Carregando... aguarde
Maria Bonomi - Guia das Artes
Maria Bonomi
Informações
Nome:
Maria Bonomi
Nasceu:
Meina, Itália (08/07/1935)
Biografia

2005-2006 Além de inúmeras exposições individuais e coletivas de que participa no Brasil e exterior, com destaque para a exposição individual realizada no Museo de Huelva, em 2005, e para a Second Beijing International Art Biennial, realizada no mesmo ano, Bonomi ainda atua em teatro, faz painéis para residências e desenvolve trabalho em arte pública.

Na Última Viagem de Borges, encenada em 2005, peça escrita por Ignácio de Loyola Brandão e dirigida por Sérgio Ferrara, Maria Bonomi ocupa-se da cenografia e dos figurinos.

Em 2006, reproduz Eroscopia em alumínio, painel em concreto concebido, em 1990, como divisória interna para residência em São Paulo.

Inicia no Memorial da América Latina, em São Paulo, o painel Etnias: do Primeiro e Sempre Brasil, obra de arte pública projetada para o túnel principal de acesso ao Memorial. A temática do painel procura trazer o olhar do passante para questões relativas à contribuição do indígena na formação da cultura brasileira; por isso mesmo, participam da gravação do painel índios guaranis, representantes de aldeias localizadas na Área de Proteção Ambiental Capivari-Monos, em São Paulo.

O painel traz três fases, gravadas em barro e transformadas em cerâmica, bronze e alumínio. A primeira representa o território e cultura indígenas antes da ocupação portuguesa, a segunda relaciona elementos europeus e nativos, mostrando como os viajantes enxergavam os naturais americanos, a terceira remete à atualidade, atentando para a questão da destruição dos índios brasileiros.

2004

Levando às últimas consequências a idéia de arte coletiva, Maria Bonomi instala, no Anexo do Museu de Arte Contemporânea da Universidade de São Paulo, ateliê coletivo para a confecção das matrizes do painel Epopéia Paulista, obra criada para a interligação entre metrôs e trens metropolitanos, na Estação da Luz.

Nele, artistas, operários, técnicos e estudantes gravam as matrizes do painel, participando da composição de 73 metros de comprimento. Cerca de 130 placas foram gravadas a partir de mais as 700 desenhos de objetos reunidos ao longo de cem anos, pela seção de achados e perdidos da Estação.

O Epopéia Paulista narra a história da imigração à cidade de São Paulo a partir de objetos, imagens de cordel e de história oral local, utilizados por Maria Bonomi. No painel, na visão da artista, estão inscritos três planos da existência da cidade: o da história do imigrante europeu, chegado a tetra do café (passado, reapresentado pela cor vermelha), o da imigração nordestina (presente, representado pela cor amarela) e um ultimo, que ainda não existe, mas vai existir, o devir (futuro. representado pela cor branca). Como nos conta Maria Bonomi "Na verdade é o espectador que se torna o criador ao passar por este grande quadro que ocupa o entorno subterrâneo e conta a história das adjacência e seus excessos. [...] Nossa obra torna pública a grande aventura da imaginação dirigida a sociedade e a história da certeza de que nada foi em vão.

2003

Após ausência em teatros, Bonomi reapresenta-se fazendo cenário para a peça de Maria Adelaide Amaral, denominada Tarsila, espetáculo que trata da vida de quatro dos grandes nomes do modernismo brasileiro: Mário e Oswald de Andrade, Anita Malfatti e, evidentemente, Tarsila do Amaral. Para o cenário, Bonomi elege o cavalete da pintora como foco, em volta do mesmo, três planos, onde se passa a narração. Compõem ainda a cena, telas de Tarsila, que Bonomi, ao lado de outros artistas, reproduz. A partir da peça, nasce Um Só Coração, minissérie, também de Maria Adelaide Amaral, veiculada na Rede Globo de televisão. na novela, Maria Bonomi é interpretada pela atriz Maria Luísa Mendonça.

Ainda nesse ano, cria dois painéis móveis em alumínio e espelho para residência em São Paulo, denominado As Letícias.

Em 2003, Maria Bonomi apresenta Tetraz, exposição realizada no Centro Brasileiro Britânico, onde faz instalação homônima. Em trabalho coletivo, do qual participam Carlos Pedreañez e Steve Wingrove, responsável pela parte teórica da instalação, Maria Bonomi procura expor a auto-destruição da humanidade aproveitando-se do mito do pássaro Tetraz, que, segundo Wingrove, se autodestrói. Aponta, nesse sentido, para questões relativas à devastação da natureza, à aparente irracionalidade humana e à brevidade da vida. Em caixas com terra, cravam-se facas, nas paredes, imagens de doenças e notícias de jornais e, por sobre eles, uma gravura com três metros de comprimento, apresentando objetos cortantes e seres diversos.

