Carregando... aguarde
Amilcar de Castro - Guia das Artes
Amilcar de Castro
Informações
Nome:
Amilcar de Castro
Nasceu:
Paraisópolis - MG (08/06/1920)
Faleceu:
21/11/2002
Biografia

Amilcar Augusto Pereira de Castro (Paraisópolis MG 1920 - Belo Horizonte MG 2002). Escultor, gravador, desenhista, diagramador, cenógrafo, professor. Muda-se com a família para Belo Horizonte em 1935, e estuda na Faculdade de Direito da Universidade Federal de Minas Gerais - UFMG, de 1941 a 1945. A partir de 1944, frequenta curso livre de desenho e pintura com Guignard (1896 - 1962), na Escola de Belas Artes de Belo Horizonte, e estuda escultura figurativa com Franz Weissmann (1911-2005). No fim da década de 1940, assume alguns cargos públicos, que logo abandona, assim como a carreira de advogado. Paralelamente, em seus trabalhos, dá-se a passagem do desenho para a tridimensionalidade. Em 1952, muda-se para o Rio de Janeiro e trabalha como diagramador em diversos periódicos, destacando-se a reforma gráfica que realizou no Jornal do Brasil. Depois de entrar em contato com a obra do suíço Max Bill (1908-1994), realiza sua primeira escultura construtiva, exposta na Bienal Internacional de São Paulo, em 1953. Participa de exposições do grupo concretista, no Rio de Janeiro e em São Paulo, em 1956, e assina o Manifesto Neoconcreto em 1959. No ano seguinte, participa em Zurique da Mostra Internacional de Arte Concreta, organizada por Max Bill. Em 1968, vai para os Estados Unidos, conjugando bolsa de estudo da Guggenheim Memorial Foundation com o prêmio de viagem ao exterior obtido na edição de 1967 do Salão Nacional de Arte Moderna (SNAM). De volta ao Brasil, em 1971, fixa residência em Belo Horizonte. Torna-se professor de composição e escultura da Escola Guignard, na qual trabalha até 1977, inclusive como diretor. Leciona na Faculdade de Belas Artes da UFMG, entre as décadas de 1970 e 1980. Em 1990, aposenta-se da docência e passa a dedicar-se com exclusividade à atividade artística.

