Carregando... aguarde
Enquanto o mundo luta com a Covid, o World Monuments Fund faz uma aposta no turismo sustentável. - Guia das Artes
Enquanto o mundo luta com a Covid, o World Monuments Fund faz uma aposta no turismo sustentável.
Enquanto o mundo luta com a Covid, o World Monuments Fund faz uma aposta no turismo sustentável.
Aprendendo como a pandemia dispersou as multidões, a organização seleciona sete locais para preservação e promoção.
inserido em 2020-09-22 14:11:19
Conteúdo

 

Pode parecer contra-intuitivo, visto que a pandemia de Covid-19 acabou com o turismo internacional em muitos locais de herança anteriormente populares.

Mas o World Monuments Fund (WMF) acredita que chegou o momento de defender o turismo sustentável. Com esse objetivo em mente, anunciou hoje US $ 1 milhão em financiamento para apoiar o trabalho de preservação em sete locais culturais que foram incluídos em sua lista 2020 World Monuments Watch de 25 lugares ameaçados.

O dinheiro, disponibilizado pela American Express, que aderiu ao edital, vai apoiar projetos nos locais que reforcem o turismo local e regional, aumentem a consciencialização sobre o património esquecido e combatam o deslocamento das comunidades locais.

Bénédicte de Montlaur, presidente-executivo da WMF, disse que o desaparecimento de hordas de turistas de locais históricos após a epidemia afetou uma realidade fundamental: que as antigas multidões eram insustentáveis e destrutivas. “Não queremos que o turismo reinicie da mesma forma”, diz ela. “Estamos tentando não voltar à experiência de antes.”

No futuro, isso significa mais ênfase em atrair residentes locais e regionais para locais de patrimônio e em parceria com eles para garantir que os locais beneficiem a comunidade. Em muitos casos, o desenvolvimento associado ao turismo internacional funcionou no passado em detrimento dos habitantes locais, em vez de promover o seu bem-estar, observa de Montlaur.
Os sete locais escolhidos são:

⦁ Parque Nacional Rapa Nui, Ilha de Páscoa, Chile
⦁ Casa de banhos Inari-Yu, Tóquio
⦁ Viaduto Bennerley, Nottinghamshire e Derbyshire, Reino Unido
⦁ Distrito histórico de Aguirre, Salinas, Porto Rico
⦁ Canal Nacional, Cidade do México
⦁ Casas Pátio de Axerquía, Córdoba, Espanha
⦁ Koutammakou, Benin e Togo


No Parque Nacional Rapa Nui, a WMF trabalhará com a Comunidade Indígena Ma'u Henua, que supervisiona o parque, para desenvolver uma solução técnica para preservar esculturas únicas de ancestrais em rochas de basalto que agora estão ameaçadas pela exposição e a fraqueza inerente da Rocha. “Normalmente, já teríamos começado, mas temos que esperar a situação da Covid para nos permitir trabalhar”, diz de Montlaur, observando a gravidade da pandemia na América Latina. A esperança é enviar uma equipe de engenheiros até o final do ano.

The Mata Ngarahu sector in the ceremonial village of Orongo in Rapa Nui National Park on Easter Island in ChileThe Mata Ngarahu sector in the ceremonial village of Orongo in Rapa Nui National Park on Easter Island in Chile - Ma'u Henua

O planejamento já começou para transformar uma estrutura anexa ao Balneário Inari-yu em Tóquio em um espaço de encontro informal para os idosos do bairro. “Apenas um quinto das casas de banho que existiam em Tóquio em meados do século 20 sobreviveram”, diz de Montlaur. “As pessoas não vão mais para eles. Queremos preservar um exemplo deste tipo de arquitetura e espaço público, mas também encontrar outro uso para eles para que permaneçam relevantes para a população local. ”

The Inari-yu bathhouse in TokyoThe Inari-yu bathhouse in Tokyo - Haruka Kuryu


Os reparos estruturais no Viaduto Bennerley em Nottingham e Derbyshire, construído em 1877 para transportar uma linha férrea, mas fora de uso desde 1968, começaram em julho. É um dos dois únicos viadutos de ferro forjado que sobreviveram no Reino Unido. Os apelos para sua demolição encontraram resistência local, e agora está em andamento uma mudança não apenas para atualizá-lo, mas incorporar um projeto de história oral, um programa educacional e uma trilha para bicicletas. O projeto faz parte de uma campanha nacional para transformar as rotas ferroviárias abandonadas em destinos de exercícios que promovem a saúde e as conexões sociais.

