Carregando... aguarde
3 Congresso Brasileiro da Cultura -2023-08-24 - Guia das Artes
3º Congresso Brasileiro da Cultura
Evento encerrado
3º Congresso Brasileiro da Cultura
Quando aconteceu
Quinta, 24 Agosto até Sábado, 26 Agosto
Local
Museu de Arte do Rio (MAR)
Praça Mauá, 5 - Centro
Conteúdo

 

A programação que será realizada no Museu de Arte do Rio (mar) tem início na próxima quinta-feira (24) com o tema “A CULTURA COMO VETOR ECONÔMICO, EMPREGO E RENDA” 

 

                Será realizado entre os dias 24, 25 e 26 de agosto (quinta-feira, sexta-feira e sábado), o 3º Congresso Brasileiro da Cultura, que vai discutir as perspectivas em torno da integração do setor, que movimenta artistas, produtores e representantes do poder público nas esferas municipal, estadual e federal, pensando o futuro da cadeia produtiva da cultura no país. A programação será realizada no Museu de Arte do Rio (MAR), localizado na Praça Mauá, no Centro.  Com o tema “A CULTURA COMO VETOR ECONÔMICO, EMPREGO E RENDA”, a programação tem entrada gratuita mediante retirada de ingressos e as últimas vagas estão disponibilizadas no Sympla.  

Dentre os nomes confirmados para os painéis de debate e reflexões sobre o assunto estão a  Diretora de Música da Funarte, Eulícia Esteves, o Coordenador de Relações Institucionais da Secretaria Municipal de Cultura do Rio, Douglas Resende, o Diretor de Investimentos Internacionais e representante da RioFilme, Maurício Hirata, além do Coordenador do Escritório Estadual do Ministério da Cultura no Rio, Edu Nascimento, a Diretora Executiva do MAR, Sandra Sérgio, a Reitora da UVA, Maria Beatriz Balena Duarte, a Coordenadora do Núcleo de Apoio à Produção Cultural (NAPROCULT) da UFRJ, Marize Figueira e representantes de outras localidades como Thayse Christo, Conselheira Estadual de Cultura do Paraná e Júlia Sobreira, Secretária Municipal de Turismo e Cultura de São Gonçalo.

                Mais de 10 bilhões de reais. Este é o orçamento do Ministério da Cultura para o ano de 2023, um recorde. Este investimento, somado ao das secretarias estaduais e municipais, além dos recursos empregados pela esfera privada, revelam como a cultura é um setor de suma importância para o país, que além de símbolo de nossa identidade, gera emprego e renda, e mais que isso: pode (e deve) ser encarada como uma ferramenta de ascensão social e econômica.

 

                Segundo dados do Observatório Itaú Cultural, a economia da cultura e as indústrias criativas do Brasil movimentaram 230,14 bilhões de reais em 2020, o equivalente a 3,11% do Produto Interno Bruto Brasileiro (superando números, inclusive, da indústria automobilística). Por sua vez, o Sistema de Informações e Indicadores Culturais (SIIC) 2009-2020, afirma que o setor cultural brasileiro emprega cerca de 5 milhões de pessoas. Esta pesquisa, organizada pelo IBGE, ainda demonstra que o grau médio de escolaridade dos profissionais da cultura é maior que o observado entre os trabalhadores em geral (30,9% possuem nível superior, contra 22,6% da média geral), porém, isto não se traduz em melhores condições de serviço ou em remunerações adequadas, já que a média salarial dos fazedores da cultura era de apenas R$ 2.478,00 em 2020, um setor em que boa parte dos seus artífices trabalham na informalidade. Estes números servem para fomentar uma discussão sobre como a riqueza produzida pela cultura pode ser melhor distribuída em sua cadeia produtiva.

 

                Diante deste enorme desafio, o 3º Congresso Brasileiro da Cultura se propõe a intermediar as oportunidades de investimento e os projetos em fase de captação, estabelecendo uma rede entre os fazedores de cultura e os representantes das empresas e órgãos governamentais incentivadores, que terão a oportunidade de apresentar seus editais (de fomento direto e indireto), sanarem as dúvidas dos interessados e oferecerem todo o suporte necessário.