2000-2002

Em 2000, a artista conclui Nemeton, painel para o edifício Faria Lima Premium. Nemeton, segundo a artista, palavra de origem céltica, significa, ao mesmo tempo, floresta e santuário. No ano seguinte, Bonomi participa, com sala especial, da 3rd. International Triennial of Graphic Art, em Praga. Nas Trienais de 1998 e de 2004, é curadora da delegação brasileira e membro do Juri Internacional de premiação. Em 2002, Bonomi instala, na sede do Serasa, em São Paulo, escultura concebida a partir de troféu que ela cria a pedido da Instituição em 1993. Ginete Serasa, alumínio gravado medindo mais de 4,50m de altura, simboliza cavalo e cavaleiro, meio e mensagem, juntos, conduzindo a informação. Ainda em 2002, Maria Bonomi expõe Náiades e Ninfas, objetos côncavos e convexos, fundidos em bronze, latão e alumínio criados, em 2000, em homenagem a Pietro Maria Bardi e Lina Bo Bardi. Nesses anos, a artista recebe dois grandes prêmios pelo conjunto de sua obra: em 2000, Prêmio Mário Pedrosa, concedido pela Associação Brasileira dos Críticos de Arte; em 2002, Premi Italia nel Mondo, concedido pela Fondazione Italia nel Mondo. 1999 Maria Bonomi doutora-se em Poéticas Visuais pelo Departamento de Artes Plásticas da Escola de Comunicação e Artes da Universidade de São Paulo, propondo questões sobre arte pública. Em sua tese, Arte Pública. Sistema Expressivo/ Anterioridade, a artista mostra que a arte tem de ser socializada. Para Bonomi, arte pública difere-se em sua gênese das outras formas de arte, por isso, deve ser pensada para o local de sua implantação, levando-se ainda em consideração o público passante. Como nos mostra a artista, arte pública não deve ser feita apenas para o embelezamento do local de sua implantação, mas antes, para criar referências, que orientam e congregam a população. Em sua tese, a artista relaciona seis idéias básicas que encaminham um trabalho de arte pública: visualização, arte pública tem de ser impactante; execução, relação entre visualidade e tecnologia; localização, percepção do espaço capaz de criar oportunidades visuais; freqüência, ligada à localização, arte pública relaciona-se diretamente com transeuntes; história, cabe ao artista, ao fazer arte pública, narrar aspectos da memória social; adequação, a obra tem de integrar-se ao local. Outras idéias que percorrem os trabalhos de arte pública de Maria Bonomi são as de arte coletiva e de autoria anônima. Em seus painéis, artistas, arquitetos, engenheiros, marceneiros, pedreiros, impressores e, até mesmo, cidadãos sem qualquer formação técnica, curiosos da arte, são incorporados à execução. Em sua obra, o passante, desde o começo, é participante. 1998 Obra iniciada em 1994, Construção de São Paulo é concluída em 1998. Tratam-se de dois cubos em concreto instalados na estação de metrô Jardim São Paulo. Ocupando o alto da estação, suspensos, acima dos tri-lhos, os cubos vêm celebrar a cidade e aqueles que a construíram. Ilustram, nesse sentido, além de edifícios e personagens, concebidos geometricamente, também raízes de plantas, árvores e o Pico do Jaraguá, sufocados por uma urbanidade que se impõe. Nesse mesmo ano, a pedido do Governo do Estado de São Paulo, Maria Bonomi faz dois painéis trabalhados em argila, fundidos em latão e alumínio, que se encontram expostos no Palácio dos Bandeirantes: Imigração e Substituição. Neles, a artista, como ela mesmo descreve, torna possível a visualização dos deslocamentos dos povos; imigrantes que, de uma maneira ou de outra, “transformam o lugar onde passam a viver”. Ainda nesse ano de 1998, correspondendo à convite da Bienal Barro de América Roberto Guevara, Maracaibo, Maria Bonomi monta instalação em que desfaz a idéia de efêmero que acompanha qualquer obra desta natureza. Em Sobre a Essência: os Sete Horizontes do Homem, a artista cria universo no qual as camadas sobrepostas de espelho, sal, vidro, carvão, argila, cimento e terra podem ser remontadas em qualquer outro lugar. A partir de bula, a artista orienta o processo de feitura da instalação, indicando os caminhos a serem percorridos e os materiais a serem utilizados. Da montagem da instalação participa Carlos Pedreañez, artista venezuelano com quem Maria Bonomi realiza muitos outros projetos, dentre os quais: Passagem pela Imagem, 2001, Tetraz, 2003, Pele Humana Pele Urbana, 2005, Infecção da Memória, 2005, e Epopéia Paulista, 2005.

