Carregando... aguarde
Adolfo de Alvim Menge - Guia das Artes
Adolfo de Alvim Menge
Informações
Nome:
Adolfo de Alvim Menge
Nasceu:
Niterói, RJ (31/03/1880)
Faleceu:
Rio de Janeiro, RJ (01/02/1962)
Biografia

Desenhista, pintor, escritor e diplomata. Estuda pintura com Max Kuchel e Barbasan Lagueruela em Roma (Itália) e na Escola Nacional de Belas Artes no Rio de Janeiro. Entre 1917 e 1919 reside em Roma, onde atua na carreira diplomática. De volta ao país, mora no Rio de Janeiro, onde publica os livros Fragmentos Históricos (1936) e Terras Longínquas e Fatos Remotos (1940); e colabora com crônicas na seção literária do Jornal do Comércio (de 1940 a 1951). 

Dentre as exposições de que participa, destacam-se: Exposição Geral de Belas-Artes (premiado), Rio de Janeiro, várias edições entre 1907 e 1929; Salão da Sociedade Nacional de Belas-Artes, Lisboa, Portugal, 1917 (Segunda Medalha); Mostra Comemorativa do Centenário da Independência, na Escola Nacional de Belas-Artes, Rio de Janeiro, 1922.

Postumamente, suas obras figuram nas mostras: Retrospectiva no MNBA, Rio de Janeiro,1981; O Rio é Lindo: A Paisagem Carioca no Acervo do Banerj, na Galeria de Arte Banerj, 1985; Visões do Rio, MAM/RJ, 1996.

Cronologia

Praticou temas históricos, para depois se dedicar à paisagem, com influências impressionistas. Oriundo de família de recursos, frequentou no Rio de Janeiro a Escola Nacional de Belas Artes, viajando depois para Hamburgo, Alemanha, onde estudou na universidade local. 1905 – 12 – Morou em Roma, onde foi se aperfeiçoar com Barbasan Lagueruela e Max Kuchel. Viajou por outros países da Europa. Entre 1907 e 09 produziu telas de inspiração europeia, que mandou para a Exposição Geral de Belas Artes, no Rio de Janeiro. 1914 – De volta ao Brasil, expôs no mesmo certame quadros com temas nacionais. 1917 – 19 – Tendo abraçado a carreira diplomática, foi adido na Embaixada Brasileira, em Roma. Chamado a administrar os bens da família, instalou-se no Rio de Janeiro, numa mansão do Outeiro da Glória, atividade que prejudicou sua produção artística. 1936 - Publicou o livro Fragmentos históricos. 1940 – Publicou Terras Longínquas e fatos remotos. 1940 – 51 – Escreveu para o Jornal do Comércio, do Rio de Janeiro. 1956 – 58 – Pertenceu à Imperial Irmandade de Nossa Senhora da Glória do Outeiro, na mesma cidade. 1981 – O Museu Nacional de Belas Artes do Rio de Janeiro organizou uma retrospectiva, que incluiu trabalhos que estavam guardados pela família, e que revelou um pintor dedicado às cenas de ar livre, de colorido sensível. A Galeria de Arte do Banerj, na mesma cidade, realizou uma mostra ampla de Adolfo, no ano seguinte.

Sua presença na Exposição Geral de Belas Artes foi assídua e diversas vezes premiada: 1900, 07, 08, 09, 11, 13, 14, 17, 19, 22, 27, 28, 29 e 33. Em 1917 expôs no Salão da Sociedade Nacional de Belas Artes, em Lisboa, recebendo a 2ª Medalha. 1944 – Integrou, no Museu Nacional de Belas Artes, o 50º - Salão da Sociedade Nacional de Belas Artes.

Outras imagens
Colaboradores com informações sobre este artista

ALVIM Menge: 1880-1962. Banco do Estado do Rio de Janeiro, 1982. BRAGA, Theodoro. Artistas pintores no Brasil. São Paulo Editora, 1942. CAVALCANTI e Ayala. Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos. MEC/INL, 1973-77. DUQUE-ESTRADA, Luis Gonzaga. A arte brasileira: pintura e esculptura. H. Lombaerts & C. Rio de Janeiro, 1888. FREIRE, Laudelino. Um século de pintura no Brasil. Fontana. Rio de Janeiro, 1983. LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário Crítico da Pintura no Brasil. p. 323. Artlivre, Rio de Janeiro, 1988. PONTUAL, Roberto. Dicionário das artes plásticas no Brasil. Civilização Brasileira. Rio de Janeiro, 1969. RUBENS, Carlos. Pequena história das artes plásticas no Brasil. Ed. Nacional, São Paulo, 1941. < http://www.pitoresco.com.br/laudelino/menge/adolfo.htm>

Colabore conosco
Você tem informações sobre este artista ou acredita que algum dos tópicos do conteúdo está errado?
clique aqui e colabore conosco enviando sua sugestão, correção ou comentários.
Nome
Email
Mensagem
Enviar