 

                Serão três dias de intensas atividades, que vão desde o estímulo à formação de novos produtores culturais (através de workshops e oficinas) ao debate franco entre artistas, incentivadores e representantes do poder público, que poderão também conhecer, em uma feira expositora, os projetos culturais aprovados para captação de recursos e seus propensos patrocinadores. Além disso, intervenções artísticas, apresentações musicais, esquetes, batalhas de slam e um campeonato de passinho completam a programação.

 

                “A força da cultura como vetor econômico é inegável, mas pra isso devemos trabalhar juntos, numa integração a nível nacional, que defenda o setor e a cultura brasileira como identidade do nosso povo e da nossa nação, valorizando toda a riqueza e diversidade dessas expressões, que fazem do Brasil uma das mais ricas culturas do planeta”, aponta José Carlos Vieira Jr, diretor presidente do Congresso.

 

                O diretor do Centro Universitário IBMR, Vinícius Costa, enfatizou a relevância do Congresso para a comunidade acadêmica e cultural. "Estamos muito entusiasmados em patrocinar o 3º Congresso Brasileiro de Cultura. Acreditamos que a educação desempenha um papel fundamental nesse contexto, ao capacitar indivíduos com habilidades e conhecimentos necessários para contribuir ativamente no desenvolvimento cultural e socioeconômico de suas comunidades. E que eventos como esse são essenciais para fortalecer a valorização da cultura brasileira e promover o intercâmbio de conhecimento entre diferentes áreas do saber ", diz.

               

Vão compor os debates, workshops e oficinas do evento uma série de profissionais gabaritados que vão destrinchar temas atuais que visam a capacitação dos produtores culturais, o networking entre players do mercado e o estímulo à geração de renda no setor.

 

O Congresso Brasileiro da Cultura

Criado em 2020, no auge da pandemia da Covid-19, o Congresso Brasileiro da Cultura teve como tema principal de sua primeira edição o futuro do setor diante da emergência global. Através de oito lives temáticas, realizadas às quintas-feiras do mês de agosto e transmitidas pelo canal no YouTube do Congresso, foram reunidos artistas, produtores, associações, incentivadores, representantes das esferas públicas e privadas, visando uma integração entre todo o mercado, debatendo sobre os desafios e propondo soluções. Das linhas de incentivo, públicas ou privadas, às ações inventivas de produtores e artistas, tanto para o período de isolamento quanto para o cenário ainda incerto de reabertura. Entre os 36 debatedores participantes, das diversas regiões do país, estavam, entre outros: Jandira Feghali (Deputada Federal e Relatora da Lei Aldir Blanc), Danielle Barros (Secretária Estadual de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro), Sérgio Sá Leitão (Secretário de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo), Ana Paula Vilaça (Secretária de Turismo, Esportes e Lazer do Recife), Marcelo Greuel (Secretário de Turismo e Lazer e Presidente do Parque Vila Gêrmânica, em Blumenal), Mauro Sousa (Maurício de Souza Produções), Eduardo Saron (Diretor do Itaú Cultural), Antenor José de Oliveira Neto (Gestor Cultural da Firjan - Rede de Teatros Sesi), Cesar Miranda Ribeiro (Diretor Presidente da RioFilme), Tarcisio Zanon e Marcus Ferreira (Carnavalescos da G.R.E.S. Unidos do Viradouro), Jender Lobato (Presidente do Boi Caprichoso) e Hamilton Tatu (Presidente Nacional CONAQJ - Conf. das Quadrilhas Juninas do Brasil).

 

