Carregando... aguarde
Verdes e Ouvirdes-2023-09-15 - Guia das Artes
"Verdes e Ouvirdes"
Evento encerrado
"Verdes e Ouvirdes"
Quando aconteceu
Sexta, 15 Setembro até Sábado, 16 Setembro
Local
Teatro do SESI São Paulo
Av. Paulista, 1313 – Sede
Conteúdo

 

Sob a direção de Norberto Presta, solo de dança será apresentado, gratuitamente, nos próximos dias 15 e 16 de setembro, às 20h, no Teatro do SESI São Paulo

As palavras têm a capacidade de dançar? Quando estão envolvidas com a bailarina e coreógrafa Jussara Miller, referência no Brasil na Técnica Klauss Vianna, elas ganham vida a partir de reflexivas coreografias. Por exemplo, em Verdes e Ouvirdes, solo de dança premiado da artista, o ponto de partida vem justamente do texto do ambientalista Ailton Krenak. O resultado será apresentado nos próximos dias 15 e 16 de setembro, às 20h, no Teatro do SESI São Paulo. Com entrada gratuita, a iniciativa é realizada com o apoio do Governo do Estado de São Paulo e da Secretaria da Cultura e Economia Criativa – Programa de Ação Cultural (ProAC 2022). 

O espetáculo, em circulação pelo país, já passou por regiões como Araras, Pirassununga, Marília e Campinas. Agora, encerra temporada com essa agenda na capital paulista. Além da performance, Jussara Miller também ministra a oficina 'A Escuta do Corpo', baseada em seu livro homônimo, em 16/09, às 14h. Para participar, basta fazer a reserva de ingressos pelo site da unidade. 

Com direção de Norberto Presta, diretor e escritor teatral ítalo-argentino, e audiovisual de Christian Laszlo, o solo Verdes e Ouvirdes, de 55 minutos, estreou em 2021 para celebrar os 30 anos de carreira da bailarina e as duas décadas do Salão do Movimento, seu espaço de dança e investigação, localizado em Campinas (SP). A primeira temporada, que foi totalmente on-line, garantiu à Jussara Miller o Prêmio de Dança Denilto Gomes na categoria Melhor Projeto.

 

“Estou muito feliz com todo o reconheci;mento e em fazer uma temporada presencial, pois a dança é uma arte da presença e a troca ao vivo com o espectador alimenta a nossa arte. As artes vivas como a dança precisam dessa troca calorosa com as pessoas presentes no encontro do teatro como uma maneira de compartilhar a arte e a vida”, destaca a bailarina. 

A inspiração do espetáculo vem do livro Ideias para adiar o fim do mundo, de Ailton Krenak, escritor, ambientalista e pesquisador, além de referência do movimento socioambiental e de defesa dos direitos indígenas no Brasil. “O solo quer ser uma dança para adiar o fim do mundo, uma última história para deter a queda do céu. Ou seja, um corpo contemporâneo que quer se reconciliar com a natureza”, destaca o diretor Norberto Presta.

E como é dançar inspirada nas palavras de Ailton Krenak? Jussara Miller reflete: “Ele traz um pensamento crítico à ideia de humanidade como algo separado da natureza. E isso se abre para um imaginário que é muito favorável para criar danças. A maneira que escreve convida as pessoas a pensarem o quanto estamos distanciados da nossa natureza humana, ficando anestesiados do sentir e do agir em consonância com o meio ambiente. As palavras de Krenak provocam uma urgência para sairmos dessa zona de conforto que o corpo urbano se encontra na rotina do dia a dia”.

Nesse sentido, Verdes e Ouvirdes busca trazer à cena, de maneira poética e política, a temática do impacto ambiental, além de denunciar o verde roubado diariamente das terras brasileiras. “De acordo com a organização International Global Forest Watch, de 2018 a 2019, o Brasil esteve entre os cinco países no mundo que mais perderam florestas primárias, as nossas matas virgens, resultando num impacto ambiental sem precedentes”, destaca a bailarina.

Para dar cores e movimentos ao solo, Jussara Miller se fundamenta na Técnica Klauss Vianna de dança contemporânea em diálogo com a fotografia. Por sinal, marca primordial da estética da bailarina. “Trata-se de uma abordagem multimídia que apresenta imagens fotográficas em movimento projetadas na tela e no corpo, revelando a interface entre dança e audiovisual. O solo evidencia a natureza humana indissociável da natureza ambiental, confirmando que a dança pode carregar significados que despertem um olhar sensível e crítico”, afirma Jussara.

Mais do que dançar a sustentabilidade do meio ambiente, Jussara Miller deseja plantar uma semente de criticidade e esperança em cada espectador. “Esse trabalho busca apresentar a arte como defensora da vida e quer entender como a luta ambiental pode aparecer poeticamente por meio da dança, utilizando-se da inventividade para criar possibilidades de diálogos, de trocas e de ações éticas, estéticas, poéticas e políticas de maneira crítica e criativa”, conclui.

SOBRE A OFICINA

Ministrada pela coreógrafa Jussara Miller, a oficina gratuita 'A Escuta do Corpo'
está direcionada a bailarinos, atores e pessoas interessadas na pesquisa do
movimento, a partir dos 15 anos, e sem obrigatoriedade de ter experiência prévia em
dança. Na Sala de Ensaio do SESI São Paulo, a ação será realizada no sábado, dia 16/09, às 14h. Para participar, basta fazer a reserva de ingressos pelo site da unidade.

