Carregando... aguarde
Guerra na Ucrânia: a corrida para salvar tesouros artísticos do país em meio à invasão russa - Guia das Artes
Guerra na Ucrânia: a corrida para salvar tesouros artísticos do país em meio à invasão russa
Guerra na Ucrânia: a corrida para salvar tesouros artísticos do país em meio à invasão russa
inserido em 2022-03-17 18:36:39
Conteúdo

 

 

O vídeo mostrava uma fila ziguezagueando do lado de fora do Museu de Belas Artes de Odessa, na Ucrânia.

Era domingo, 20 de fevereiro, e, talvez pela última vez, homens, mulheres e crianças aguardavam para observar os seus tesouros: 10 mil obras de arte do século 16 em diante, incluindo as primeiras pinturas do pioneiro da arte abstrata, o russo Wassily Kandinsky, que morou em Odessa. Apenas quatro dias depois, a Rússia invadiu a Ucrânia.

Agora, como muitas outras cidades em todo o país, Odessa prepara-se para ser atacada. Foi fundada por Catarina, a Grande, no final do século 18, com sua arquitetura do século 19 perfeitamente preservada e bela ópera em estilo neobarroco. A diretora em exercício do museu, Oleksandra Kovalchuk, fugiu para a Bulgária para garantir a segurança do seu filho, de um ano de idade. Mas ela está terrivelmente abalada.

"Sinto-me uma traidora", afirma ela. "Decepcionei a minha equipe. É claro que me sinto culpada. O Museu de Belas Artes de Odessa tem sido um filho para mim há muitos anos, de forma que foi basicamente uma decisão sobre qual filho eu queria abandonar. Decidi que sou obrigada a cuidar do meu filho pequeno."

Museu de Belas Artes de Odessa

OFAM - O Museu de Belas Artes de Odessa está se preparando para a possibilidade de ser atacado

Na capital ucraniana, Kiev, a diretora de outro museu, Olesia Ostrovska-Liuta, tomou uma decisão diferente, mas igualmente difícil. Ela permaneceu, embora diga que "a situação dos museus e instituições culturais não é diferente dos hospitais, escolas e áreas residenciais". "Estamos todos sob bombardeio."

O Arsenal de Mystetskyi é um dos maiores museus de arte da Europa e abriga obras ucranianas de vanguarda e contemporâneas. Protegê-las é sua missão, e Olesia afirma que permanecerá em Kiev "enquanto pudermos proteger nossa instituição". "Quando não for mais possível, a situação muda."

"Estamos enfrentando não apenas um ataque à Ucrânia, mas um ataque à nossa cultura", afirmou ela em uma ligação de vídeo que picotou e travou. Ela está em zona de guerra. Talvez o mais surpreendente é que a ligação tenha sido completada.

Pule Twitter post, 1

Final de Twitter post, 1

A Ucrânia abriga sete locais de patrimônio mundial da Unesco, braço da ONU, incluindo a Catedral de Santa Sofia em Kiev, com suas maravilhosas cúpulas douradas e o deslumbrante afresco bizantino da Virgem Maria, além do conjunto arquitetônico histórico do centro de Lviv, no oeste do país.

Anna Reid, autora do livro Borderland: a Journey through the History of Ukraine ("Zona de fronteira: uma viagem através da história da Ucrânia", em tradução livre), afirma que o bombardeio de Lviv, Odessa, Kiev ou Chernihiv, no norte, com suas igrejas medievais, monastérios e sua inigualável coleção de monumentos arquitetônicos seria "uma perda cultural para a Europa comparável com a destruição de Dresden, na Segunda Guerra Mundial".

Com relação aos museus do país, seus funcionários podem fazer pouco para proteger as construções contra os ataques russos. E, segundo Kovalchuk, os museus "não têm um sistema de combate a incêndios", devido à falta de investimentos.

"Qualquer museu que começar a pegar fogo", segundo ela, "será destruído pelo incêndio e perderemos muitos artefatos históricos, belas obras de arte e patrimônio."

Dois quadros em exibição no Arsenal de Mystetskyi, em Kiev

MYSTETSKYI ARSENAL - Dois quadros em exibição no Arsenal de Mystetskyi, em Kiev

Mas existe uma corrida em andamento para proteger os tesouros no interior dos museus e uma compreensão assustadora do alto preço que já está sendo pago.

Relatos em Ivankiv, cidade a noroeste de Kiev, dão conta de que o museu local e suas obras de arte já foram queimados pelas forças russas. No museu havia 25 quadros da consagrada artista popular ucraniana Maria Prymachenko, cujas cores brilhantes e estilo idílico levaram Pablo Picasso a considerá-la um "milagre artístico".

Os relatos informam que poucas obras de arte se salvaram. Segundo o jornal britânico The Times, um morador entrou correndo no edifício em chamas para resgatar todas as obras que conseguisse. Acredita-se que ele tenha salvado cerca de dez obras de arte grandes do incêndio, embora ainda não se saiba quais foram.