Cronologia

1935 – Após residir em diversos municípios do interior de Minas Gerais durante a infância, mudou-se com a família para Belo Horizonte. 1941-45 – Cursou Direito na Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG). 1944-50 – Estudou desenho e pintura com Alberto da Veiga Guignard e escultura com Franz Weissmann, no Instituto de Belas Artes de Belo Horizonte (atual Escola Guignard); nesse período, realizou suas primeiras experięncias gráficas, produzindo cartazes com temática política para a Esquerda Democrática, agrupamento de intelectuais e políticos surgido em 1945, de oposiçăo ŕ ditadura do Estado Novo e que, em seguida, daria origem ao Partido Socialista Brasileiro. 1947 – Recebeu a medalha de bronze em desenho, no 52ş Salăo Nacional de Belas Artes, no Rio de Janeiro. Segunda metade da década de 1940 – Atuou profissionalmente como advogado em Belo Horizonte e exerceu cargos públicos, como chefe de gabinete da Secretaria de Segurança Pública de Minas Gerais (1948) e tesoureiro do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (1949-53). 1949 – Assistiu, no Rio de Janeiro, ŕ conferęncia do artista e designer suíço Max Bill, divulgador da arte concreta, que provocou forte impacto em suas concepçőes artísticas; voltaria a ter contato com a obra de Max Bill em 1951, por ocasiăo da 1Ş Bienal de Săo Paulo. 1953 – Expôs na 2Ş Bienal de Săo Paulo a sua primeira escultura construtiva (produzida em chapa de cobre), fruto de seu contato com a obra e os postulados teóricos de Max Bill; nesse mesmo ano transferiu-se para o Rio de Janeiro para trabalhar no escritório do Departamento do Café de Minas Gerais, mas suas atençőes se direcionaram cada vez mais para a carreira artística; ainda em 1953, começou a trabalhar como diagramador na revista Manchete, dando início a uma profícua carreira que ao longo dos anos se estenderia por diversos periódicos brasileiros, como a revista Cigarra e os jornais Diário Carioca, Última Hora, Jornal do Brasil, Estado de Minas, Diário de Minas e Estado de Săo Paulo. 1955 – Recebeu o 1ş Pręmio de Escultura no Salăo Nacional de Arte Moderna da Bahia. 1956 – Aproximou-se do grupo concretista e participou da 1Ş Exposiçăo Nacional de Arte Concreta, onde apresentou uma escultura de alumínio e ferro. Suas obras passaram a apresentar, entăo, formas geométricas planas, articuladas por cortes e dobras que produzem intenso diálogo com o espaço. 1957-59 – Dirigiu a reforma gráfica do Jornal do Brasil, marco na história do jornalismo e do design gráfico brasileiro. 1959 – Foi um dos signatários do Manifesto Neoconcreto, participando de exposiçőes do grupo neoconcretista. 1960 – Participou da Mostra Internacional de Arte Concreta de Zurique, na Suíça; nesse mesmo ano, recebeu a medalha de Prata em Escultura no 9ş Salăo Nacional de Arte Moderna, no MAM-RJ, e o 1ş Pręmio em Escultura no 15ş Salăo Municipal de Belas Artes de Belo Horizonte, pręmio que voltaria a receber dois anos depois. 1963 – Produziu a cenografia para o enredo da Escola de Samba Estaçăo Primeira de Mangueira, do Rio de Janeiro, junto com o escultor Jackson Ribeiro e o artista plástico Hélio Oiticica. 1967 – Participou do 16ş Salăo Nacional de Arte Moderna, sendo agraciado com o Pręmio Viagem ao Exterior. 1968 – Transferiu-se para Nova Jersey, nos Estados Unidos, após tornar-se o primeiro artista plástico brasileiro a receber uma bolsa de estudos da John Simon Guggenheim Memorial Foundation. 1969 – Realizou sua primeira mostra individual, na Kornblee Gallery, de Nova York. 1971 – Retornou ao Brasil e, após permanecer por breve período no Rio de Janeiro, fixou residęncia em Belo Horizonte, passando a dar aulas de composiçăo, escultura e desenho na Escola Guignard (instituiçăo que dirigiu entre 1974 e 1977); de escultura na Escola de Arte Rodrigo Mello Franco de Andrade, em Ouro Preto; e na Escola de Belas Artes da UFMG nas décadas de 1970 e 1980. Década de 70 – Realizou grandes esculturas em chapas de ferro, que requeriam sofisticas soluçőes técnicas. 1974 – Recebeu o Grande Pręmio de Escultura no Museu da Pampulha, em Belo Horizonte. 1977-78 – Recebeu o Grande Pręmio, respectivamente de desenho e escultura, no 9ş e 10ş Panorama da Arte Atual Brasileira, no Museu de Arte Moderna de Săo Paulo. 1978 – Realizou sua primeira mostra individual no Brasil, expondo desenhos no Gabinete de Artes Gráficas, em Săo Paulo; nesse mesmo ano, produziu uma monumental escultura pública de 32 metros de altura, construída na entrada da cidade de Ouro Branco (MG). 1981 – Recebeu o Grande Pręmio da Prefeitura de Belo Horizonte no 13ş Salăo Nacional de Arte, do Museu de Arte da Pampulha, em Belo Horizonte. 1987 – Representou o Brasil no projeto Esculturas Latino-Americanas, em Madri. 1990 – Aposentou-se da docęncia e passou a dedicar-se exclusivamente ŕ produçăo artística. 1998 – Produziu uma obra para o projeto de renovaçăo do bairro Hellersdorf, na parte oriental de Berlim, na Alemanha. 2001 – Sua exposiçăo na Pinacoteca do Estado de Săo Paulo foi apontada como a melhor do ano pela Associaçăo Paulista de Críticos de Arte. 2005 – Foi homenageado postumamente em mostra retrospectiva realizada durante a 5Ş Bienal de Artes Visuais do Mercosul.

Peças sendo leiloadas, compre agora
iArremate leilões
23 de Outubro às 21:00

Amílcar de Castro - Acrílica sobre tela. Assinado e datado 94 no verso. 98,5 x 190 cm.
iArremate leilões
23 de Outubro às 21:00

Amílcar de Castro - Escultura em aço corten 1/8 polegada. Com monograma do artista. 10 x 21 x 15 cm.
iArremate leilões
23 de Outubro às 21:00

Amílcar de Castro - Escultura em aço corten 1/2 polegada. Assinada. 36,5 x 50 x 45 cm.
iArremate leilões
23 de Outubro às 21:00

Amílcar de Castro - Avental. Acrílica sobre tecido. 97 x 77 cm.
Colabore conosco
Você tem informações sobre este artista ou acredita que algum dos tópicos do conteúdo está errado?
clique aqui e colabore conosco enviando sua sugestão, correção ou comentários.
Nome
Email
Mensagem
Enviar
Obras deste artista