Carregando... aguarde
Quando a Arte Encontra o Carnaval-2024-02-09 duplicado #25554.37081079406 - Guia das Artes
Quando a Arte Encontra o Carnaval
Evento encerrado
Quando a Arte Encontra o Carnaval
Quando aconteceu
Sexta, 09 Fevereiro até Sábado, 17 Fevereiro
Local
Shopping Cassino Atlântico - 3º piso - Espaço BB
Av. Atlântica, 4.240 - Copacabana - RJ
Conteúdo

 

'Quando a Arte Encontra o Carnaval', exposição do Espaço BB e Saphira & Ventura Gallery, mistura arte, tecnologia e sustentabilidade com a folia, de 09 a 17 de fevereiro, no Shopping Cassino Atlântico

 

A coletiva traz uma experiência imersiva, com obras digitais e pinturas de grandes dimensões, e tem o apoio do IBA - Instituto Bienal Amazônia

 

 

'Quando a Arte encontra o Carnaval', nova exposição da Saphira & Ventura Gallery (NY), em parceria com o Espaço BB, acontece entre os dias 09 e 17 de fevereiro, no Shopping Cassino Atlântico, trazendo uma experiência imersiva, onde a magia da arte se cruza com a experiência da maior festa popular do mundo, misturando arte, tecnologia e sustentabilidadecom curadoria de Alcinda Saphira e Marcia Marschhausen. 


A exposição itinerante tem o apoio do IBA - Instituto Bienal Amazônia, e embarca para Nova York após o dia 17. Cabe ressaltar a importância do papel exercido pelo IBA, que tem como propósito destacar as questões de gestão ambiental e sustentabilidade, além de discutir temas relacionados à Amazônia e seu ecossistema por meio da arte, projetos de arquitetura, design e inovação, bem como projetos educacionais. Ainda, a Saphira & Ventura Gallery vai destinar parte do que for arrecadado para a Bienal Amazônia 2025 que vai ser realizada durante a COP 30. 

 

A mostra apresenta artistas engajados na luta pela sustentabilidade e preservação da Amazônia, como o jovem Pedro Gui, Alexandre Mavignier, Bari Bing, Johnatan Ryder, Mônica Vianna, Vanessa Barini e Cris Duarte.


O evento é formado por artistas do Coletivo BB, do Espaço BB e da Saphira & Ventura,  expondo seus trabalhos em forma digital no interior da galeria, onde o visitante é convidado a participar da mostra em meio às projeções que terão vida própria e liberdade de encantar a todos. Nos corredores, os presentes vão passear entre as cores e diversidade de estilos, nas obras expostas, pintadas ou fine art e monotipia, com medidas de grandes proporções. Além da exposição, na abertura haverá muita música, transformando o terceiro piso em uma grande folia artística. 

 

Sobre os artistas

Pedro Gui, 12 anos, artista autodidata de Teresina/PI, prepara-se para ser  Embaixador Jovem da Bienal Amazônia 2025,  durante a COP 30, em Belém do Pará. Seu trabalho alcançou reconhecimento internacional, com representação em Nova York e Paris. Recentemente, sua obra "Guardiã da Biodiversidade" alcançou a incrível marca de 1 milhão de visualizações em sua rede social @pedrogui.

Alexandre Mavignier, artista plástico. Seja transmutando terras de todo o planeta para produzir pigmentos naturais para suas telas e esculturas, seja coletando resíduos urbanos de demolição e construção que, micronizados e transformados em tintas, trazem as toneladas da cidade à realidade de suas obras-primas, ou mesmo reaproveitando resíduos de uma vida em chamas, como as 994 brasas da floresta amazônica, utilizadas na obra Lágrimas Amazônicas, o artista Alexandre Mavignier apresenta com enorme profundidade os temas relacionados às suas criações.

Bari Bing , uma artista multidisciplinar residente em Nova York e Miami, é reconhecida por seu estilo criativo e único no design de jóias "One of a Kind", além de expressar seu talento através da pintura de arte moderna. Inspirada pela energia e arquitetura de Nova York, Miami e a poesia e realidade da floresta Amazônica cria pinturas exuberantes, influenciadas pelo abstrato moderno. Sua carreira a levou por várias jornadas, incluindo a conquista do prêmio na competição De Beers Diamonds for Men. Recentemente participou de uma exposição individual em Veneza (2022), além de ter sido apresentada na Scope Miami Beach, no Museu da Civilização Egípcia.