1995-1997

A partir de 1995 Maria Bonomi passa a ser a representante da delegação brasileira na International Exhibition of Graphic Art, em Liubliana. Em 1996, Bonomi participa do 1º Brahma Reciclarte, onde expõe, no Jardim Botânico do Rio de Janeiro, Metempsicose, manequins recobertos com latas de alumínio enchapelados por garrafas de refrigerantes. Em 1997, faz escultura móvel para o jardim do Arquivo do Estado de São Paulo, denominada Páginas. Nesta, Bonomi sulca a superfície do modelo em argila como se escrevesse através de seus instrumentos. Uma vez em alumínio, fundida para a posteridade, a inscrição eterniza-se, como quer a artista, em memória pública. 1993-1994 Nesses anos, Bonomi, dedicando-se à xilogravura, imprime formas que condensam energia gráfica em grandes dimensões. Cria assim obras cujas sínteses gráficas explodem em paixão e vitalidade; Sappho I, de 1987 e Apoteose de 1993, são exemplos disso. Nelas, a cor, impactante, revela jogo de transparências e desvelamentos. Na série Tropicália, de 1994, a partir de incursão na arte fractal, Bonomi cria imagem originada de manipulação de matrizes que compõem uma forma, feita, desfeita e refeita. A partir de relação com aspecto do vivido, faz O Pente. Tempo..., xilogravura de 1,00 m por 2,65 m, de 1993, na qual relativiza a banalidade do cotidiano, monumentalizando-o. De modo semelhante, interpretando experiências, a artista cria Medusas, xilogravuras iniciadas em 1993 e apresentadas em 1996. Em 1993, no 3º Studio Internacional de Tecnologias de Imagem, a artista apresenta Tempo – Vídeo – Pente, obra feita a partir da xilogravura acima referida. Em 1994, com o poeta Haroldo de Campos, Maria Bonomi publica O Elogio da Xilo. Situações Xilográficas, álbum de xilogravuras impressas manualmente e de impressos em jato de tinta que estabelecem relações visuais e verbais com o poema que o concretista dedica à gravadora.

1992

Pensando na arte como inserção social, Maria Bonomi, correspondendo à convite, erige escultura na Praça da Ci, localizada no bairro paulistano de Pinheiros. Esculpido em pedra, e fundido em bronze, o monumento, metáfora da maternidade, homenageia Cecília Périgo Saldiva, mãe dos encomendantes. Anjo, inaugurado, em 1992, pela então prefeita de São Paulo Luiza Erundina, figura na praça até abril de 2001, ano em que a escultura é destruída por ser, em parte, roubada.

1990-1991

Eleita presidente da Comissão Técnica de Arte da XXI Bienal Internacional de Arte de São Paulo, em 1990, Bonomi inicia projeto que tem por objetivo nova reestruturação da Bienal, privilegiando a arte aos negócios. No ano seguinte, contudo, após denunciar irregularidades na administração da referida Bienal, é demitida do Conselho. Jacob Klintowitz, curador da mostra também é demitido. Instaura-se uma crise sem precedentes.

1989

Maria Bonomi organiza sala especial na XX Bienal Internacional de Arte de São Paulo em homenagem a Octavio Pereira, mestre-impressor com quem inicia parceria em fins dos anos sessenta. Nessa sala são expostas litografias de diversos artistas que trabalharam com Octavio Pereira até sua morte, em 1988, destacando-se Darel, Renina Katz, Tomie Othake, Nori Figueiredo, entre muitos outros. Em arte-pública, no Memorial da América Latina, ainda em construção, Bonomi é convidada por Oscar Niemeyer a erguer painel em solo-cimento, denominado Futura Memória. Nele, a artista inscreve tradições míticas latinoamericanas que se estendem por todo território, do México à Patagônia. Através de signos, ela relaciona crenças e convicções capazes de unir a América Latina em uma única direção, desde seus tempos mais remotos até futuro desconhecido.

1985-1988

Maria Bonomi, nos anos que seguem, entre outras atuações, faz painéis exclusivos em residências de São Paulo e Manaus, assim como para instituições financeiras, a exemplo do Banco Exterior de Espanha, em Santiago do Chile, cujo projeto Bonomi entrega em 1984, e Banco Sudameris, em São Paulo, concluído em 1987. Nesses anos ainda, Bonomi é convidada para a criação de troféus, como o Apetesp de Teatro, o Eldorado de Música e o Vilanova Artigas, para o Sindicato dos Arquitetos do Estado de São Paulo.

1984

Maria Bonomi cria objetos côncavos ou semi-planos em latão, bronze e alumínio, fundidos a partir de argila sulcada. Epigramas, expostos na Galeria Múltipla, junto de Biombos, projeto de Haron Cohen, pintura de Maria Bonomi, são trabalhos que liberam a imaginação do fruidor, pois abertos para a decifração. Trabalhando o relevo e o brilho, Bonomi, em Epigramas, aponta para a arte como múltiplo, coexistente em espaços residenciais.

1980-1983

Nesse período, Bonomi participa de diversas exposições no Brasil e no exterior, exibindo principalmente litografias realizadas a partir de 1978. Uma dessas mostras acontece na Casa Taller Galeria de Arte, em 1980, no Paraguai, onde Bonomi, correspondendo à convite de Livio Abramo, apresenta-se em individual. Em 1983, na 15th International Exhibition of Graphic Art, em Liubliana, Maria Bonomi recebe Prêmio do Juri Internacional por seu trabalho em litografia. Dois anos depois, na 16th International Exhibition of Graphic Art, por ocasião do prêmio recebido em 1983, Bonomi apresenta-se em sala especial com retrospectiva de seus trabalhos.