O 2º Congresso Brasileiro da Cultura, realizado nos dias 15 e 16 de dezembro de 2022, ocorreu, pela primeira vez, no formato híbrido, presencialmente no Centro Cultural Municipal Parque das Ruínas, em Santa Teresa (RJ), e transmitido para todo Brasil pelo canal no YouTube do Congresso. Nesta segunda edição do evento, realizada pouco depois das eleições, foram abordadas as perspectivas e propostas do setor cultural para os novos governos, estaduais e federal, a contribuição da Cultura nos demais setores econômicos e sociais, o papel das empresas no incentivo ao setor e as oportunidades internacionais de diálogo com o Brasil. Além dos debates, foram realizados workshops sobre leis de incentivo municipais (ISS e IPTU), estadual (ICMS) e federal (Rouanet), além de uma feira expositora reunindo produtores culturais e seus projetos aprovados para captação. Entre os debatedores estiveram presentes, entre outros: Aline Torres (Secretária Municipal de Cultura da Cidade de São Paulo), Renata Codagan (Comissão Carioca da Promoção Cultural - CCPC), Robson Camilo (Diretor de Projetos e Eventos da Riotur), Rafaela Bastos (Presidente do Instituto Fundação João Goulart), Laura de Almeida (Analista de Projetos Culturais do Santander), Joana Corrêa (Representante da Rede de Culturas Populares e Tradicionais), Thayse Christo (Produtora Cultural e Coordenadora do Fórum Setorial de Circos do Paraná), Danielle Andrade (Diretora da Cia Paulista de Teatro Bilingue) e Ana Kariri (Liderança indígena da etnia Kariri da Paraíba, arte educadora e artista contemporânea).

A DRUM BRASIL:

                A Drum Brasil é uma empresa com mais de 15 anos de experiência na idealização, gestão e execução de projetos socioculturais que aliam a inovação ao apoio à todas as formas de Diversidade.  Com 9 anos de experiência na cidade do Rio de Janeiro, a Drum Brasil é responsável por ações em diversos segmentos. Além do 3º Congresso Brasileiro da Cultura, que será realizado entre os dias 24 e 26 de agosto no Museu de Arte do Rio (MAR), a empresa prepara para este ano diversos outros projetos. Entre eles, o lançamento do livro Uma Cidade Arquitetada na Fé, projeto em parceria com o Santuário Cristo Redentor e a União Internacional dos Arquitetos (UIA); a 9ª edição do Fórum Cultura + Diversidade, que vai ocorrer nos dias 25 e 26 de outubro na Biblioteca Parque Estadual, no Centro do Rio; o DiversiFest Rio 2023, um festival de expressões artísticas com foco na inclusão e representatividade; e o Cultura Maker - Meninas Pretas das Favelas na Ciência, Tecnologia e Robótica, projeto com o patrocínio de grandes empresas de tecnologia e apoio do Museu de Arte do Rio e da Fundação Roberto Marinho.

O MUSEU DE ARTE DO RIO (MAR):

 

Iniciativa da Prefeitura do Rio por meio da Secretaria Municipal de Cultura que contou com a parceria da Fundação Roberto Marinho para a sua concepção, o Museu de Arte do Rio passou a ser gerido pela Organização dos Estados Ibero-americanos (OEI) desde janeiro de 2021, apoiando as programações expositivas e educativas do MAR a partir de um conjunto amplo de atividades para os próximos anos. A OEI é um organismo internacional de cooperação que tem na cultura, na educação e na ciência os seus mandatos institucionais, desde sua fundação em 1949.

“O Museu de Arte do Rio, para a OEI, representa um instrumento de fortalecimento do acesso à cultura, intimamente relacionado com o território, além de contribuir para a formação nas artes, tendo no Rio de Janeiro, por meio da sua história e suas expressões, a matéria-prima para o nosso trabalho”, comenta Raphael Callou, diretor e chefe da representação da OEI no Brasil. Após o início das atividades em 2021, a OEI e o Instituto Odeon celebraram parceria com o intuito de fortalecer as ações desenvolvidas no museu, conjugando esforços e revigorando o impacto cultural e educativo do MAR, onde o Odeon passa a auxiliar na correalização da programação.

O Museu de Arte do Rio tem o Instituto Cultural Vale como mantenedor, a Equinor, o Itaú Unibanco e a Globo como patrocinadores master, e a Nadir Figueiredo como patrocinadora.

O MAR ainda conta com o apoio do Machado Meyer Advogados e Icatu, todos via Lei Federal de Incentivo à Cultura. A Globo e o Canal Curta são os parceiros de mídia do MAR. O MAR conta ainda com o apoio da Prefeitura do Rio de Janeiro e do Governo do Estado do Rio de Janeiro, com realização do Ministério da Cultura e do Governo Federal do Brasil por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura. Mais informações em www.museudeartedorio.org.br.

