Carregando... aguarde
Obra de arte feminista é destruída 12h depois de pronta em Goiânia - Guia das Artes
Obra de arte feminista é destruída 12h depois de pronta em Goiânia
Obra de arte feminista é destruída 12h depois de pronta em Goiânia
inserido em 2022-07-22 18:21:04
Conteúdo

 

Artista convidada para festival de arte de rua teve a obra vandalizada na região da vagina: "Significativo e muito violento"

Convidada para participar de um festival internacional de arte de rua em Goiás, a paranaense Bruna Alcântara, de 33 anos, uma das poucas mulheres participantes, teve a sua obra vandalizada no Centro da capital goiana em menos de 12 horas depois de pronta.

A situação chamou a atenção e gerou revolta nas redes sociais, por se tratar de uma obra com conotação feminista. “A sociedade não está preparada para lidar com a liberdade dos nossos corpos”, expressou a artista em um manifesto na internet, após o ocorrido.

Focada em criar trabalhos que abordam a condição feminina e a maternidade, aliando fotografia e bordado, Bruna escolheu uma tradicional esquina do Centro da cidade para colar a imagem de um autorretrato dela amamentando o filho, um registro feito há mais de sete anos em Portugal.

Crédito: Vinícius Schmidt - Metrópolis

 

A foto em preto e branco contrastava com o bordado colorido na região da vagina. Ela foi colada no horário do almoço, na terça-feira (19/7). “De noite, perto das 20h, abrimos uma exposição na Vila Cultural Cora Coralina e uma menina chegou contando que estavam tirando, mas eu não sei quem foi”, relatou a artista ao Metrópoles.

O único local rasgado e retirado da imagem, por mais que se tratasse de uma reprodução em forma de bordado, foi a vagina. “Uma vagina incomoda muita gente”, escreveu Bruna no texto publicado em suas redes sociais. Já de volta a Curitiba (PR), ela enfatiza que “terem tirado apenas a representação da vagina é muito significativo. É violento!”.

A obra, segundo Bruna, fala sobre “a dor e a delícia de ser mãe e sobre a condição de mulher santificada” que a sociedade coloca a mulher, quando ela se torna mãe. A mesma imagem já foi exposta em Portugal, São Paulo e Curitiba. “Nunca havia tido uma repercussão negativa como em Goiânia”, afirma.

Reflexão sobre o machismo

O simbolismo desse episódio tem servido de gatilho para reflexões sobre a sociedade machista e patriarcal. A artista expôs que, ao chegar em Goiânia, se encantou com a frequência de arte pelas ruas da cidade, mas logo percebeu as “panelas artísticas” e o “ambiente extremamente machista”.

“O primeiro susto foi o festival que fez o Beco da Codorna – 180 artistas homens e apenas quatro mulheres. Vocês, homens produtores e artistas, se envergonham disso?”, questionou.

Bruna recebeu o apoio de mulheres, ativistas, pessoas públicas e artistas da cidade, mas não deixou de citar os números de violência contra a mulher em Goiás. Segundo ela, os dados comprovam o “cala boca goiano”.

Feminicídio: crime violento que mais cresce em GO

O feminicídio é o crime violento que mais cresceu, proporcionalmente, em Goiás, entre 2018 e 2021 – um aumento de 50%, conforme os dados da Secretaria de Segurança Pública (SSPGO).

Em 2018, 36 mulheres foram assassinadas no estado em situações que se enquadram como feminicídio. Em 2019, foram 40 casos, depois 44 em 2020 e, no ano passado, atingiu o pico de 54 vítimas.

Todo esse contexto reflete nas esferas de representação. Na Câmara Municipal de Goiânia, por exemplo, de 37 vereadores, apenas cinco são mulheres.

A artista lamentou o episódio vivenciado na cidade, mas garante que seguirá com sua arte. “É minha alma, minha causa. A libertação dos corpos femininos e a igualdade de gênero ainda têm muito trabalho pela frente. Não será meia dúzia de reacionários que vão nos calar”, diz ela.

 

Fonte: Metrópolis

Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Sáb
04/Dez
"Abdias Nascimento, Tunga e o Museu de Arte Negra" -
Saiba mais
Sáb
22/Jan
“Modernismo. Destaques do acervo“ - Pinacoteca celebra os 100 anos da Semana de Arte Moderna com nova exposição
Saiba mais
Sex
25/Mar
‘Espuma Delirante’ de Rafael Silveira, com curadoria de Baixo Ribeiro -
Saiba mais
Qui
02/Jun
“DESENHOS. geometria imperfeita / cavidades dilatadas” -
Saiba mais
Sex
03/Jun
Ivan Serpa & Amigos - Rio de Janeiro ganha nova galeria de arte em Copacabana
Saiba mais
Qua
29/Jun
Portinari Raros -
Saiba mais
Ter
05/Jul
Do Mar ao Tempo - uma coletânea do azul - Tartaglia Arte apresenta "Do Mar ao Tempo - uma coletânea do azul", individual de Mary Dutra, no Museu Naval, RJ
Saiba mais
Qui
14/Jul
"Sobre pássaros, sinapses e ervas energéticas"- Artista catarinense que costura fatos e fábulas, traz retrospectiva de sua trajetória às paredes do Museu de Arte de Santa Catarina a partir desta quinta-feira (14).
Saiba mais