1979

Tendo como inspiração uma paisagem filipina, arrozais em Bengüet, Bonomi cria painéis para o Hotel Maksoud Plaza, em São Paulo. Nesses painéis, Paisagem e Memória, a artista reproduz no concreto os sulcos da matriz em madeira. Pelos painéis, Maria Bonomi recebe o Grande Prêmio da Crítica, 1979, concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte.

1977-1978

Em 1977, Bonomi integra o Conselho de Arte e Cultura da XIV Bienal Internacional de São Paulo, a primeira após a morte de Ciccillo Matarazzo. Nessa Bienal, caracterizada pela reestruturação, o Conselho promove a aproximação da mostra com países da América Latina, abrindo espaço para jovens artistas de todo continente. Aos artistas é dado, pela primeira vez, o direito de se candidatarem e de se autoclassificarem nas novas modalidades propostas, como por exemplo, Arte Catastrófica, Recuperação da Paisagem, entre outras. A maior inovação, contudo, é que os artistas podem apresentar suas propostas independentemente do suporte utilizado, ingressando na modalidade Arte não Catalogada. Todavia, Bonomi afasta-se do Conselho em 1977 em razão de desentendimentos com outros conselheiros e da indignação com os destinos das verbas da Bienal. No ano seguinte a artista reassume suas funções, participando da organização da I Bienal Latino Americana. Patrick Goettelen, cineasta suiço, ainda em 1977, produz um curta metragem sobre a obra de Bonomi, intitulado: Maria Bonomi et la Force de la Nature. Em artes gráficas, em parceria com a Glatt Ymagos, Bonomi dedica-se à litografia. Produz também nesse ano, algumas obras exclusivas para empresas.

1975

Partindo de suas experiências em cenografia e de suas pesquisas em artes gráficas, Bonomi inicia trabalhos em arte pública. Desde o decênio de 1960, as obras da artista se caracterizam pela monumentalidade. Expandindo-se, buscam convívio em espaços públicos e privados, publicitários e decorativos. Assim, passando da gravura à arte em concreto, Bonomi coloca em prática seu primeiro projeto, iniciado em 1974 e concluído em 1976: o altar da igreja Mãe do Salvador, mais conhecida como igreja da Cruz Torta, localizada no bairro paulistano de Pinheiros. Seguem-se a esse projeto o do edifício Jorge Riskalah Jorge, localizado na esquina da avenida Paulista com a rua Bela Cintra, e os do Esporte Clube Sírio, todos em São Paulo e datados de 1976. Das pesquisas que a artista realiza na China e Amazônia, produz palestras, conferidas em museus de São Paulo, Rio de Janeiro, Porto Alegre, entre outros locais. Por ocasião de uma palestra sobre arte chinesa, conferida no Museu de Arte Moderna de São Paulo, a artista, como narra em depoimento de 2002, e o crítico de arte Alberto Beuttenmueller são brutalmente presos, encapuzados, amarrados e conduzidos a um lugar ermo. Depois de algumas horas, conta Bonomi, foram levados, sempre sob insultos, a um quartel responsável pelo controle de ameaças ao regime militar, acusados de simpatizantes do comunismo. Mesmo não podendo precisar o tempo de permanência no quartel, Maria Bonomi relata que foram momentos intermináveis e terríveis, pois submetida à intensivos interrogatórios.

1973-1975

Nesses anos, a gravadora dedica-se a uma série de gravuras realizadas a partir de viagens à Amazônia, China e Japão e de pesquisas efetuadas nesses lugares. As xilogravuras de Bonomi resultam de um enorme acervo de anotações, transformadas, aos poucos, na série Transamazônica e China. Desta série, destacam-se Como se Fossem Palavras, Cabis e Pedra Robat, obras nas quais a artista exorbita a dimensão comum das gravuras brasileiras, desenvolvendo-as à escala da natureza.

1973

Em parceria com a Construhab, Maria Bonomi intenciona empreendimento artístico inovador, no qual artistas plásticos ocupam o hall de edifícios em construção para ali desenvolverem obras que se integrem à edificação. A esse empreendimento a artista denomina Espaço Vivo. Nicolas Vlavianos, escultor grego radicado no Brasil, é o primeiro a participar, realizando obra para edifício da rua Caiowaá, em São Paulo. O Espaço Vivo conta ainda com a participação de diversos artistas, como Evandro Carlos Jardim, Maria Helena Chartuni e a própria Maria Bonomi. Todavia, em virtude de dificuldades financeiras, Espaço Vivo não ultrapassa a experiência com Vlavianos. Em relação à XII Bienal Internacional de Arte de São Paulo, Bonomi, apesar de aceitar o convite para expor em sala especial dedicada à Tarsila do Amaral, resolve apresentar filme em lugar de gravuras. Na parede da sala escreve a artista: “Aquilo que poderia estar neste espaço coube melhor em Detritos, filme de 16 mm, realização de Maria Bonomi e Thomas Farkas, em exibição nesta Bienal”. A atitude de Maria, como ela mesmo afirma, vem, mais uma vez, protestar contra os organizadores da mostra e contra a situação política do País.

