Carregando... aguarde
“EXPERIMENTAR O EXPERIMENTAL” - Guia das Artes
“EXPERIMENTAR O EXPERIMENTAL”
“EXPERIMENTAR O EXPERIMENTAL”
Ivair Reinaldim e Michelle Sommer lançam livro com estudos sobre crítica de arte no Brasil.Com patrocínio do PROEX/Capes e selo da Editora Circuito, edição é gratuita e pode ser baixada no site da editora.
inserido em 2020-08-06 20:46:31
Conteúdo

 

Ivair Reinaldim e Michelle Farias Sommer lançam livro digital sobre o experimental na arte brasileira. Com patrocínio PROEX/Capes e selo da Editora Circuito, a edição é gratuita e pode ser baixada no site da editora.

 

O livro "Experimentar o Experimental" nasceu de dois cursos ministrados em 2017 e 2018 no Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da Escola de Belas Artes da UFRJ (Universidade Federal do Rio de Janeiro), junto ao Programa de Extensão Plataforma de Emergência do Centro Municipal de Arte Hélio Oiticica (CMAHO). Tendo como ponto de partida a discussão de textos de Mário Pedrosa (1900-1981) e Hélio Oiticica (1937-1980), os cursos compreendiam três objetivos: confrontar as "origens" do experimental na produção artística brasileira; desenvolver reflexões a partir de estudos expositivos e da crítica de arte; e averiguar o que há de "brasilidade" na singularidade da experimentação. 

 

A edição estrutura-se em duas partes. A primeira reúne reflexões surgidas no curso "Experimentar o experimental: onde a pureza é um mi(s)to - introdução aos estudos expositivos e à crítica de arte no Brasil", desde as "origens" do experimental na arte brasileira dos anos 1960 e 1970 até a especulação sobre um possível experimental depois, debruçando-se ainda sobre os endereçamentos dessa produção, os cânones expositivos e as instâncias de legitimação. Já a segunda parte do livro dedica-se a abordar o curso seguinte, "Experimentar o experimental: furor da margem - estudos expositivos e crítica de arte no Brasil", de modo a somar aos temas da primeira edição um conjunto de reflexões sobre a relação entre léxicos e os usos da arte na conjuntura atual.

 

"Experimentar o Experimental" traz registros fotográficos das atividades realizadas nos cursos, além de exercícios-criação desenvolvidos por estudantes de forma coletiva e colaborativa. Há também textos inéditos produzidos pelos pesquisadores, a partir da experiência proposta, e ensaios que tratam de tópicos específicos abordados em algumas aulas. São republicados, ainda, textos históricos e literários que embasaram as dinâmicas e vivências da proposta. Destaca-se, nesse contexto, a publicação inédita da montagem de fragmentos de textos e transcrições de falas em áudio "Experimentar o experimental", de Waly Salomão (1943-2003), acompanhada de notas explicativas.

 

Clique aqui para baixar o livro, grátis: http://editoracircuito.com.br/website/3576-2/

 

QUEM SÃO

 

Ivair Reinaldim

Doutor em Artes Visuais, na linha de pesquisa História e Crítica da Arte, pela Escola de Belas Artes da UFRJ, tendo realizado Estágio PDEE junto à École doctorale d’Arts plastiques, esthétiques & sciences de l'art na Université Paris 1 - Panthéon Sorbonne (França). Sua tese "Arte e crítica de arte na década de 1980: vínculos possíveis entre o debate teórico internacional e os discursos críticos no Brasil" recebeu o Prêmio Gilberto Velho de Teses da UFRJ, em 2013. Professor adjunto da Escola de Belas Artes da UFRJ e do quadro permanente do Programa de Pós-Graduação em Artes Visuais da EBA-UFRJ. Membro do Comitê Brasileiro de História da Arte (desde 2019). Atua como curador independente e desenvolve pesquisas nas áreas de historiografia e teoria da arte, crítica e estudos curatoriais.

 

Michelle Farias Sommer

Vive e trabalha no Rio de Janeiro. Atua no ensino, pesquisa, curadoria e crítica de artes visuais. É pós-doutoranda em Linguagens Visuais no PPGAV/EBA/UFRJ (2017 - até o presente) com bolsa CAPES/PNPD com pesquisas voltadas para o experimental e distopias contemporâneas a partir de perspectivas multidisciplinares. É doutora em História, Teoria e Crítica de Arte pelo PPGAV/UFRGS (2012-2016), com estágio doutoral junto à University of the Arts London/Central Saint Martins (2015) 457 na área de estudos expositivos, e mestre em Planejamento Urbano e Regional pelo PROPUR/UFRGS (2003-2005) na área de cidade, cultura e política. É arquiteta e urbanista pela PUC-RS (1997-2002). Em 2017 foi co-curadora da exposição Mário Pedrosa: de la naturaleza afectiva de la forma, no Museu Reina Sofia, em Madri, que obteve o prêmio destaque pela curadoria da exposição pela Associação Brasileira de Crítica de Arte - ABCA, em 2018. É autora e organizadora de diversos livros e contribui regularmente como crítica de arte para publicações nacionais e internacionais e projetos de artes visuais em formatos diversos, pesquisa, na crítica e na curadoria de artes visuais.

 

 

FICHA TÉCNICA

Título: Experimentar o experimental: onde a pureza é um mi(s)to, furor da margem
Organização: Ivair Reinaldim e Michelle Farias Sommer
Apresentação: Carlos de Azambuja Rodrigues
Rio de Janeiro
Editora Circuito
Ano: 2020
Páginas: 460
Patrocínio: PROEX/Capes
Disponível para download gratuito: http://editoracircuito.com.br/website/

 

Fotos
Compartilhe
Comente
Últimos eventos
Qua
01/Jan
ESCULTURAS NO PARQUE DA LUZ- O Parque da Luz, também conhecido como Jardim da Luz, conta com área de aproximadamente 113 mil m² . Foi criado como horto botânico por uma Ordem Régia da Coroa Portuguesa em 19 de novembro de 1798 foi aberto ao público em 1825 como Jardim Botânico já no
Saiba mais
Qua
27/Jul
Bruno Almeida Maia , em entrevista para o GuiaDasArtes - Bruno Almeida Maia , ministrante do curso Constelações Visionárias , a relação entre moda , arte e filosofia nos concedeu a ótima entrevista que se segue :
Saiba mais
Dom
31/Jul
Circuito de arte contemporânea do museu do açude ganha obras permanentes- CIRCUITO DE ARTE CONTEMPORÂNEA DO MUSEU DO AÇUDE GANHA OBRAS PERMANENTES DE WALTERCIO CALDAS, ANGELO VENOSA E JOSÉ RESENDE
Saiba mais
Sáb
29/Ago
Exposição Manuel Messias dos Santos - “Não preciso de côr – afirma – ela diminui a agressividade da gravura. Me basta o conflito do preto e do branco.” Manuel Messias dos Santos ao crítico Frederico Morais para o Diário de Notícias (1968).
Saiba mais