Durante o encontro prático de duas horas, "será trabalhado a improvisação em
dança com enfoque na escuta do corpo, contextualizando o corpo presente a partir
do referencial somático com a prática da Técnica Klauss Vianna”, conta Jussara.

 

Saiba mais: https://www.sesisp.org.br/evento/f8730b5f-4f8a-41a6-af05-e5d0f554754e/a-%20escuta-do-corpo

 

SOBRE JUSSARA MILLER

Com mais de 30 anos dedicados à dança, Jussara Miller é bailarina, coreógrafa,  preparadora corporal e doutora em Artes (Dança) pela Unicamp. Compõe o corpo docente do Curso de Graduação em Dança da Unicamp e da Pós-Graduação em Técnica Klauss Vianna da PUC-SP, além de ser diretora e professora do Salão do Movimento, em Campinas(SP).

A partir da intensa pesquisa da compreensão do movimento, assinou dois livros: A Escuta do Corpo (Summus, 2ª ed, 2007) e Qual é o corpo que dança? (Summus, 2012). Ao longo da carreira, recebeu diversos prêmios, com destaque ao Prêmio de Dança Denilto Gomes 2021 pelo projeto Verdes e Ouvirdes, ao Prêmio de Dança Denilto Gomes 2018 por sua Trajetória na Dança e ao Prêmio de Dança Denilto Gomes 2015 pela coreografia do solo Nada Pode Tudo.

 

FICHA TÉCNICA

Concepção, coreografia e dança: Jussara Miller
Direção, dramaturgia e cenografia: Norberto Presta
Fotografia, audiovisual e trilha sonora: Christian Laszlo
Assistência coreográfica: Cora Laszlo
Iluminação: Eduardo Albergaria
Figurino: Warner Júnior
Arte gráfica: Elis Laszlo
Projeto cenotécnico: Christian Laszlo
Fotos de divulgação: Ana Laura Cintra
Registro em vídeo: Isabela Moura e Lucas Reitano
Assessoria de Imprensa: Yasmim Bianco
Marketing Digital: Matheus Serra
Produção Executiva: Wannyse Zivko (Arte & Efeito)
Produção Geral: Salão do Movimento
Classificação: 14 anos
Duração: 50 minutos

Serviço:

Verdes e Ouvirdes, de Jussara Miller, no Teatro do SESI São Paulo
Quando: 15 e 16/09, sexta-feira e sábado, respectivamente, às 20h
Onde:    Av. Paulista, 1313 – Sede
Quanto: Entrada Gratuita
Reserva de ingressos: https://www.sesisp.org.br/evento/7b29ccbf-a53f-415e-9f7b-61e28081065e/verdes-e-ouvirdes
Informações: salaodomovimento.art.br ou @jussara.miller

* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "São Paulo"
"Tempos Fraturados" - MAC-USP completa 60 anos com nova exposição
Saiba mais
Alma da Rua I -
Saiba mais
Alma da Rua I -
Saiba mais
Araetá – A Literatura dos Povos Originários - Exposição Araetá: A Literatura dos Povos Originários traça panorama sobre a produção literária de autores indígenas
Saiba mais
Arte Infinita - Nascida em uma família de colecionadores, cuja mãe manteve durante 25 anos uma galeria dedicada a incentivar a escultura, Viviane Teperman inaugurou em 2001 a Arte Infinita Galeria.
Saiba mais
Casa Amarela Leilões de Arte - Casa Amarela Leilões de Arte" atuando no mercado de arte de São Paulo desde 1989 e no Distrito Federal desde 1994, especializada em leilões de arte e residenciais.
Saiba mais
DemocrArt -
Saiba mais
Galeria Cia Paulista -
Saiba mais
Galeria Leme - Desde a sua abertura em novembro de 2004, a Galeria Leme apresenta um programa inovador na cena da arte Brasileira, representando artistas brasileiros e internacionais, frequentemente convidados a criar e produzir novos e ambiciosos projetos no prédio de
Saiba mais
Galeria Luisa Strina - A história da Galeria Luisa Strina, a mais antiga galeria de arte contemporânea de São Paulo, se mistura com a trajetória profissional de Luisa Strina.
Saiba mais
Galeria Millan - Quando de sua fundação, em 1986, a Galeria Millan buscava apresentar relações entre a produção dos artistas contemporâneos que representava e os artistas modernos que influenciaram sua formação.
Saiba mais
Galeria Vermelho - Após treze anos de existência, a Vermelho estabeleceu-se como uma alternativa à rigidez dos espaços comerciais dedicados à arte, ao incentivar novas ideias e discursos desenvolvidos por artistas emergentes e já estabelecidos.
Saiba mais
Lordello Escritório de Arte - 2024-02-27 -
Saiba mais
Luciana Brito Galeria - Quinze anos depois de inovar a cena artística paulistana com seu espaço na Vila Olímpia – um dos primeiros a ser projetado por um escritório de arquitetura já tendo em vista as necessidades de uma galeria de arte contemporânea –, a Luciana Brito Galeria s
Saiba mais
Mulheres por Mulheres -
Saiba mais
Von Brusky Escritório de Arte -
Saiba mais