1972

Bonomi, atenta às especificidades da matriz, lança peças em poliéster colorido que reproduzem as matrizes de gravuras: Solombras, em homenagem à Cecília Meireles. A gravadora, com isso, multiplica a matriz, fazendo dela tiragem. Nesse mesmo ano, a pedido das indústrias Matarazzo, faz desenho para azulejos, junto de artistas como Emanoel Araújo, Burle Marx, Carlos Scliar, Darcy Penteado, entre outros. Do mesmo modo, a pedido da Rhodia, faz estampas para tecidos. Lívio Abramo, Fayga Ostrower, Antônio Maluf, entre outros, também participam da empreitada.

1971

Nesse ano, convidada por Niomar Moniz Sodré Bittencourt, Maria Bonomi e Jayme Maurício organizam uma exposição no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro, projetada por Karl-Heinz Bergmüller, na qual a inovadora montagem é mais uma demonstração do processo da gravura do que uma simples mostra, já que a artista apresenta as fases de suas obras. Em ateliê aberto, ministra cursos e responde à perguntas, enquanto imprime gravuras junto dos visitantes. Na abertura dessa exposição, é também lançado Balada do Terror e Oito Variações, álbum de litografias que Bonomi começa a fazer em São Paulo, ainda em 1968, com o mestre impressor Octavio Pereira. Data desse mesmo ano de 1971 uma carta de Clarice Lispector, amiga de Bonomi e madrinha de seu filho, publicada no Jornal do Brasil de 2 de outubro de 1971. Nela, Clarice Lispector escreve, sobretudo, a respeito da matriz de uma gravura de Bonomi intitulada A Águia, atentando para o fato de estar na matriz, e não na estampa, o registro das emoções: todo o trabalho dos instrumentos, os sulcos, as reentrâncias e os delineamentos da composição.

1970

Na Europa, realiza individual na Galerie Buchholz, em Munique. Mário Pedrosa apresenta a artista em catálogo. Na recém inaugurada Praça Roosevelt, em São Paulo, Maria Bonomi realiza exposição de posters serigrafados com poemas de Carlos Drummond de Andrade. Indicando sua preocupação com o espaço público, por ocasião dessa exposição, fala a artista no O Estado de S. Paulo de 4 de fevereiro de 1970: “Será formidável se conseguirem jogar tudo o que há de arte na praça”.

1968-1969

Como membro da Assessoria de Artes Plásticas da Pré-Bienal, em 1968, Bonomi participa, de maneira direta, das decisões da Fundação Bienal de São Paulo. No ano seguinte, todavia, desgastada pelos desentendimentos com a organização da referida Bienal e desiludida com os rumos políticos do país, conforme carta à Ciccillo Matarazzo datada de 8 de agosto de 1969, Bonomi, além de desvincular-se da assessoria da Bienal, ainda recusa convite para expor em sala especial na X Bienal Internacional de São Paulo, aderindo assim ao boicote promovido pelos artistas brasileiros. Na Europa, contudo, expõe na Triennale Internazionale Della Xilografia Contemporanea, em Carpi, Itália, e na 8th International Exhibition of Graphic Art, em Liubliana, antiga Iugoslávia, na qual recebe prêmio aquisição Musée d’Art Moderne à Ljubjana. No Brasil, ainda em 1969, no XXIII Salão Municipal de Belas Artes de Prefeitura de Belo Horizonte, recebe o Grande Prêmio Prefeitura de Belo Horizonte pela xilogravura A Águia.

1977

Nesse ano, integra a seleção de artistas brasileiros convidados por Antônio Bento para expor na Cinquième Biennale de Paris, exposição para artistas até 35 anos. Procurando romper limites, Maria Bonomi exige espaço de mais visibilidade para suas gravuras, com até dois metros, do que simples gabinetes, mesmo que para isso venha a desacatar normas da Bienal de Paris. Conta a artista que ela, Antonio Bandeira, Jacques Lassaigne e a delegação cubana causam grande incidente para que seja permitido expor nas paredes as gravuras de Bonomi. No dia seguinte a artista recebe o Prix de la Fondation Theadoron, fundação de Chicago. Ainda em 1967, junto de outros artistas, como Chico Buarque de Holanda, Mário Pedrosa, Ferreira Gullar, Lígia Fagundes Teles, assina documento, publicado no jornal A Tribuna, Santos, de 15 de janeiro de 1967, denunciando o caráter antidemocrático da Constituição brasileira.

1966

Em ano movimentado, Bonomi, mais uma vez, reconhecida pelo seu excelente trabalho em teatro, recebe, por A Megera Domada, peça de Shakespeare encenada em 1965, o prêmio Figurinista (APCA), dois prêmios Saci de Teatro - Melhor Figurinista e Melhor Cenógrafo e Prêmio Molière - Melhor Cenógrafa e Prêmio Governador do Estado - Melhor Cenógrafo. Ainda em teatro, faz os figurinos para a peça Júlio César, também de Shakespeare. Em artes gráficas Bonomi realiza individuais na Petite Galerie, no Rio de Janeiro, e na Cosme Velho, em São Paulo. Com Fernando Lemos, Maria Eugênia Franco e Salvador Cândia, elabora texto intitulado Por uma Reestruturação das Bienais, no qual aponta problemas e indica soluções para a manutenção das Bienais como importante meio de divulgação de novos valores artísticos.