Johnatan Ryder, 
artista visual, produtor cultural e educador de arte, formado em Administração pela Universidade da Amazônia. Realiza pesquisas, oficinas, workshops, orientações artísticas, curadorias e projetos culturais. Como artista, tem participado de exposições pelo Pará. Tem trabalho em acervos públicos e privados. Seu trabalho é focado principalmente na interiorização da arte com tecnologia, tendo produzido exposições com vídeo mapping, realidade aumentada e campeonato de artes visuais.

Mônica Vianna, artista visual brasileira, atualmente residindo no Rio de Janeiro e com ateliê em Vargem Pequena, bairro localizado na zona oeste, entre o mar e a mata Atlântica. A artista morou por três meses na Amazônia, Tucuruí - PA, em 2001. Levando seus dois filhos, na época ainda crianças, inicia sua experiência na Floresta, com nativos indígenas e que mais tarde vem a enriquecer sua arte. Retorna à Amazônia, agora em Manaus, e adentra a floresta por mais três vezes durante os anos de 2012, 2013 e 2015. Esses materiais trazidos em fotos e o conviver com os povos vem lhe acrescentar cada vez mais seu trabalho atual, denominado “Ancestralidade".

Cris Duarte, artista visual brasileira, vive e trabalha na cidade de Niterói/RJ. Autora do projeto “Cidades na Década do Oceano”, é também responsável pela direção artística. Sua obra é um convite para aqueles que são amantes do mar e se preocupam com a preservação dos oceanos. Em sua série “Mares e Corais” explora o fascinante universo marinho, cheio de vida e de cores. Suas pinturas revelam uma refinada estética contemporânea, às vezes realista, outras vezes, meramente imaginária. Utiliza técnicas de pintura a óleo ou acrílica sobre tela.

O trabalho da artista é multissensorial e multidisciplinar, conjugando arte e cultura oceânica. Suas pinturas proporcionam um belo espetáculo de cores e formas, com imagens impressionantes dos misteriosos corais marinhos, apresentando também arte digital e vídeos educativos em suas exposições. A série de pinturas da artista visual Cris Duarte tem como objetivo conectar as pessoas com o oceano, despertando o interesse sobre o ecossistema marinho, especialmente sobre os corais.

Vanessa Barini, artista plástica e fotógrafa, natural de São Paulo, Vanessa reside em Teresópolis, RJ. Começou com desenho e pintura acadêmica, passando para a arte contemporânea em 2006, quando integrou o Núcleo de Artes Visuais do Integrartes. Trabalhou com instalações, grafite, intervenções urbanas, gravura e instalações de vídeo. Hoje, integra o Grupo Arani, formado por 5 artistas residentes em Teresópolis, o Coletivo BB Artes Visuais com sede no Rio de Janeiro e o Coletivo Contemporâneos. Trabalha também com fotografia.

Para 2024, participa do projeto “Luciferase”, junto com o grupo Arani e com a orientação e apoio de Márcia Marschhausen, curadora do Espaço BB Artes Visuais. Trata-se de um projeto de exposição de arte, com um ambiente escultural, junto com vídeo artístico, abordando a sustentabilidade e preservação das matas brasileiras.

COLETIVO BB : Angela Lemos, Antonio Garcia, Christiano Whitaker, Daniel Corrêa, Gilda Goulart, Guto Goulart, Jean Dechery, Madalena Bento de Mello, Marcelus Gill, Maria Regina Marré, Mônica Vianna, Naiara Junqueira, Nando Paulino, Nashton Art (Nilmar), Nora Sari, Regina M. Fernandes, Rodrigo Bonan, Rose Assumpção, Sérgio Joppert, Stalleikem, Valéria Policarpo e Vanessa Barini

ARTISTAS CONVIDADOS : Aline Alves, Aline Mac Cord, Ana Luiza Varella, Cris Duarte, Gelia Ashton, Guilherme Quintanilha, Jasmina Di Monaco, Luiza Vieira, Marcela Lopes, Marcia Fixel, Maria Helena, Maria Oliveira, Marise Barros, Marta Bonimond, Moni Pimenta, Natália Lima, Rafaela Dias, Regina Cheida e Zulma Werneck 

ARTISTAS SAPHIRA & VENTURA: Alexandre Mavignier,  Bari Bing, Tony Rodriguez, Philippe Seigle,  Pedro Gui, Larissa Linhares, Matt Christine, Odair Mindelo, Marco Santos, Maycon Nunes, Tony Silva,  Johnathan  Ryder, Anna Barysheva, Helenara Andrade, Tony Silva, Adelia Clavien, Yanina de Martino, Caroline Aiex, Erika de Luca , Flávia Jackson , Cristiane Maschietto, Nico , Maria T Ason, Rene Nascimento, Antonio Oliveira, Patrícia Malvaccini, Johnny Felix, Roby Frankel e Camila Crivelenti