No Distrito Histórico de Aguirre Central, uma antiga cidade açucareira em Salinas, Porto Rico, casas de madeira distintas com telhados ondulados sofreram danos em dois furacões em 2017. De acordo com de Montlaur, o plano é restaurar algumas delas para que possam servir como casos de estudo para uma nova escola de campo hospedada pela WMF e funcionários de preservação porto-riquenhos que fornecerão instrução em métodos tradicionais de construção de madeira. “A ideia é que o concreto substituiu cada vez mais a madeira e o conhecimento local se perdeu”, diz ela. “Casas de madeira são mais sustentáveis do que casas de concreto, com certeza.” O projeto incorpora grandes casas construídas para administradores americanos e casas mais modestas para trabalhadores.

O Canal Nacional na Cidade do México, por sua vez, é principalmente um projeto social que une os residentes que protegeram a hidrovia, que já foi parte de uma ampla rede de canais construída há mais de 2.000 anos e que gradualmente desapareceu no século 20 com o desenvolvimento da cidade. O WMF coordenará programas culturais e workshops comunitários para celebrar a comunidade que sustentou o canal, que oferece um refúgio para pássaros e plantas em uma cidade congestionada.

As casas com pátio de Axerquía em Córdoba, Espanha, são um exemplo perfeito das consequências do turismo descontrolado. Em um golpe na vida da comunidade, os moradores estão deixando o centro histórico de Córdoba para fugir das multidões, que se reúnem para uma Fiesta de los Patios anual, e encontrar uma vida mais barata e agradável em outro lugar, diz a WMF. “Não temos as respostas agora”, diz de Montlaur. A organização planeja realizar workshops e palestras sobre o futuro do bairro histórico, incluindo formas de fomentar um turismo mais sustentável.

The courtyard houses of Axerquía in Córdoba, SpainThe courtyard houses of Axerquía in Córdoba, Spain - Gaia Redaelli


Finalmente, a WMF espera enviar uma equipe até o final do ano para a região montanhosa de savana conhecida como Koutammakou, que fica na fronteira de Benin e Togo, para encontrar uma maneira de preservar sua tradição de barro. Essa prática de construção “realmente incrível”, diz de Montlaur, é um exemplo perfeito de “patrimônio sub-representado”, o que significa que foi amplamente esquecido.

A forma tradicional de construção do povo nativo de Batammariba é a takienta, um aglomerado de estruturas de barro unidas por uma parede de barro que exigem manutenção considerável. Agora alguns Batammariba estão partindo para as cidades em busca de empregos. O WMF se comprometerá a documentar as práticas de construção locais e se envolver em conversas sobre como promover os meios de subsistência locais.

Em cada caso, a esperança é que os turistas sejam eventualmente atraídos de forma sustentável, sem prejudicar os locais ou as comunidades locais. “A Covid-19 tornou o turismo sustentável um tema muito óbvio”, diz de Montlaur, apontando para lugares como Veneza, que foram livres de massas sufocantes de pessoas depois que a pandemia atingiu. “Não é uma escolha entre não turismo e grandes multidões de turistas - queremos explorar de uma nova maneira e tentar inovar.”

 

fonte: https://www.theartnewspaper.com/news/as-the-world-contends-with-covid-wmf-makes-a-bet-on-sustainable-tourism

Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
01/Jan
ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Qui
08/Out
Exposição 12/4 - Exposição 12/4 reúne fotógrafos brasileiros e portugueses em Cascais
Saiba mais
Qui
15/Out
OSGEMEOS: Segredos - Abre ao público hoje, a esperadíssima exposição de Os gêmeos na Pinacoteca de São Paulo.
Saiba mais
Sáb
24/Out
Exposição Tobias Marcier na coleção Maria Helena e Ney Mendes de Moraes - A Galeria Evandro Carneiro Arte, na Gávea, de 24 de outubro a 28 de novembro a Exposição Tobias Marcier na coleção Maria Helena e Ney Mendes de Moraes.
Saiba mais