1965

Críticos de arte, em jornais de 1965, exaltam a gravura de Maria Bonomi, prêmio de Melhor Gravador Nacional da VIII Bienal Internacional de Arte de São Paulo. Evidenciam, principalmente, as cores e as dimensões das gravuras que a artista faz, atribuindo-lhes beleza e monumentalidade. Além da arte, exalta-se também a postura política da artista, inquietante. Maria Bonomi, na cerimônia de inauguração da VIII Bienal, entrega para o então presidente do Brasil, Castello Branco, uma solicitação, assinada por diversos intelectuais, de revogação das prisões preventivas de Mário Schemberg, Fernando Henrique Cardoso, Florestan Fernandes e Cruz Costa.

1963-1964

Na VII Bienal de São Paulo, em 1963, Bonomi, além de expor seis xilogravuras e de receber por uma delas, chamada Espacial, Prêmio Aquisição, ainda participa da bienal adjunta de teatro, com maqueta e figurinos de Yerma, de Garcia Lorca, apresentada no Teatro Brasileiro de Comédia em 1962, e com maqueta de Sem Entrada e Sem Mais Nada, peça de Roberto Freire em cartaz no Teatro Maria Della Costa, em 1961. Em 1964, é convidada a integrar o pavilhão brasileiro montado na XXXII Espozicione Biennale Internazionale d’Arte, em Veneza, junto de Volpi, Tarsila do Amaral, entre outros. As vinte e cinco obras que expõe na Bienal italiana impressionam muitos galeristas europeus, os quais convidam a artista para expor em galerias da França, Áustria, Alemanha e da antiga Iugoslávia. Nesses anos, junto da editora Giroflé, participa de projeto voltado à educação infantil; assim, ilustra Sindicato dos Burros, livro de contos infantis de Fernando Silva, publicado em 1963, e Ou Isto ou Aquilo, livro de poemas de Cecília Meireles, publicado em 1964.

1960-1962

Em 1960, ao lado de Lívio Abramo, funda ateliê experimental para o ensino de gravura em madeira e metal: o Estúdio Gravura. Além dessa atividade de ensino, no Estúdio são produzidos convites, cartazes e livros; tanto assim que, em 1961, é publicado o Álbum Brasil: seleção de documentos da história do País, coligidos por Sergio Buarque de Hollanda, e seleção de gravuras de Maria Bonomi, Lívio Abramo e João Luís Chaves, artista que, em 1961, passa a dar aulas no Estúdio. No mesmo ano de 1960, a gravadora inicia trabalhos com cenografia e figurinos para espetáculos teatrais. Convidada pela Cia Tonia-Celi-Autran, Maria Bonomi começa desenvolvendo a cenografia e os figurinos para Hoje Comemos Rosas, de Walmir Ayala, e Fim de Jogo, de Samuel Beckett; ambas apresentadas, paralelamente, no Teatro Bela Vista nos meses de junho e julho de 1960. Em dezembro do mesmo ano, faz cenários e figurinos para peça de Arthur Miller intitulada As Feiticeiras de Salém, pela qual recebe, no ano seguinte, seu primeiro prêmio em teatro, Revelação, concedido pela Associação Paulista dos Críticos de Arte. Ainda em 1961, Bonomi casa-se com o diretor Antunes Filho e, no ano seguinte, tem um filho, chamado Cássio Luis Bonomi Antunes. Maria Bonomi, além de trabalhar em diversas peças teatrais com o diretor, produz, também com ele, programa de televisão veiculado pela extinta emissora Excelsior, chamado TV Arte, no qual são entrevistadas personalidades do mundo artístico. No primeiro programa, em dezembro de 1961, a personalidade é a poetisa Hilda Hilst. Nos anos que seguem, Arcângelo Ianelli, Dora Vasconcellos, Viveca Lindfors, entre outros grandes nomes, também participam do programa. Domingos de Andrade torna-se o primeiro impressor da artista depois de auxiliá-la na pintura de uma cenografia.

1959

Após expor em individuais e coletivas nos Estados Unidos, com destaque para a individual apresentada na Pan American Union, em Washington D. C., Maria Bonomi regressa ao Brasil, expondo, a partir do meio do ano, em São Paulo, Rio de Janeiro, Belo Horizonte e Porto Alegre, apresentando trabalhos desenvolvidos fora do País. Nesse mesmo ano, vai para o Rio de Janeiro para a oficina de gravura em metal de Johnny Friedländer, instalado no Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro. Ainda em 1959, secretaria Mário Pedrosa no Congresso Extraordinário Internacional dos Críticos de Arte, por ocasião do lançamento de Brasília.