 

SERVIÇO

3º Congresso Brasileiro da Cultura
24, 25 e 26 de agosto (quinta, sexta e sábado)

Museu de Arte do Rio (MAR)

Praça Mauá, 5 - Centro, Rio de Janeiro – RJ
Inscrições gratuitas e limitadas. 

 

ENDEREÇOS ELETRÔNICOS
Sympla
Site

Instagram
Facebook
Linkedin

 

PROGRAMAÇÃO

DIA 24 – QUINTA-FEIRA

 

11h00 às 18h00 – Credenciamento

11h00 às 18h00 – Feira Literária no Pilotis

13h30 às 14h00 – Welcome Coffee

18h00 às 20h00 – Happy Hour

 

Auditório:

 

14h00 às 15h00 – Abertura Oficial

15h00 às 15h30 – Fala do Ministério da Cultura

15h30 às 16h30 – Palestra Magna

16h30 às 18h00 – Debate: A Cultura como vetor econômico, emprego e renda

 

Sala Multiuso:

 

11h30 às 13h30 – Workshop 1: Fundamentos essenciais para pensar um projeto cultural (Inclui Coffee Break das 12:30 às 12:45)

14h00 às 14h45 – Workshop 2: Integrando o ESG nos projetos culturais

15h00 às 15h45 – Workshop 3: Responsabilidade social e democratização do acesso à Cultura

16h00 às 16h45 – Workshop 4: Inclusão e representatividade, construindo projetos para todes

17h00 às 17h45 – Workshop 5: Diálogos Culturais: Promovendo a Interculturalidade em Projetos

 

DIA 25 – SEXTA-FEIRA

 

11h00 às 18h00 – Credenciamento

11h30 às 18h00 – Espaço Feira

13h30 às 14h30 – Intervalo do almoço

15h30 às 16h00 – Coffee Break

18h00 às 20h00 – Happy Hour

 

Auditório:

 

11h30 às 12h30 – Workshop 6: Lei de fomento direto: Paulo Gustavo

12h30 às 13h30 – Workshop 7: Lei de fomento direto: Aldir Blanck 2

14h30 às 15h30 – Workshop 8: Leis municipais de fomento indireto: ISS/IPTU

16h00 às 17h00 - Workshop 9: Lei estadual de incentivo indireto: ICMS

17h00 às 18h00 - Workshop 10: Lei federal de incentivo indireto: Rouanet

 

Sala Multiuso:

 

11h30 às 12h30 – Por dentro dos editais das empresas (editais 1 e 2)

12h30 às 13h30 – Por dentro dos editais das empresas (editais 3 e 4)

14h30 às 15h30 – Por dentro dos editais das empresas (editais 5 e 6)

16h00 às 17h00 – Por dentro dos editais das empresas (editais 7 e 8)

17h00 às 18h00 – Por dentro dos editais das empresas (editais 9 e 10)

 

Pilotis:

 

11h00 às 18h00 – Oficinas e intervenções artísticas

 

DIA 26 – SÁBADO

 

11h00 às 18h00 – Credenciamento

11h30 às 18h00 – Espaço Feira

13h30 às 14h30 – Intervalo do almoço

15h30 às 16h00 – Coffee Break

18h00 às 20h00 – Happy Hour

 

Auditório:

 

11h30 às 12h30 – Oficina de Elaboração de Projetos Culturais

12h30 às 13h30 – Oficina de Captação de Recursos

14h30 às 18h00 – Apresentações culturais e distribuição de prêmios

Serão apresentadas diversas manifestações culturais, tais como esquetes, números de dança, de música, stand up e demais expressões artísticas. Um júri vai definir as três melhores apresentações, que receberão prêmios

 

Sala Multiuso:

 

11h30 às 12h30 – Espaço Universidade e Carreira – os cursos de formação da cadeia produtiva da cultura (1 e 2)

12h30 às 13h30 – Espaço Universidade e Carreira – os cursos de formação da cadeia produtiva da cultura (3 e 4)

14h30 às 15h30 – Espaço Universidade e Carreira – os cursos de formação da cadeia produtiva da cultura (5 e 6)