Poucas semanas antes da guerra, segundo o crítico de arte Konstantin Akinsha, nascido em Kiev, o Ministério da Cultura e Política da Informação da Ucrânia publicou orientações de proteção e possível evacuação das coleções dos museus. Akinsha estava desesperado para que as obras de arte fossem evacuadas imediatamente.

"O nosso presidente é um herói, mas [a publicação das orientações] foi em uma época em que ele dizia que não havia motivo para pânico, que não haveria invasão", afirma ele. "As autoridades evitaram a evacuação das obras de arte, porque temiam criar pânico."

Tomamos conhecimento de alguns dos esforços sendo realizados agora nos milhares de museus da Ucrânia. Eles incluem tentativas apressadas de criar um inventário digital completo das obras para o caso delas caírem nas mãos dos russos e de mover as peças para locais não revelados e até casos de funcionários dos museus dormindo em barricadas nos porões com as obras de arte mais preciosas ao seu lado.

Arte em Chernihiv

ANNA REID - Esculturas, pinturas e outros patrimônios culturais estão ameaçados em Chernihiv, no norte da Ucrânia

Ninguém quer falar em público sobre o que está acontecendo, por medo de alertar os invasores russos ou saqueadores. Mas Kovalchuk contou que "em quase todos os museus, os funcionários estão dormindo, ficando por dias para permanecer perto das obras de arte e poder tomar decisões urgentes. Infelizmente, não posso dizer mais".

E, com relação ao Museu de Belas Artes de Odessa, ela conta que fez "todo o possível, tudo o que pudemos, para manter a coleção segura".

Tudo o que Ostrovska-Liuta conta sobre o museu Arsenal de Mystetskyi é que "quando a guerra começou, tínhamos instruções de como agir nessa situação". "Fizemos nossos planos de segurança e estamos seguindo esses planos. O museu está fechado e protegido."

Com os russos se aproximando de Kiev, agora pode ser tarde demais para mover alguns dos tesouros menores para fora da cidade (muitos esperam que isso possa ter ocorrido secretamente, pelo menos em alguns casos).

Mas existe pressão para proteger as obras de arte guardadas em lugares que ainda não estão sob ataque. Anna Reid afirma que as cidades que ainda não foram ocupadas e possuem museus com ricas coleções, como Odessa e Lviv, "deverão receber o máximo de ajuda possível para levarmos essas coleções para um local seguro", seja em abrigos antiaéreos ou mesmo para fora do país.

Já quanto às construções, que naturalmente não podem ser transportadas, a história é outra. "Lviv é como Salzburgo [na Áustria]", afirma ela. "Odessa é uma cidade do século 19 perfeitamente preservada, famosa por suas belas árvores, suas ruas de paralelepípedos e sua orla marítima. É uma joia que precisa de defesas antiaéreas."

Museu de Belas Artes de Odessa

OFAM - A diretora em exercício do Museu de Belas Artes de Odessa afirma que se sente uma "traidora" por fugir para a Bulgária com seu filho de um ano de idade

Kiev já está sob ataque. Ostrovska-Liuta conta: "Estamos todos correndo grande perigo vindo do céu. É por isso que há um forte apelo de todos os ucranianos para que seja estabelecida uma zona de exclusão aérea sobre a Ucrânia".

Claramente, o povo da Ucrânia é a prioridade, e protegê-lo ao máximo possível é fundamental. Mas trata-se de uma nação com orgulho da sua história e um passado recente que viu figuras culturais e obras de arte destruídas pelas antigas administrações soviéticas. O medo é que os russos queiram repetir essa destruição.

Como afirma Kovalchuk: "Acredito que faria sentido para eles destruir obras de arte que demonstrem nosso patrimônio ucraniano, que mostrem que nossa história é diferente, que somos diferentes e não russos. Para essa arte, não haverá lugar na Federação Russa. Ela deixará de existir".

 

Fonte: BBC

Fotos
Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Sáb
04/Dez
"Abdias Nascimento, Tunga e o Museu de Arte Negra" -
Saiba mais
Sáb
22/Jan
“Modernismo. Destaques do acervo“ - Pinacoteca celebra os 100 anos da Semana de Arte Moderna com nova exposição
Saiba mais
Ter
25/Jan
"Abdias Nascimento: um artista panamefricano" - MASP apresenta maior mostra já vista dedicada ao artista e ativista Abdias Nascimento
Saiba mais
Sex
25/Fev
-
Saiba mais
Sex
25/Fev
Volpi popular-
Saiba mais
Ter
08/Mar
“A Beleza Sombria dos Monstros: 13 Anos da Arte de Tim Burton” - Exposição interativa de Tim Burton chega a São Paulo em maio
Saiba mais
Ter
22/Mar
Brecheret, 1922-2022 – Nos Passos da Modernidade -
Saiba mais
Sex
25/Mar
‘Espuma Delirante’ de Rafael Silveira, com curadoria de Baixo Ribeiro -
Saiba mais