1958

Maria Bonomi inicia o Museum Training I, com o professor Weinberger, curso oferecido pela New York University e desenvolvido quase todo dentro do Metropolitan Museum. Com Hans Müller cursa Advanced Graphic Arts na Columbia University e com Meyer Schapiro Fine Arts na mesma Universidade. No mesmo ano, tem aulas com o mestre chinês Seong Moy e, em junho, recebe bolsa da Ingram-Merril Foundation para estudar no Pratt-Contemporaries Graphic Art Centre, centro de estudos gráficos do Pratt Institute de Nova Iorque. No Pratt, Maria Bonomi amplia seu horizonte técnico e artístico, passando a fazer gravuras de grandes dimensões, as quais atingem até noventa centímetros. Os temas, em trabalhos resolvidos com sínteses gráficas, ligam-se à natureza e à paisagem urbana; considere-se ainda que fatos indicam uma das possibilidades de leitura para suas obras. Data desta época a xilogravura Parade, obra motivada por um desfile ocorrido na Fifth Avenue em Nova Iorque, adquirida posteriormente por Nelson Rockfeller, então governador do estado de Nova Iorque. Em novembro de 1958, Maria Bonomi abre sua primeira exposição individual nos Estados Unidos, na Roland de Aenlle Gallery de Nova Iorque. A exposição é assunto de artigo publicado no jornal The New York Times de 21 de novembro de 1958, no qual Dore Ashton, colunista de arte do jornal, tece elogios sobre o trabalho da gravadora. Salvador Dali, surrealista espanhol, também visita a exposição de Bonomi na Roland, fato este documentado pela revista O Cruzeiro de 18 de abril de 1959.

1956-1957

Em dezembro de 1956 Bonomi viaja para a Europa novamente e, no ano seguinte, passa a frequentar o ateliê de Emílio Vedova, pintor italiano que conhece desde 1953. Em companhia dele, Bonomi visita museus e galerias da Áustria, Bélgica e Holanda. Além disso, como declara em depoimento de 1999, auxilia Vedova, junto com Mário Cravo, nos ateliês de Veneza e de Berlim, assistindo-o em alguns trabalhos que ele desenvolve. Da Europa vai para os Estados Unidos, possivelmente em fins de 1957. Nesse mesmo ano, como afirma Maria, em Nova Iorque, junto com Henri Zerner, começa a freqüentar o atelier gráfico de Tânia Grossman, onde costumava encontrar Rauschenberg, Jasper Johns, Lee Bontecou e Lee Krasner, a viúva de Pollock.

1956

No Museu de Arte Moderna de São Paulo, Maria Bonomi realiza sua primeira exposição individual, na qual exibe trabalhos dos anos de 1955 e 1956. São 58 obras entre monografias e xilogravuras, feitas a partir do período de vivência com Karl Plattner e de estudos com Lívio Abramo. Lourival Gomes Machado apresenta a arista em catálogo da mostra. Nesse mesmo ano, recebe o 2º Prêmio de Gravura Arte Contemporânea, instituído pelo industrial Isaí Leirner, o qual é dividido com Lygia Pape. Ainda em 1956, escreve artigo publicado na XXe Siècle, de Paris, intitulado Rencontre Avec Sophie Taueber-Arp.

1955

A artista conhece seu futuro mestre: Lívio Abramo. Conta Maria que depois de visitar a exposição do gravador no Museu de Arte Moderna de São Paulo, ainda localizado na rua Sete de Abril, pede a ele para aceitá-la como aprendiz, o que só acontece, como ela mesmo se lembra, depois de muita insistência. Inicia-se lixando madeira, afiando instrumental e imprimindo as matrizes de seu mestre em papel arroz; só após esse conhecimento do material próprio à xilogravura começa a gravar, todavia, em linóleo. Depois desse aprendizado passa a gravar em madeira, de fio e de tôpo. Ainda nesse ano, Bonomi participa de duas importantes exposições. Na III Bienal de São Paulo, apresenta as pinturas Retrato I e Catedral, tornando-se a mais jovem expositora daquela Bienal. Em Neuchâtel, na Suíça, participa da exposição Arts Primitifs et Modernes Brésiliens, apresentada no Musée d’Ethnographie de Neuchâtel. Nessa exposição, sua primeira fora do Brasil, Bonomi expõe gravura ao lado de grandes nomes, como os de Edith Behring, Marcelo Grassmann e o de seu mestre Lívio Abramo. Com obras em lavis, utilizando-se do branco e do preto, a artista ilustra oficialmente seu primeiro livro, Vesperal de Silêncio de Geraldo Azevedo. Ainda nesse ano, contribui com a revista Il 4 Soli, de Turim, colaborando com o artigo “Letera dal Brasile”.

1953-1954

De volta ao Brasil, Bonomi inicia estudos com Karl Plattner, auxiliando-o, poste-riormente, ao lado de Wesley Duke Lee, na execução do Painel das Folhas. De sua vivência com Plattner, de relação que estabelece com integrantes do movimento concretista de São Paulo, assim como a partir de sua correspondência com Prampolini, na qual se lê conceitos artísticos, Bonomi leva sua arte à geometrização. Data deste período uma série de encáusticas, pinturas nas quais Bonomi trabalha a imagem à maneira dos concretistas. Nesse mesmo ano, participa de uma exposição coletiva intitulada I Salão de Agosto, no Instituto Israelita Brasileiro, em São Paulo. Neste Salão, Bonomi recebe Menção Honrosa pelas obras Porto, Retrato e Sonhos de Uma Noite de Verão.

