Carregando... aguarde
Aldir Mendes de Souza - Guia das Artes
Aldir Mendes de Souza
Informações
Nome:
Aldir Mendes de Souza
Nasceu:
São Paulo, SP (17/05/1941)
Faleceu:
São Paulo, SP (12/02/2007)
Biografia

Aldir Mendes de Souza (São Paulo, 17 de maio de 1941 — 12 de fevereiro de 2007) foi um artista plástico e cirurgião plástico brasileiro.

No campo das artes foi autodidata, começando a expor em 1962. Na área médica teve formação na Escola Paulista de Medicina (EPM), em 1964. Exerceu ambos os ofícios (artes plásticas e medicina), ativamente, durante toda a vida. Participou da Bienal Internacional de São Paulo em 1967, 1969, 1971, 1973 e 1977, da Bienal Ibero-Americana do México em 1978, 1982 e 1986, da Bienal de Havana-Cuba em 1986, além de ter realizado exposições individuais e coletivas, no Brasil e no exterior, com Alfredo Volpi, Arcangelo Ianelli, Hércules Barsotti, Luis Sacilloto, Waldemar Cordeiro, entre outros. Sobre sua obra, versou o poeta concretista Haroldo de Campos. Teve, durante um curto período (1973/1974), atuação como diretor de cinema, chegando a dirigir dois longas-metragens. É considerado um dos grandes coloristas surgidos no cenário das artes plásticas do Brasil. Faleceu em 12 de fevereiro de 2007, aos 65 anos de idade, no Hospital Alemão Oswaldo Cruz, vítima de leucemia.

Cronologia

ca.1960-65 – Em São Paulo estudou pintura e desenho artístico com Nair Mendes. 1964 – Formou-se pela Escola Paulista de Medicina. 1966 – Tornou-se diretor de duas galerias de arte paulistanas, a Artécnica e a do Cine Belas Artes. 1967 – Concluiu o curso de especialização em cirurgia plástica pelo Hospital das Clínicas, São Paulo. 1968 – Passou a integrar a diretoria e a comissão da exposição da Associação Internacional dos Artistas Plásticos, São Paulo. 1969 – Elegeu o cafeeiro como símbolo da natureza e o representou por uma figura circular de contornos sinuosos. Do cafeeiro surgiu o cafezal, formado pela disposição regular do arbusto em fileiras. A seriação da figura levou-o à perspectiva, e sua síntese formal à geometrização. 1969-70 – Foi membro da Comissão Estadual de Artes Plásticas do Conselho Estadual de Cultura, São Paulo. 1971 – Em São Paulo realizou dois curtas-metragens, Com o Coração na Mão, remontagem de filme científico sobre cirurgia cardíaca; e Dança das Artérias, mostrando os aspectos plásticos do aparelho circulatório humano. 1972 – Tornou-se membro da Comissão de Arte da Fundação Bienal de São Paulo. 1978 – Assumiu a vice-presidência da Associação Internacional de Artistas Plásticos de São Paulo. 1982 – Publicou, com Alberto Buttenmüller, Geometria e Cor pela Edição Arte Aplicada, São Paulo. 1983 – Publicou, com Alberto Buttenmüller, Críticos e Artistas, São Paulo. 1984 – Assumiu a presidência da Associação Profissional de Artistas Plásticos de São Paulo; tornou-se membro do Conselho Artístico da Pinacoteca do Estado de São Paulo. 1986-1987 – Integrou o Conselho de Arte e Cultura da Fundação Bienal de São Paulo. 1992 – Lançou o livro Geometrie Parlanti, editado na Itália. 1997 – Publicou Poetas do Espaço e da Cor, pela Edição Arte Aplicada, São Paulo. 2003 – Lançou o livro Obsessão pela cor, com textos de Frederico Morais e Olívio Tavares de Araújo, em São Paulo. 2005 – Descobriu ser portador de leucemia. Promoveu, entre outras, as seguintes exposições individuais: 1963 – Biblioteca da Escola Paulista de Medicina. 1982 – Exposição retrospectiva de 20 anos de pintura, Museu de Arte Brasileira, Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo, SP. 1983 –Fundação Álvares Penteado, São Paulo, SP. 1992 – Exposição comemorativa de 30 anos de pintura, Paço das Artes de São Paulo, SP. 1993 – Três exposições simultâneas no Campus da USP. 1994 –Fundação Armando Álvares Penteado, São Paulo, SP. 2001 –Pinacoteca do Estado, São Paulo, SP. 2003 – 40 anos de pintura, Museu de Arte de São Paulo, SP. 2004-05 – Geometria Brasileira, galerias do Rio de Janeiro, São Paulo, Mato Grosso do Sul e Brasília. 2006 –Centro Brasileiro Britânico, São Paulo, SP. Além destas, realizou individuais no exterior (Roma, Madri, Lisboa, Washington e Nova York). Participou de várias mostras coletivas, entre as quais as seguintes: 1967-73 e 77 – Bienal Internacional de São Paulo. 1987-89 – Bienal Ibero-Americana do México. 1991 – Bienal de Havana, Cuba; Museu de Arte de São Paulo; Museu Nacional de Belas Artes, Roma, Itália; mostra em Salerno, Itália. 1997 – Poetas do Espaço e da Cor (coletiva com Volpi, Weissman e Ianelli): Museu de Arte de São Paulo, SP,; Museu de Arte Moderna, Rio de Janeiro; e Museu de Brasília, DF.

Peças sendo leiloadas, compre agora
iArremate leilões
26 de Junho às 21:18

Aldir Mendes de Souza - acrílica sobre tela - 100 x 130 cm - “Buraco Negro – Azul Cobalto” - ass. verso - 2006"
iArremate leilões
28 de Junho às 20:30

ALDIR MENDES DE SOUZA - "Espaço tempo metropolitano" - tempera - 80 x 80 cm - a.n.v. 1992
Compre agora
iArremate leilões
20 de Junho às 20:00

Aldir Mendes de Souza - A Cidade VI - OST, assinado e datado no verso 1979 - 60 x 100 cm.
iArremate leilões
20 de Junho às 20:00

Aldir Mendes de Souza - Releitura Cafesal n°5 - OST, assinado no verso 1984 - Etiquetas de galerias e museus no verso - 34 x 55 cm.
Outras imagens
Colaboradores com informações sobre este artista

ALDIR Mendes de Souza. Catálogo. Funarte, Rio de Janeiro, 1979. CAVALCANTI e Ayala. Dicionário Brasileiro de Artistas Plásticos. MEC/INL, 1973-77. LEITE, José Roberto Teixeira. Dicionário Crítico da Pintura no Brasil. p. 18, Artlivre, 1988. Aldir Mendes de SOUZA. Pinacoteca do Estado de São Paulo, 2001.

Colabore conosco
Você tem informações sobre este artista ou acredita que algum dos tópicos do conteúdo está errado?
clique aqui e colabore conosco enviando sua sugestão, correção ou comentários.
Nome
Email
Mensagem
Enviar
Obras deste artista