Carregando... aguarde
A Hecatombe-2024-04-10 - Guia das Artes
A Hecatombe
Evento encerrado
A Hecatombe
Quando aconteceu
Quarta, 10 Abril até Terça, 30 Abril
Local
Galeria de Arte IBEU
Rua Maria Angélica, 168 – Jardim Botânico
Conteúdo

 

Exposição de Alessandra Vaghi abre temporada de mostras na Galeria de Arte IBEU

Evento no Jardim Botânico, com início dia 10 de abril, é gratuito e aberto a todos os públicos

 

A Galeria de Arte IBEU, no Jardim Botânico, inicia a programação regular de 2024 com mostras de artes visuais de artistas selecionados na última convocatória de projetos. Todos os eventos são gratuitos e abertos ao público. A primeira mostra do ano será da artista visual Alessandra Vaghi com lançamento no dia 9 de abril para convidados e de 10 a 30 de abril (segunda a quinta, das 13h às 19h e sextas, de 12h às 18h) para o público geral.  A exposição "Hecatombe" apresenta uma instalação que reúne os vídeos "A última ceia” e “Sacrifício”, além de objetos e fotografia.

"Hecatombe", de Alessandra Vaghi, leva o visitante a diferentes reflexões sobre o tema proposto pela artista. Do ponto de vista da sustentabilidade, a hecatombe fala da morte das florestas, passando pela transformação da madeira em carvão, que encobre a luz e tira o ar. Multiversos que remetem à origem da palavra Hecatombe e de sua prática de sacrifício.

Ao fim do material, a descrição completa da obra de Alessandra Vaghi pelo curador da exposição, Luiz Alberto Oliveira.

SERVIÇO:

Título: A Hecatombe

Curadoria e texto crítico: Luiz Alberto Oliveira

Local: Galeria de Arte IBEU (Rua Maria Angélica, 168 – Jardim Botânico)

Inauguração: 09 de abril (terça)

Visitação: 10 a 30 de abril – segunda a quinta, das 13h às 19h; sextas, de 12h às 18h.

 

Perfil Alessandra Vaghi:

Graduada em Desenho Gráfico, Platt University, EUA, cursou arte e filosofia na PUC-Rio e pintura da Escola de Artes Visuais do Parque Lage.

Realizou exposições individuais em individuais no MAM, BA; Centro Cultural da Candido Mendes de Ipanema, RJ; Galeria Lurixs, RJ; Depois da tempestade, Museu de Arte Contemporânea de Niterói, MAC; Art Source, no Museu da República, RJ e San Francisco, CA.

Participou das coletivas FotoRio, Galeria Lurixs, RJ; Temporada de projeto, Paço das Artes, SP; Arquivo Geral 2008, Centro Cultural Justiça Eleitoral, RJ; Novas Aquisições, MAC de Niterói, RJ; Zona oculta, Centro Cultural Justiça Eleitoral, RJ entre outras.

Suas obras fazem parte das coleções do MAC de Niterói e do MAM da Bahia.

 

Sobre a Galeria de Arte IBEU:

Criada na década de 1960 em Copacabana, a Galeria de Arte IBEU ocupa desde 2017 uma casa na Rua Maria Angélica, no Jardim Botânico. O bairro, que já abriga ateliês e a Escola de Artes Visuais do Parque Lage, oferece na Galeria de Arte IBEU exposições individuais e coletivas em um espaço de 52 m2.  A Galeria de Arte IBEU já proporcionou exposições de nomes importantes da arte brasileira como Tarsila do Amaral, Cândido Portinari, Iberê Camargo, Alexander Calder, Antonio Manuel, Lygia Pape, Artur Barrio, entre outros.

 

Uma Reflexão sobre Ritual e Sacrifício

Sobre a exposição “Hecatombe”, de Alessandra Vaghi

Luiz Alberto Oliveira

 

    Na antiga Hélade, foram costumeiros os rituais em que animais eram sacrificados para propiciar os Deuses, dentre eles Hera, soberana do Olimpo e protetora dos lares, e Atena, divindade da sabedoria e da guerra. Quando o número de animais era grande, a cerimônia era chamada de “Hecatombe” (o termo grego original designava a matança de 100 reses). Em nossos dicionários, o termo passou a significar chacina, massacre, carnificina. E, por certo, não apenas de animais de pastoreio.

       O conjunto de trabalhos artísticos que Alessandra Vaghi nos apresenta sob este título oferece várias dimensões de reflexão. A mais imediata diz respeito a uma inflexão que vivemos na sociedade contemporânea: a hecatombe é das matas, em favor dos bovinos. O exame de mapas da cobertura vegetal no Brasil de algumas décadas para cá não deixa dúvidas acerca do morticínio em larga escala desfechado contra savanas e florestas, a ferro – e a fogo. Pois um segundo viés de devastação ampla foi o da conversão de madeira em carvão, em particular para uso em siderúrgicas. Deixando de fabricar ar, a mata fornece fogo para forjar o ferro; a contemplação dos sacos alinhados de lenho carbonizado inevitavelmente nos questiona sobre sua origem.

