupou o sexto andar do MoMA, juntamente com a totalidade do MoMA PS1, enquanto que Bill Viola, outro fundador do meio, teve uma retrospectiva na Fundação Barnes, que terminou em setembro.

“A videoarte se transformou lenta e radicalmente para abranger uma ampla gama de explorações técnicas em arte”, escreve London em seu novo livro Video Art: The First Fifty Years (Phaidon, US$ 35). O meio mudou “da periferia para o mainstream.”

E, no entanto, apesar de tudo, praticamente em todos os sentidos, a videoarte ainda tem de se igualar a outros meios: nos museus, as exposições com muitos vídeos, embora muitas vezes bem recebidas pela crítica, não conseguem atrair tanto público quanto as exposições de pinturas, desenhos ou escultura.

Das 20 exposições mais populares de 2018 listadas pelo Art Newspaper, apenas duas – o Festival Internacional de Linguagem Eletrônica, no Rio de Janeiro, e o Shadow Play de Javier Téllez, no Guggenheim em Bilbao – poderiam ser consideradas videoarte. Nenhuma das 10 principais exposições que exigiam entrada paga em Londres ou Paris continha videoarte. Duas das 10 melhores em Nova York – ambas no Whitney – tinham vídeo, mas não foram especificamente dedicadas ao meio.

O mercado tem sido igualmente reticente em abraçar a videoarte. Nauman, não exclusivamente um videoartista, possivelmente foi o mais bem-sucedido. Seu vídeo de 1987, “No, No, New Museum” foi vendido por US$ 1,6 milhão na Christie’s New York em 2016, enquanto o lote de maior sucesso de Viola em leilão foi vendido por mais de US$ 700 mil na Phillips, em Londres. Embora os valores sejam certamente uma grande soma para o cidadão médio, é uma gota no oceano em comparação com as dezenas de milhões pagos regularmente por pintura e escultura.

A videoarte também não foi abraçada pelo público em geral. Quase todo mundo no Ocidente tem telas em casa, na forma de TVs, tablets ou computadores, e, no entanto, poucas pessoas usam essas telas, mesmo que ocasionalmente, para videoarte.

Cinquenta anos depois, a questão é se a videoarte continuará sendo um meio secundário (ou terciário) ou se, com o tempo, chegará a rivalizar com seus irmãos mais estáticos. “O arco é obviamente fascinante”, diz London. “É sobre nível de conforto. Todos estão à vontade comprando um desenho, emoldurando-o e colocando-o na parede.”

 

Fonte:https://exame.abril.com.br/estilo-de-vida/videoarte-ainda-nao-atrai-tanto-publico-como-pintura-e-escultura/

Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
01/Jan
ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Sáb
17/Ago
Exposição: Sotaques Paulistanos da Bauhaus por Leonardo Finotti - A MOSTRA DESENVOLVIDA PELO FOTÓGRAFO LEONARDO FINOTTI ESTIMULA NOVOS OLHARES AO VOCABULÁRIO FORMAL DA BAUHAUS E DESTACA A PRODUÇÃO DA ARQUITETURA BRASILEIRA
Saiba mais
Dom
18/Ago
Exposição Scorzelli Megabichos - Museu reúne instalações e obras inéditas de Marcos Scorzelli
Saiba mais
Seg
14/Out
MUSEU DA CHÁCARA DO CÉU APRESENTA EXPOSIÇÃO “MUNDO”, CRIADA ESPECIALMENTE PARA O PÚBLICO INFANTO-JUVENIL - Crianças passarão por uma passagem secreta e terão acesso pela primeira vez a objetos de viagem de Castro Maya.
Saiba mais
Sáb
26/Out
Mostra ‘Sob Ataque’ volta à revolução de 1924 para abordar as bombas reais e simbólicas que contam a história do bairro dos Campos Elíseos - Exposição, idealizada pelo Coletivo Garapa, abre-se ao público dia 26 de outubro e segue em cartaz até 15 de março na Casa da Imagem.
Saiba mais
Ter
19/Nov
EXPOSIÇÃO DE CILDO MEIRELES NO RIO É PRORROGADA ATÉ 29 DE FEVEREIRO - Mostra com obras de diversos períodos da carreira do artistacontinua em cartaz na galeria Mul.ti.plo.
Saiba mais
Dom
24/Nov
SURSUM CORDA - No dia 23 de novembro de 2019, a Capela do Morumbi, unidade vinculada ao Museu da Cidade de São Paulo e à Secretaria Municipal de Cultura, abre a instalação “Sursum corda”, de Carlos Eduardo Uchôa.
Saiba mais
Sex
29/Nov
EXPOSIÇÃO PANORÂMICA SOBRE A OBRA DE ANNA BELLA GEIGER - O MASP e o Sesc estão corealizando uma exposição panorâmica sobre a obra de Anna Bella Geiger (Rio de Janeiro, 1933), que abordará diversos períodos da trajetória da artista, incluindo trabalhos desde a década de 1950 até os anos 2000.
Saiba mais