1952

Com Yolanda Mohalyi, continua a desenhar e já dá início ao uso do gouache, do lavis e do óleo. As paisagens que pinta nessa época delineiam-se por manchas de tinta que compõem uma imagem pouco detalhada. Destas, uma é reproduzida em artigo de Lina Bo Bardi publicado na revista Habitat de 1952, por ocasião da exposição coletiva dos alunos do ateliê de Yolanda Mohalyi no Museu de Arte de São Paulo, o Masp. Neste mesmo ano de 1952, Maria Bonomi viaja para Europa, permanecendo a maior parte do tempo em Milão, Roma e Paris, hospedada em casas de parentes. Com seu tio Ginetto Luigi Bonomi, arquiteto e colecionador de arte, visita ateliês e coleções de arte da Itália, convivendo com colecionadores, restauradores e, evidentemente, artistas, entre os quais Marino Marini, Mario Sironi e Alberto Magnelli. É também através de seu tio que Maria Bonomi conhece, em Roma, o artista Enrico Prampolini, com quem trabalha a propósito de uma cenografia e estabelece importante relação artística nos anos seqüentes.

1951

Descendente de italianos destacados, quer na Itália quer no Brasil, Maria Bonomi desde cedo freqüenta importantes círculos culturais de São Paulo e do Rio de Janeiro como, por exemplo, as reuniões em casa dos Magnelli, Ascarelli, Bardi e Matarazzo. Assim, participa de momentos importantes da história das artes da capital paulista, como o da criação da Bienal Internacional de Arte, com a qual, aliás, sempre manteve relação, por vez, controversa.

1950

Por insistência de Marcela Ascarelli, amiga da família e uma das mais importantes colecionadoras de arte da época, a mãe de Maria, Georgina Martinelli Bonomi, decide levar a adolescente até o ateliê de Lasar Segall. Após analisar a pasta da iniciante, o expressionista, telefona para a pintora Yolanda Mohalyi, pedindo que esta encaminhe a futura artista.

1946-1947

Com a morte de Martinelli, Maria Bonomi é levada para São Paulo, onde passa a estudar no Colégio das Cônegas de Santo Agostinho, o Des Oiseaux. No Colégio, Bonomi conclui o colegial clássico. Maria, como gosta de dizer, sempre teve a obsessão do desenho. Desenhava, até mesmo por um problema de surdez que a acompanhava quando criança. Assim, por força de sua obsessão, a futura artista, com apenas doze anos, recebe prêmio de desenho em concurso do Colégio.

1944-1945

Seguem de trem para a França, depois Espanha até chegarem em Portugal, de onde embarcam para o Brasil. No Rio de Janeiro, hospedam-se na casa do avô materno de Maria, o já afamado Giuseppe Martinelli. A família da artista segue para São Paulo, enquanto ela permanece no Morro da Viúva, em casa do avô. Lá, Maria, como nos conta, convive com grupo de artesãos originários de Lucca que moram e trabalham com o Comendador Martinelli. Rosina, filha do empreiteiro Egisto Bertini, instrui Bonomi na confecção de uma pomba de gêsso que figuraria no alto da porta da capela do Morro, como queria o Comendador.

1942-1943

Sua infância na Itália é marcada pela II Guerra Mundial. Como afirma Maria, seu pai, engenheiro militar, luta na Guerra. Lembra-se também a artista que, por volta de 1942, sua casa na Itália é ocupada pelo exército alemão e utilizada como centro de operações de guerra. Sua mãe, Georgina Bonomi, por ser brasileira e ter o direito de retirar sua família da Itália, decide, cansada daquela situação, seguir para o Brasil. Assim, atravessam a fronteira italiana e chegam à Suíça, onde, em Berna, abrigam-se com Raul Bopp, diplomata brasileiro. Maria não tem mais que seis anos de idade e recebe, do também poeta, seu livro de poesia modernista, intitulado Cobra Norato, para o qual faz, descompromissadamente, ilustrações.

1935

Nasce em Meina, aldeia localizada às margens do Lago Maggiore, nas proximidades de Milão, em julho de 1935, de mãe brasileira, Georgina Martinelli Bonomi, e pai italiano, Ambrógio Bonomi.

Outras imagens
Colabore conosco
Você tem informações sobre este artista ou acredita que algum dos tópicos do conteúdo está errado?
clique aqui e colabore conosco enviando sua sugestão, correção ou comentários.
Nome
Email
Mensagem
Enviar
Peças sendo leiloadas, compre agora
iArremate leilões
23 de Setembro às 21:00

Maria Bonomi
Rotativa, Serigrafia Ed.1/1, assinada e datada, 1965, inferior direito, titulada e numerada inferior esquerdo.
68 x 49 cm.
Obras deste artista