Carregando... aguarde
O bloqueio impulsiona o boom digital nos museus franceses - mas onde está o modelo de negócios? - Guia das Artes
O bloqueio impulsiona o boom digital nos museus franceses - mas onde está o modelo de negócios?
O bloqueio impulsiona o boom digital nos museus franceses - mas onde está o modelo de negócios?
Podcasts, canais de mídia social e exposições virtuais estão passando por um tráfego sem precedentes, mas não compensam a perda de receita.
inserido em 2020-04-30 19:03:28
Conteúdo

 

Pequenos museus franceses receberam nesta semana uma luz verde do governo para reabrir suas portas a partir de 11 de maio, dois meses após o fechamento.

Mas se o bloqueio os afastou do público fisicamente, forçou muitas instituições a aumentar sua presença digital, com algumas mergulhando nas mídias sociais pela primeira vez.

O Centre Pompidou em Paris, como outros grandes museus, permanecerá fechado até pelo menos 2 de junho. Enquanto isso, ele transformou seu site em uma plataforma de conteúdo densa enquanto um novo design está em desenvolvimento. "Como não vendemos ingressos, esperávamos que o número de visitantes online caísse, mas isso só aumentou", diz o chefe do departamento de comunicação e digital do museu, Agnès Benayer.

Os podcasts da Pompidou em francês e inglês tiveram oito vezes mais audições desde o início do fechamento, atingindo um pico de 35.000 em uma semana. O tráfego para o canal do YouTube aumentou 60%, com 12.300 inscritos. E na semana passada, o museu lançou o Prisme7, um videogame gratuito com 40 obras de sua coleção de arte moderna e contemporânea.

A rede de 14 museus municipais de Paris Musées, do Petit Palais à antiga casa de Honoré de Balzac, optou pela interatividade. Graças a testes, desafios de compartilhamento de fotos e outros "eventos" digitais em seus canais de mídia social, seus seguidores cresceram consideravelmente, um aumento de 33% no Twitter e mais de 150% no Facebook.

 O Museu Marmottan-Monet, que não possuía conta no Instagram até o ano passado, atingiu quase 8.000 seguidores, impulsionado por uma série de entrevistas em vídeo com a diretora do museu, Marianne Mathieu. 

O boom digital vai além de Paris e de suas principais instituições. O diretor do Museu Paul Valéry, em Sète, criou um canal no YouTube há quatro semanas; o primeiro vídeo publicado atingiu 1.200 visualizações em um dia.

 Os museus de Allier, na região de Auvergne, dobraram a frequência de suas postagens no Facebook usando a hashtag #culturecheznous (cultura em casa), lançada pelo ministério da cultura francês. Em vez de substituir a experiência de visitar um museu, o objetivo é “fazer com que as pessoas queiram vir assim que reabrirmos”, diz a gerente de comunicações Delphine Desmard.

 Um museu francês experimentou níveis de atendimento disparados durante o bloqueio. O Museu Universal de Arte (UMA), uma startup lançada em 2017, é considerado o primeiro museu virtual do mundo, com exposições on-line gratuitas, incluindo Leonardo da Vinci, arte de rua e gatos na história da arte. Com até 20.000 visitantes únicos por dia desde meados de março, ele pode se tornar um dos 20 museus mais visitados da França em janeiro de 2021, de acordo com seu executivo-chefe, Jean Vergès.

 Ao contrário do site Google Arts & Culture, que hospeda imagens de alta resolução de obras de museus parceiros e passeios de 360 graus do Street View de seus edifícios, cada exposição UMA é um espaço 3D simulado projetado com a ajuda de arquitetos e curadores. Um programa futuro, do Renascimento ao início do século XX, envolve cerca de 60 parceiros de museus franceses - o número mais alto até agora.

 Embora as exposições da UMA tenham acesso gratuito, os custos de produção são cobertos mediante a cobrança de taxas às instituições parceiras. As organizações interessadas em hospedar experiências de RV, como hospitais e shopping centers, também pagam para acessar o banco de dados UMA.

 Para museus convencionais, no entanto, não existe um modelo de negócios para expansão digital que compensaria a perda de visitantes pagantes. A cobrança por conteúdo online não é uma opção no momento. “Nossa missão é tornar a arte o mais acessível possível, adotar e adaptar às ferramentas digitais”, diz Agnès Benayer, da Pompidou. "Talvez seja a hora de pensarmos em virtual e in situ juntos e não mais em oposição".

 

Fonte:https://www.theartnewspaper.com/news/lockdown-drives-digital-boom-at-french-museums

Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
01/Jan
ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Qui
08/Out
Exposição 12/4 - Exposição 12/4 reúne fotógrafos brasileiros e portugueses em Cascais
Saiba mais
Qui
15/Out
OSGEMEOS: Segredos - Abre ao público hoje, a esperadíssima exposição de Os gêmeos na Pinacoteca de São Paulo.
Saiba mais
Sáb
24/Out
Exposição Tobias Marcier na coleção Maria Helena e Ney Mendes de Moraes - A Galeria Evandro Carneiro Arte, na Gávea, de 24 de outubro a 28 de novembro a Exposição Tobias Marcier na coleção Maria Helena e Ney Mendes de Moraes.
Saiba mais