 

Serviço

Exposição: Quando a Arte Encontra o Carnaval
Artistas nacionais e internacionais: Coletivo BB, Espaço BB, Saphira & Ventura Gallery
Instagram: @saphiraventuragallery @espacobbartesvisuais
Local: Shopping Cassino Atlântico - 3º piso - Espaço BB
Av. Atlântica, 4.240 - Copacabana - RJ
Visitação: 09 a 17 de fevereiro de 2024

De terça a sábado, das 14h às 19h
Recepção de abertura: 09 de fevereiro, das 17h às 21h (sexta-feira)
Curadoria: Alcinda Saphira e Marcia Marschhausen
Apoio:
IBA - Instituto Bienal Amazônia
NYCAS - New York International Contemporary ART Society
Assessoria de Imprensa: Paula Ramagem
Censura livre
Evento gratuito
Acessibilidade
Estacionamento no local

* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
Hiromi Nagakura até a Amazônia com Ailton Krenak -
Saiba mais
1500 BABILÔNIA GALERIA - “Redesenhos” é mostra de série inédita do fotógrafo Edouard Fraipont composta de sete imagens e um vídeo. Ele explora o conceito de fotoperformance, em parceria com a coreógrafa e bailarina Alexandra Naudet, e propõe figuras redesenhadas pelo movimento do
Saiba mais
A Gentil Carioca - Fundado em setembro de 2003 pelos artistas plásticos Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Laura Lima e Márcio Botner, esse espaço para a arte contemporânea representa e mantém em acervo obras dos artistas Thiago Rocha Pitta, João Modé, Jarbas Lopes, Paulo Nenf
Saiba mais
ALMACÉN GALERIA DE ARTE BARRA DA TIJUCA - Estabelecida no CasaShopping, na Barra da Tijuca, desde 1986, a galeria mantém em acervo obras de Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Antonio Dias, Marco Coelho Benjamim, Fernando Velloso, Walter Goldfarb, Cruz-Diez, Jussara Age, Yuli Geszti, Silvio Baptista, H
Saiba mais
AMARELONEGRO ARTE CONTEMPORÂNEA - O artista curitibano Juan Parada apresenta na exposição “Teto Verde” uma grande instalação. A obra, que tem o formato de uma casa, está disposta de cabeça para baixo. Destaque para o teto verde, no qual o a terra está por cima e as plantas crescem para ba
Saiba mais
ANTIGA FÁBRICA DA BHERING - O espaço onde funcionava a ex-fábrica de chocolates Bhering, abriga 52 ateliês de artistas e 22 pequenas empresas do ramo cultural. O maquinário e as antigas instalações da fábrica servem de inspiração para criação e também são incorporados aos trabalhos
Saiba mais
ATELIER CURVELO - Instalado em um casarão de 1896 com vista para a Baia de Guanabara, em Santa Teresa, o espaço abriga criações do artista plástico Zemog e peças de sua esposa, a designer Rita Dias. Zemog usa materiais nada nobres como tampinhas de refrigerante, espelhos e
Saiba mais
BIBLIOTECA NACIONAL - O prédio, em estilo neoclássico, foi projetado pelo arquiteto Francisco Marcelino de Souza Aguiar. Inaugurado em 1910, reúne um acervo de cerca de nove milhões de peças, entre raridades como a Bíblia de Mogúncia, impressa em 1462, a edição dos Lusíadas de
Saiba mais
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Corpo Formoso -
Saiba mais
Diálogos -
Saiba mais
ESPAÇO CULTURAL MUNICIPAL SÉRGIO PORTO - O local é um dos espaços culturais mais interessantes do Rio. Integra a Rede Municipal de Teatros da Secretaria Municipal de Cultura. Tem uma programação variada, com exposições de arte, palestras, debates, workshops, espetáculos de teatro, recitais de po
Saiba mais
FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA - A mansão onde está instalado o museu, construída em 1849, em estilo neoclássico, serviu de residência a Rui Barbosa (1849-1923) durante os últimos 28 anos de sua vida. Possui um acervo de 1.400 peças de mobiliário, objetos decorativos e de uso pessoal e p
Saiba mais
Galeria Valdir Teixeira -
Saiba mais
Polo Cultural ItalianoRio – arte, design e inovação -
Saiba mais
Ser Mulher: um Percurso de Papéis -
Saiba mais