16h00 às 17h00 – Espaço Universidade e Carreira – os cursos de formação da cadeia produtiva da cultura (7 e 8)

17h00 às 18h00 – Por Espaço Universidade e Carreira – os cursos de formação da cadeia produtiva da cultura (9 e 10)

 

Pilotis:

 

11h30 às 13h30 - Diversifest – Oficinas e intervenções

14h30 às 18h00 - Diversifest – Campeonato de Passinho

* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
1500 BABILÔNIA GALERIA - “Redesenhos” é mostra de série inédita do fotógrafo Edouard Fraipont composta de sete imagens e um vídeo. Ele explora o conceito de fotoperformance, em parceria com a coreógrafa e bailarina Alexandra Naudet, e propõe figuras redesenhadas pelo movimento do
Saiba mais
A Gentil Carioca - Fundado em setembro de 2003 pelos artistas plásticos Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Laura Lima e Márcio Botner, esse espaço para a arte contemporânea representa e mantém em acervo obras dos artistas Thiago Rocha Pitta, João Modé, Jarbas Lopes, Paulo Nenf
Saiba mais
ALMACÉN GALERIA DE ARTE BARRA DA TIJUCA - Estabelecida no CasaShopping, na Barra da Tijuca, desde 1986, a galeria mantém em acervo obras de Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Antonio Dias, Marco Coelho Benjamim, Fernando Velloso, Walter Goldfarb, Cruz-Diez, Jussara Age, Yuli Geszti, Silvio Baptista, H
Saiba mais
AMARELONEGRO ARTE CONTEMPORÂNEA - O artista curitibano Juan Parada apresenta na exposição “Teto Verde” uma grande instalação. A obra, que tem o formato de uma casa, está disposta de cabeça para baixo. Destaque para o teto verde, no qual o a terra está por cima e as plantas crescem para ba
Saiba mais
Anna Bella Geiger – Entre o relevo e o recorte -
Saiba mais
ANTIGA FÁBRICA DA BHERING - O espaço onde funcionava a ex-fábrica de chocolates Bhering, abriga 52 ateliês de artistas e 22 pequenas empresas do ramo cultural. O maquinário e as antigas instalações da fábrica servem de inspiração para criação e também são incorporados aos trabalhos
Saiba mais
Argus -
Saiba mais
ATELIER CURVELO - Instalado em um casarão de 1896 com vista para a Baia de Guanabara, em Santa Teresa, o espaço abriga criações do artista plástico Zemog e peças de sua esposa, a designer Rita Dias. Zemog usa materiais nada nobres como tampinhas de refrigerante, espelhos e
Saiba mais
BIBLIOTECA NACIONAL - O prédio, em estilo neoclássico, foi projetado pelo arquiteto Francisco Marcelino de Souza Aguiar. Inaugurado em 1910, reúne um acervo de cerca de nove milhões de peças, entre raridades como a Bíblia de Mogúncia, impressa em 1462, a edição dos Lusíadas de
Saiba mais
Casa-Tempo: Assentamentos -
Saiba mais
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
ESPAÇO CULTURAL MUNICIPAL SÉRGIO PORTO - O local é um dos espaços culturais mais interessantes do Rio. Integra a Rede Municipal de Teatros da Secretaria Municipal de Cultura. Tem uma programação variada, com exposições de arte, palestras, debates, workshops, espetáculos de teatro, recitais de po
Saiba mais
EXPOSIÇÃO BLOCO DO PRAZER -
Saiba mais
Exposição YVY MARÃEY - A TERRA SEM MALES -
Saiba mais
FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA - A mansão onde está instalado o museu, construída em 1849, em estilo neoclássico, serviu de residência a Rui Barbosa (1849-1923) durante os últimos 28 anos de sua vida. Possui um acervo de 1.400 peças de mobiliário, objetos decorativos e de uso pessoal e p
Saiba mais
Galeria Valdir Teixeira -
Saiba mais
Mão de Vaca -
Saiba mais
Os Artivistas: Carlos Scliar e Cildo Meireles -
Saiba mais
Os Super Heróis Negros -
Saiba mais
TROMBA D’ÁGUA -
Saiba mais