    Em seguida, e ainda mais profundamente, somos conduzidos da substância para a luz – ou, antes, para sua abolição. É o negrume do carvão, por contraste, a fonte principal para o transluzimento do ambiente; a claridade diáfana dos feixes luminosos da cave onde os gestos rituais se desempenham – subterrâneos, silenciosos, suaves – abduz, e compõe, com o peso escuro da muralha de sacos. Este cenário íntimo, recluso, hospeda a sequência de movimentos pelas quais uma moradia – o lugar onde a gente se demora – é constituída sob nossas vistas, encarnada nos utensílios que põe o banco como mesa. Este domicílio improvável é como que o avesso da paisagem vista do alto, tão belamente exposta ao lado; tal como lá a vida se diferencia e espraia, aqui é a feminilidade que se multiplica.

    De Jorge Luis Borges aos paradoxos quânticos e às histórias em quadrinhos, o conceito de multiverso se disseminou largamente em nossa cultura. O rol de questionamentos que Alessandra nos traz tão sutilmente talvez tenham como eixo integrador, fundacional ainda que indiscernível, fulgurante ainda que obscuro, o mistério mesmo de que as Deusas arcaicas eram símbolo: o da potência multiversal do feminino.

* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak -
Saiba mais
1500 BABILÔNIA GALERIA - “Redesenhos” é mostra de série inédita do fotógrafo Edouard Fraipont composta de sete imagens e um vídeo. Ele explora o conceito de fotoperformance, em parceria com a coreógrafa e bailarina Alexandra Naudet, e propõe figuras redesenhadas pelo movimento do
Saiba mais
A Gentil Carioca - Fundado em setembro de 2003 pelos artistas plásticos Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Laura Lima e Márcio Botner, esse espaço para a arte contemporânea representa e mantém em acervo obras dos artistas Thiago Rocha Pitta, João Modé, Jarbas Lopes, Paulo Nenf
Saiba mais
ALMACÉN GALERIA DE ARTE BARRA DA TIJUCA - Estabelecida no CasaShopping, na Barra da Tijuca, desde 1986, a galeria mantém em acervo obras de Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Antonio Dias, Marco Coelho Benjamim, Fernando Velloso, Walter Goldfarb, Cruz-Diez, Jussara Age, Yuli Geszti, Silvio Baptista, H
Saiba mais
Alquimia Abstrata -
Saiba mais
AMARELONEGRO ARTE CONTEMPORÂNEA - O artista curitibano Juan Parada apresenta na exposição “Teto Verde” uma grande instalação. A obra, que tem o formato de uma casa, está disposta de cabeça para baixo. Destaque para o teto verde, no qual o a terra está por cima e as plantas crescem para ba
Saiba mais
ANTIGA FÁBRICA DA BHERING - O espaço onde funcionava a ex-fábrica de chocolates Bhering, abriga 52 ateliês de artistas e 22 pequenas empresas do ramo cultural. O maquinário e as antigas instalações da fábrica servem de inspiração para criação e também são incorporados aos trabalhos
Saiba mais
ATELIER CURVELO - Instalado em um casarão de 1896 com vista para a Baia de Guanabara, em Santa Teresa, o espaço abriga criações do artista plástico Zemog e peças de sua esposa, a designer Rita Dias. Zemog usa materiais nada nobres como tampinhas de refrigerante, espelhos e
Saiba mais
BIBLIOTECA NACIONAL - O prédio, em estilo neoclássico, foi projetado pelo arquiteto Francisco Marcelino de Souza Aguiar. Inaugurado em 1910, reúne um acervo de cerca de nove milhões de peças, entre raridades como a Bíblia de Mogúncia, impressa em 1462, a edição dos Lusíadas de
Saiba mais
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
ESPAÇO CULTURAL MUNICIPAL SÉRGIO PORTO - O local é um dos espaços culturais mais interessantes do Rio. Integra a Rede Municipal de Teatros da Secretaria Municipal de Cultura. Tem uma programação variada, com exposições de arte, palestras, debates, workshops, espetáculos de teatro, recitais de po
Saiba mais
EXPOSIÇÃO BLOCO DO PRAZER -
Saiba mais
FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA - A mansão onde está instalado o museu, construída em 1849, em estilo neoclássico, serviu de residência a Rui Barbosa (1849-1923) durante os últimos 28 anos de sua vida. Possui um acervo de 1.400 peças de mobiliário, objetos decorativos e de uso pessoal e p
Saiba mais
Galeria Valdir Teixeira -
Saiba mais
HACKEANDO O PODER -
Saiba mais
INAUGURAÇÃO RECIPIENTE PORONGO -
Saiba mais
Para sempre até -
Saiba mais
Quadrelas Fluminenses -
Saiba mais
Ser Mulher: um Percurso de Papéis -
Saiba mais
“TOPIARIUS” - Vanessa Freitag -
Saiba mais