Carregando... aguarde
Clécio Penedo És Tupi do Brasil-202-10-24-0202-10-24 - Guia das Artes
‘Clécio Penedo: És Tupi do Brasil’
Evento encerrado
‘Clécio Penedo: És Tupi do Brasil’
Quando aconteceu
Domingo, 24 Outubro até Domingo, 16 Fevereiro
Local
Sala Lucio Costa / Sala Frans Post / Sala Coleção Dom João VI Museu Nacional de Belas Artes
Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia
Conteúdo

 

Rio – Em exposição reunindo cerca de 60 obras, a arte de Clécio Penedo, que nasceu em 1936, em Bom Jardim (MG), mas residia em Barra Mansa (RJ), está em cartaz no Museu Nacional de Belas Artes/Ibram desde outubro de 2019.

O público pode visitar a exposição “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil” até dia 16 de fevereiro.
Nesta homenagem a Clécio Penedo (1934-2004), o público pode descortinar obras que representam três décadas de sua produção, abrangendo trabalhos dos anos 1970 até os anos 2000.
Pintor, gravador e desenhista, o mineiro Clécio Penedo frequentou de 1954 a 1956, a Escola Nacional de Belas Artes/ENBA, que funcionava no mesmo prédio do Museu Nacional de Belas Artes. A partir da década de 70, desenvolveu diversos trabalhos no Centro de Pesquisa de Arte, sob a orientação de Ivan Serpa e de Bruno Tausz, tendo sido aluno dos cursos de gravura em metal e desenho com Eduardo Sued e Aluízio Carvão, no MAM/RJ. Entre seus trabalhos de destaque está o painel “Brasil Colonização e Independência” (1987), que se encontra no acervo do Museu Histórico Nacional.
Sua prolífica carreira sofreu um momento de inflexão em 1977, quando o artista recebeu um material de propaganda política despertando um interesse pelas questões indígenas, então, em voga nas discussões públicas da época. Clécio Penedo passou a pesquisar o tema e a fazer anotações em forma de desenhos que seriam a base para a primeira das séries, intitulada “És tupi do Brasil”, com a presença do índio brasileiro, que o singularizou. Nela os índios se tornam suporte para uma campanha imaginária. A beleza dos desenhos contrasta com o misto de ironia e acidez com que o tema é tratado. Na sequência, Clécio Penedo realizou imagens predominantemente em desenho e colagem, onde se aproximam recortes de notícias de jornais, ilustrações de revistas a seu inventivo desenho.
Depois, em uma segunda grande fase de imagens com a presença do índio, Clécio Penedo promove um diálogo deste com grandes nomes da história da Arte, principalmente a europeia, evocando personagens dos quadros de Velasquez, Goya, Picasso, e Miró, entre outros.
Com curadoria de Ayrton Costa, a exposição “Clécio Penedo: És Tupi do Brasil” conta com um catálogo com textos de Ana Letícia Penedo, André Couto, Ivan Doro, Ronaldo Auad e apresentação de Ayrton Costa, e ainda um site, todos produzidos exclusivamente para a mostra.
Para os organizadores, esta exposição é uma oportunidade para o público conhecer e/ou reencontrar a obra de Clécio Penedo.

Serviço

Exposição ‘Clécio Penedo: És Tupi do Brasil’
Visitação até dia 16 de fevereiro de 2020
Local: Sala Lucio Costa / Sala Frans Post / Sala Coleção Dom João VI
Museu Nacional de Belas Artes
Endereço: Avenida Rio Branco, 199 – Cinelândia, Rio de Janeiro
Visitação: terça a sexta-feira das 10h até 18h; sábados, domingos e feriados das 12h às 17h.
Site da exposição: www.cleciopenedo.com
Facebook: www.facebook.com/MNBARio
Instagram: https://www.instagram.com/mnbario/
Canal do YouTube: MNBARio

* Os horários podem variar em função de férias e feriados. Recomendamos ligar antes para verificar.
Fotos
Compartilhe
Comente
Mais Opções em "Rio de Janeiro"
1500 BABILÔNIA GALERIA - “Redesenhos” é mostra de série inédita do fotógrafo Edouard Fraipont composta de sete imagens e um vídeo. Ele explora o conceito de fotoperformance, em parceria com a coreógrafa e bailarina Alexandra Naudet, e propõe figuras redesenhadas pelo movimento do
Saiba mais
A Gentil Carioca - Fundado em setembro de 2003 pelos artistas plásticos Ernesto Neto, Franklin Cassaro, Laura Lima e Márcio Botner, esse espaço para a arte contemporânea representa e mantém em acervo obras dos artistas Thiago Rocha Pitta, João Modé, Jarbas Lopes, Paulo Nenf
Saiba mais
ALMACÉN GALERIA DE ARTE BARRA DA TIJUCA - Estabelecida no CasaShopping, na Barra da Tijuca, desde 1986, a galeria mantém em acervo obras de Tomie Ohtake, Cildo Meireles, Antonio Dias, Marco Coelho Benjamim, Fernando Velloso, Walter Goldfarb, Cruz-Diez, Jussara Age, Yuli Geszti, Silvio Baptista, H
Saiba mais
AMARELONEGRO ARTE CONTEMPORÂNEA - O artista curitibano Juan Parada apresenta na exposição “Teto Verde” uma grande instalação. A obra, que tem o formato de uma casa, está disposta de cabeça para baixo. Destaque para o teto verde, no qual o a terra está por cima e as plantas crescem para ba
Saiba mais
ANTIGA FÁBRICA DA BHERING - O espaço onde funcionava a ex-fábrica de chocolates Bhering, abriga 52 ateliês de artistas e 22 pequenas empresas do ramo cultural. O maquinário e as antigas instalações da fábrica servem de inspiração para criação e também são incorporados aos trabalhos
Saiba mais
ATELIER CURVELO - Instalado em um casarão de 1896 com vista para a Baia de Guanabara, em Santa Teresa, o espaço abriga criações do artista plástico Zemog e peças de sua esposa, a designer Rita Dias. Zemog usa materiais nada nobres como tampinhas de refrigerante, espelhos e
Saiba mais
BIBLIOTECA NACIONAL - O prédio, em estilo neoclássico, foi projetado pelo arquiteto Francisco Marcelino de Souza Aguiar. Inaugurado em 1910, reúne um acervo de cerca de nove milhões de peças, entre raridades como a Bíblia de Mogúncia, impressa em 1462, a edição dos Lusíadas de
Saiba mais
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
ESPAÇO CULTURAL MUNICIPAL SÉRGIO PORTO - O local é um dos espaços culturais mais interessantes do Rio. Integra a Rede Municipal de Teatros da Secretaria Municipal de Cultura. Tem uma programação variada, com exposições de arte, palestras, debates, workshops, espetáculos de teatro, recitais de po
Saiba mais
FUNDAÇÃO CASA DE RUI BARBOSA - A mansão onde está instalado o museu, construída em 1849, em estilo neoclássico, serviu de residência a Rui Barbosa (1849-1923) durante os últimos 28 anos de sua vida. Possui um acervo de 1.400 peças de mobiliário, objetos decorativos e de uso pessoal e p
Saiba mais
Galeria Valdir Teixeira -
Saiba mais